Augusto Heleno Ribeiro Pereira

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: HELENO, Augusto
Nome Completo: Augusto Heleno Ribeiro Pereira

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:

HELENO, Augusto 

*militarmin. Gab. Seg. Inst. 2019- 

 

Augusto Heleno Ribeiro Pereira nasceu em Curitiba (PR) no dia 29 de outubro de 1947, filho de Ari de Oliveira Pereira, professor, e Edina Ribeiro Pereira, dona de casa. 

Estudou no Colégio Militar do Rio de Janeiro entre 1959 e 1965. Em 1969, concluiu a graduaçãna Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), na arma de cavalaria, em 1969. Com as patentes de tenente e de capitão, foi instrutor da AMAN. Fez ainda os cursos de educação física, paraquedismo militarmestre de salto e operações na selva. 

Ainda capitão, foi nomeado, em 1977, ajudante de ordens do ministro do Exército Silvio Frota, exonerado pelo presidente Ernesto Geisel em outubro do mesmo ano. Naquele momento, a candidatura de Frota à presidência da República, para o mandato que teria início em março de 1979, era articulada por setores ligados à linha-dura das forças armadas, com o apoio de alguns parlamentares da Aliança Renovadora Nacional (ARENA).   

Em 1978, cursou a Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais (EsAO)na turma de cavalariaTrês anos depois, em 1981, foi designado para o cargo de assessor de educação física na Missão Militar Brasileira de Instrução no Paraguai, onde exerceu também as tarefas de oficial de Relações Públicas.  

Durante os anos de 1985 e 1986, cursou a Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (ECEME), quando recebeu a medalha Marechal Hermes de prata dourada com três coras, conferida aos militares da ativa do Exército que tenham concluído o curso como primeiro aluno de sua turma. 

Serviu, como oficial superior, na Brigada de Infantaria Paraquedista, na posição de chefe da seção de planejamento e ligação com a V Força Aérea. Em 1989, com a patente de tenente-coronel, foi assistente no gabinete do ministro do Exército, Leônidas Pires Gonçalves. Foi lotado no ano seguinte para o Gabinete Militar (atual Gabinete de Segurança Institucional) da Presidência da República. 

Promovido a coronel, comandou, de 1994 a 1996, a Escola Preparatória de Cadetes do ExércitoA seguir, foi adido militar na França, acreditado também na Bélgica. 

Em 1999, foi promovido a general de brigada e nomeado comandante da 5ª Brigada de Cavalaria Blindada. Posteriormente, comandou o Centro de Capacitação Física do Exército e, de 2002 a 2004, o Centro de Comunicação Social do Exército. 

Já promovido a general de divisão em 2004, se voluntariou e foi nomeado comandante da força militar da Missão das Nações Unidas para Estabilização no Haiti (MINUSTAH)Pelo primeiro ano do trabalho realizado nesse posto, recebeu o Prêmio Faz Diferença, categoria Mundo, concedido pelo jornal O Globo aos brasileiros que se destacaram em diversos campos de atividades em 2004.  

No segundo ano do exercício da missão, em 2005, coordenou uma ação militar que teve repercussão na imprensa. Diante da expansão do crime organizado em Porto Príncipe, capital do Haiti, ordenou invasão a uma comunidade local, situada na faixa litorânea da cidade. Na ocasião, comandou tropa da ONU composta por cerca de 400 militares, em operação que culminou no assassinato de membros da facção local. Retornou ao Brasil no final do ano e se tornou chefe de gabinete do ministro do Exército até meados de 2007, quando foi promovido a general de Exército e nomeado para chefiar o Comando Militar da Amazônia. 

Em maio de 2009, foi nomeado diretor do Departamento de Ciência e Tecnologia do Exército (DCT). Deixou o cargo em maio de 2011, quando passou para a reserva. Foi então contratado como consultor de segurança e defesa do Grupo Bandeirantes de Comunicação e, depois, convidado pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB) para exercer a função de diretor de comunicação e educação corporativa. Apoiou a participação de atletas ligados às forças armadas nas competições esportivas de alto rendimento e deixou o COB em novembro de 2017.  

Filiou-se, em abril de 2018, ao Partido Republicano Progressista (PRP)Em julho do mesmo ano, foi convidado pelo então postulante ao cargo de presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, para compor a chapa na condição de candidato a vice-presidente, mas declinou em função do veto expresso pela direção do PRP ao referido conviteContinuou, no entanto, próximo apresidenciável, tendo atuado como assessor de Bolsonaro durante a campanha. 

Com a eleição de Bolsonaro à presidência, participou da montagem da equipe do novo governoHeleno teve seu nome inicialmente cotado para o Ministério da Defesa, mas acabou nomeado para o cargo de ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, posição que permite um contato diário com núcleo do poder decisório do Executivo federal. 

Em maio de 2020, assinou uma Nota à nação brasileira”, na qual protestou contra a possibilidade de apreensão do aparelho celular do presidente da República, solicitada em uma das três notícias-crime contra Bolsonaro protocoladas por parlamentares, e encaminhadas pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, à Procuradoria Geral da República (PGR), responsável pelas investigações.  

Casou-se com Sonia Maria Pereira e teve dois filhos. 

 

Rodrigo Guimarães Saturnino Braga 

 

FONTES: CARVALHO, Jailton de. General Heleno. O Globo, Rio de Janeiro, 26/12/2004. Especial, p.3. Escola Preparatória de Cadetes do Exército: eternos comandantes. Disponível em: http://www.espcex.eb.mil.br/downloads/Eternos_Comandantes2019.pdf. Acesso em 09/05/2020. ESPECIAL FORÇAS ARMADAS – Missão de estabilização do Haiti, a minustah. Reportagem de rádio de Simone Salles, produção de Lucélia Cristina e edição de Aprígio Nogueira. Rádio Câmara, 26/04/2006. Disponível em:  

https://www.camara.leg.br/radio/programas/269561-especial-forcas-armadas-missao-de-estabilizacao-do-haiti-a-minustah-05-23/. Acesso em 09/05/2020. FLECK, Isabel. Clamor por militares lembra o clima de 1964, afirma general (entrevista). Folha de São Paulo, São Paulo, 30/05/2018. Caderno Poder, p. B16. General Heleno volta a defender o golpe de 64 ao passar para a reserva. Folha de São Paulo, São Paulo, 10/05/2011. Caderno Poder, p. A6. GIELOW, Igor. Conselheiro, General Heleno vai enfrentar uma nova guerra. Folha de São Paulo, São Paulo, 29/12/2018. Caderno Poder, p. A8. _____________. Militares não vão dar golpe ou fazer intervenção, diz general Heleno. In: Folha de São Paulo, 21/05/2020. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2020/05/militares-nao-vao-dar-golpe-ou-fazer-intervencao-diz-general-heleno.shtmlAcesso em 21/05/2020. HASWANI, Mariângela. General Heleno: do comando da Amazônia à comunicação do COB (entrevista). Revista Alterjor - Grupo de Estudos Alterjor: jornalismo popular e alternativo – ECA/USP. São Paulo, v. 01, n 13, 26-33, janeiro – junho 2016. Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional. Frota deixa a capital em silêncio. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 14/10/1977. Primeiro caderno, p.2. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=030015_09&PagFis=103&Pesq=heleno. Acesso em 05/05/2020. MACHADO, Ralph (reportagem) e SILVEIRA, Wilson (edição). Veja a cronologia do Orçamento Impositivo e entenda a polêmica do veto. In: Portal da Câmara dos deputados. Disponível em: https://www.camara.leg.br/noticias/642112-VEJA-A-CRONOLOGIA-DO-ORCAMENTO-IMPOSITIVO-E-ENTENDA-A-POLEMICA-DO-VETOAcesso em 10/05/2020. MALTCHIK, Roberto. Exército manda que general se cale sobre 64. O Globo, Rio de Janeiro, 01/04/2011. Caderno O País, p. 10. NOGUEIRA, Italo. Política indigenista é lamentável e caótica, diz general. In: Folha de São Paulo, 17/04/2008. Disponível em:  

https://www1.folha.uol.com.br/poder/2008/04/393029-politica-indigenista-e-lamentavel-e-caotica-diz-general.shtml. Acesso em 08/05/2020. NOGUEIRA, Italo; MERGUIZO, Marcel; CONDE, Paulo Roberto. Orgulho da tropa. Folha de São Paulo, São Paulo, 16/07/2015. Caderno Esporte, p.1. PEREIRA, Augusto Heleno Ribeiro. Haiti: um grande desafio. Folha de São Paulo, São Paulo, 11/09/2005. Opinião, p.3. Presidência da República; Gabinete de Segurança Institucional. Biografia de Augusto Heleno Ribeiro Pereira. Disponível em: https://www.gov.br/gsi/pt-br/ministro/biografia. Acesso em 05/05/2020. PROJETO DE LEI DO CONGRESSO NACIONAL 51, de 2019. Disponível em: https://www.congressonacional.leg.br/materias/pesquisa/-/materia/140045Acesso em 25/05/2020. PT na Câmara. PT denuncia general Heleno à PGR e requer seu afastamento do cargo por crime de responsabilidade. Disponível em: https://ptnacamara.org.br/portal/2020/03/03/pt-denuncia-general-heleno-a-pgr-e-requer-seu-afastamento-do-cargo-por-crime-de-responsabilidade/Acesso em 10/05/2020. STARGARDTER, Gabriel. Alvo de críticas, operação no Haiti virou glória de ministro de Bolsonaro. In: uol notícias/Reuters. 29/11/2018. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/reuters/2018/11/29/alvo-de-criticas-operacao-no-haiti-virou-gloria-de-ministro-de-bolsonaro.htm; e em https://www.reuters.com/article/us-brazil-violence-insight-idUSKCN1NY0GMTABAK, Flávio e MENEZES, Maiá. Cúpula militar critica governo. O Globo, Rio de Janeiro, 17/04/2008. Caderno O País, p. 1 e 3. TRINDADE, Naira. Heleno sugere Bolsonaro enfrentar ‘chantagem’ do Congresso, mas presidente pede cautela; ouça áudio. In: O Globo digital, 19/02/2020. Disponível em: https://oglobo.globo.com/brasil/heleno-sugere-bolsonaro-enfrentar-chantagem-do-congresso-mas-presidente-pede-cautela-ouca-audio-24257438Acesso em 10/05/2020. Verbete – Fundação Getúlio Vargas – FGV-CPDOC. Silvio Couto Coelho da Frota. Disponível em: http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbete-biografico/silvio-couto-coelho-da-frota. Acesso em 05/05/2020. 

  

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados