João Agripino da Costa Doria Júnior

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: DÓRIA, João
Nome Completo: João Agripino da Costa Doria Júnior

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:

DÓRIA, João 
*pref. São Paulo 2017-

             João Agripino da Costa Doria Júnior nasceu em São Paulo (SP), em 16 de dezembro de 1957, filho do publicitário João Agripino Dória e de Maria Sylvia Vieira de Moraes Dias. Seu pai exerceu mandado como deputado federal, tendo sido cassado no ano de 1964, após a instauração da ditadura militar no país. 
Em decorrência do exílio político imposto ao seu pai, Dória Jr. foi morar em Paris com a família, ainda criança. Por conta de dificuldades econômicas, após dois anos na França retornou ao Brasil com sua mãe e seu irmão. Nessa ocasião, Maria Sylvia Dias abriu uma fábrica de fraldas no bairro paulistano de Pinheiros, utilizando dinheiro obtido da penhora de suas jóias.
Formado em jornalismo e publicidade pela Fundação FAAP, durante a graduação assumiu como diretor na Tv Tupi e na agência de publicidade MGM. Atuou em sua área de formação e deu aulas, antes de atuar na vida pública. Em 1979 assumiu a diretoria de comunicação da Rede Bandeirantes de Televisão, permanecendo nessa função por três anos. Nesse meio tempo, passou a atuar no corpo docente da FAAP, oferecendo a disciplina de marketing de 1981 a 1983. 
Ingressou no cenário político em 1983, quando aceitou o convite do então prefeito paulistano Mário Covas para assumir a Secretaria de Turismo de São Paulo e presidir a PAULISTUR, funções que exerceu até 1986, quando passou a presidir a Embratur e o Conselho Nacional de Turismo até 1988, durante o governo Sarney.
Ainda durante os anos 1980, fundou a agência DLS e foi sócio da empresa de relações públicas Voice. Em 1992 estreou como apresentador de televisão à frente do programa de entrevistas Show Business, que permaneceu no ar por 24 anos e entrevistou quase 5 mil convidados. Durante o ano de 1995 fundou e assumiu a presidência do GRUPO DORIA, na área de Comunicação e Marketing, composto por seis empresas: DORIA Administração de Bens, DORIA Editora, DORIA Eventos, DORIA Internacional, DORIA Marketing & Imagem e LIDE. Ampliou seus negócios no ramo empresarial em 2003, quando criou e tornou-se membro do Conselho Executivo do LIDE – Grupo de Líderes Empresariais, que no ano de 2017  possuía  como filiados 1.650 empresas de diversos ramos de atuação,   representando 52% do Produto Interno Bruto (PIB) privado brasileiro. 
Em julho de 2016 teve seu nome lançado pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB),  como candidato à prefeitura de São Paulo, em uma chapa formada com o vice Bruno Covas, também tucano e neto do ex-prefeito e ex-governador paulista Mario Covas. Considerado uma aposta do então governador paulista Geraldo Alckmin, João Dória afirmou que, se eleito, governaria a capital paulistana no “padrão Poupa Tempo”, em referência ao programa de seu padrinho político, que visa a execução de tarefas com rapidez e eficiência. 
Dentre suas promessas de campanha, Dória garantiu rever a redução da velocidade máxima para veículos nas marginais, implementada pelo então prefeito e candidato à reeleição pelo Partido dos Trabalhadores (PT), Fernando Haddad. Além disso, afirmou que trabalharia pelo aumento de escolas de ensino integral e que priorizaria necessidades básicas dos bairros periféricos. Em entrevista à Rádio Bandeirantes e a Band News dias antes da eleição, o candidato afirmou ainda que, em virtude de não precisar do salário da prefeitura, doaria seus rendimentos mensais de prefeito, seguindo o exemplo de Michael Bloomberg, ex-prefeito de Nova York.  
No pleito municipal de outubro João Dória foi eleito, ainda no primeiro turno, com 53, 29% da preferência do eleitor paulistano, seguido por Haddad, que obteve 17,6% dos votos na disputa que também contou com os seguintes candidatos e respectivas votações: Celso Russomanno, do Partido Republicano Brasileiro (PRB), com 13,58%; Marta Suplicy, do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), com 10,11%, e Luiza Erundina, do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), com 3,16%.
Empossado como prefeito de São Paulo em janeiro de 2017, lançou no primeiro dia de sua gestão o programa “Cidade Linda”, com vistas a revitalizar áreas degradadas da cidade através de ações como manutenção de logradouros, conservação de galerias e pavimentos, retirada de faixas e cartazes, limpeza de monumentos, recuperação de praças e canteiros, poda de árvores, manutenção de iluminação pública, reparo de sinalização de trânsito, limpeza de pixações, troca de lixeiras, e reparo de calçadas. Nesse empreendimento, o prefeito imprimiu ações que ganharam grande destaque na mídia e provocaram intensa reação social. 
Na primeira semana de governo, vestido de gari, Dória se juntou ao garis da Avenida Paulista e, acompanhado da atriz Regina Duarte, varreu a principal rua da cidade, sendo seguido por grande número de jornalistas e curiosos. Posteriormente, comandou ações que apagaram grafites em diversos pontos da cidade. Em uma das operações, o próprio prefeito, uniformizado como operador de motocompressor, apagou desenhos de uma mureta na avenida 23 de maio. 
Em fevereiro de 2017, após ter reunido a imprensa numa entrevista coletiva,  anunciou a doação de seu primeiro salário como prefeito paulistano, doando um cheque simbólico no valor líquido de R$ 17.948,00 à Associação de Assistência à Criança com Deficiência. O prefeito destacou que também estavam sendo doadas cada uma das multas de R$ 200 coletadas em decorrência de atrasos de secretários em reuniões e eventos oficiais da prefeitura. De acordo com o portal de notícias G1, a prefeitura de São Paulo confirmou, na mesma ocasião,  que quarenta e oito entidades devem ser beneficiadas no decorrer dos 48 meses de mandato. 
Durante trajetória profissional, João Dória Jr. foi fundador e presidente  da  Associação dos Amigos de Campos do Jordão e vice-presidente do São Paulo Convention & Visitors Bureau. Atuou ainda como conselheiro do Museu de Arte de São Paulo (MASP) e exerceu as funções de membro do Conselho do Projeto Âncora e da Fundação S.O.S. Mata Atlântica. 
Casou-se com Bia Dória, com quem teve três filhos.
Além de artigos na revista Isto É – Dinheiro, publicou os livros Sucesso com estilo (1998) e Lições para vencer – Do sonho a conquista (2001).


Luciana Pinheiro 

FONTES: Portal da Câmara dos Deputados. Disponível em: <http://www.camara.gov.br> em 25/02/2017; Portal Estadão - Política. Disponível em: <http://politica.estadao.com.br>. Acesso em 25/02/2017; Portal de Notícias G1. Disponível em: <http://g1.globo.com>. Acesso em 25/02/2017; Portal Folha de São Paulo. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br>. Acesso em 25/02/2017; Portal da Prefeitura de São Paulo. Disponível em: <http://capital.sp.gov.br>. Acesso em 25/02/2017; Portal da Revista Época. Disponível em: <http://epoca.globo.com>. Acesso em 25/02/2017; Portal da Revista Veja. Disponível em: <http://veja.abril.com.br>. Acesso em 25/02/2017.

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados