QUEIROS, FRANCISCO PESSOA DE

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: QUEIRÓS, Francisco Pessoa de
Nome Completo: QUEIROS, FRANCISCO PESSOA DE

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
QUEIRÓS, FRANCISCO PESSOA DE

QUEIRÓS, Francisco Pessoa de

*diplomata; dep. fed. PE 1921-1930; sen. PE 1963-1971.

 

Francisco Pessoa de Queirós nasceu em Umbuzeiro (PB) no dia 7 de novembro de 1890, filho do coronel João Vicente de Queirós e de Mirandolina Lucena Pessoa de Queirós.

Tinha apenas três meses quando seus pais, pernambucanos, retornaram ao estado natal. Aí iniciou os estudos primários em escola pública, concluindo os preparatórios no Ginásio Pernambucano, em Recife. Ainda estudante, colaborou na imprensa pernambucana, escrevendo sobre assuntos políticos. Formou-se em 1911 pela Faculdade de Direito de Recife.

Ingressou em fevereiro de 1913 nos quadros do Ministério das Relações Exteriores na condição de adido sem vencimentos. Transferiu-se nessa ocasião para o Rio de Janeiro, então Distrito Federal, sendo promovido mais tarde a terceiro e a segundo-oficial e admitido em 1915 no corpo diplomático como secretário. Durante o período em que Nilo Peçanha esteve à frente do Ministério das Relações Exteriores (1917-1918), atuou como oficial do seu gabinete. Nomeado secretário da embaixada brasileira em Londres, exerceu a mesma função em Buenos Aires. Em outubro de 1917 exonerou-se de suas atividades diplomáticas com o objetivo de candidatar-se a um mandato de deputado federal no ano seguinte.

Retornando, porém, a Pernambuco, constatou que seu nome não fora incluído pelo governador do estado, Manuel Antônio Pereira Borba, na lista de candidatos à Câmara dos Deputados. Apresentou-se, não obstante, como candidato avulso por Sertão, distrito eleitoral onde sua família dispunha de poderosos recursos políticos. As forças partidárias dominantes não receberam com simpatia sua atitude e o fato só não resultou em conflagração armada nos sertões pernambucanos graças à intervenção da Associação Comercial do Recife, que conseguiu que desistisse de sua candidatura.

De volta à carreira diplomática, foi nomeado, em julho de 1918, cônsul-geral do Brasil em Galatz, atual Galati, na Romênia. Ainda em 1918 foi promovido a cônsul de segunda classe e designado oficial-de-gabinete do ministro Domício da Gama (1918-1919). Com o fim da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), foi nomeado em 1919 secretário da delegação brasileira, chefiada por Epitácio Pessoa, à Conferência de Paz, realizada em Versalhes, na França. Ainda em 1919 fundou com seus irmãos o Jornal do Comércio, de Recife, do qual foi diretor. Nesse período, colaborou também em O País.

Com a eleição de Epitácio Pessoa à presidência da República em abril de 1919, foi convidado para secretariá-lo. Deixou a função para se candidatar à Câmara dos Deputados, a convite do governador de Pernambuco, José Bezerra. Eleito, assumiu o mandato em maio de 1921, tendo integrado a Comissão de Diplomacia e Tratados da Câmara. Reeleito sucessivamente em 1924, 1927 e 1930, exerceu o mandato até outubro deste último ano, quando, com a vitória da Revolução de 1930, os órgãos legislativos do país foram dissolvidos. Contrário ao movimento revolucionário, buscou exílio no exterior, regressando ao país, em 1932.

Afastado das disputas parlamentares até 1962, nesse ano concorreu a uma cadeira no Senado, representando Pernambuco, na legenda da coligação constituída pela União Democrática Nacional (UDN) e o Partido Republicano (PR). Eleito em outubro, foi empossado em fevereiro do ano seguinte, exercendo o mandato até janeiro de 1971. Participou da Conferência de Direitos Autorais em Roma e da Conferência de Comércio em Paris, Bruxelas, na Bélgica, Roma e no Rio de Janeiro. Dirigiu várias empresas jornalísticas, emissoras de rádio e a TV-Rádio Jornal do Comércio do Recife.

Faleceu na capital pernambucana no dia 8 de dezembro de 1980.

Foi casado com Leontina Jouvenir Pessoa de Queirós.

Publicou Coisas internacionais (1914), Acordos industriais e comerciais e O direito autoral.

 

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados; CONF. NAC. TRAB. COMÉRCIO; Grande encic. Delta; GUIMARÃES, A. Dic.; Ilustração Brasileira (11/22); Jornal do Brasil (9/12/80); SENADO. Dados; SENADO. Relação; TRIB. SUP. ELEIT. Dados (7).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados