Ulisses Lopes

Entrevista

Ulisses Lopes

Entrevista realizada no contexto do projeto “Arqueologia da reconciliação: formulação, aplicação e recepção de políticas públicas relativas à violação de direitos humanos durante a ditadura militar”, desenvolvido pelo CPDOC em convênio com a Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj) e parceria com a Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro, entre maio de 2014 e setembro de 2015. O projeto visa, a partir das entrevistas cedidas, a criação de um banco de entrevistas com responsáveis por políticas públicas relativas à violação de direitos humanos durante a ditadura militar.
Forma de Consulta:
Entrevista em texto disponível para download.

Tipo de entrevista: Temática
Entrevistador(es):
Dulce Chaves Pandolfi
Angela Moreira Domingues da Silva
Paulo Roberto Ribeiro Fontes
Alejandra Luisa Magalhães Estevez
Data: 10/4/2015 a 15/5/2015
Local(ais):
Rio de Janeiro ; RJ ; Brasil

Duração: 8h50min

Dados biográficos do(s) entrevistado(s)

Nome completo: Ulisses Lopes
Nascimento: 29/9/1928; Rio de Janeiro; RJ; Brasil;

Formação:
Atividade:

Equipe


Transcrição: Maria Izabel Cruz Bitar;

Técnico Gravação: Ninna Carneiro;

Sumário: Luanna Gentil ;

Temas

Anistia política;
China;
Comunismo;
Departamento de Ordem Política e Social - DOPS;
Ensino;
Eurico Gaspar Dutra;
Governo Luiz Inácio Lula da Silva (2003 - 2010);
Greves;
Inquérito policial militar;
João Goulart;
Mao Tsé Tung;
Militância política;
Movimento sindical;
Partido Comunista Brasileiro - PCB;
Partido Comunista do Brasil - PCdoB;
Partidos políticos;
Regime militar;
Rio de Janeiro (cidade);
Segunda Guerra Mundial (1939-1945);
Sindicatos de trabalhadores;
Trabalhismo;
União Soviética;

Sumário

1ª Entrevista: 10/04/2015

Origens familiares; a infância em Rocha Miranda; a morte do pai; a ida para a Escola Visconde de Mauá; as críticas à Getúlio Vargas; as influências do cenário da Segunda Guerra Mundial; a saída da escola para ajudar a família; o trabalho na Ferro Maleável; as primeiras participações políticas; o trabalho como desenhista; o primeiro contato com o Partido Comunista Brasileiro (PCB); as intervenções do Presidente Eurico Gaspar Dutra nos sindicatos; o retorno do partido aos sindicatos; a saída da fábrica; o trabalho no jornal Diário de Notícias; o retorno à Fábrica; a cassação do PCB; o comício da Carioca; a ida à China em 1961; o encontro com Mao Tsé-tung; o casamento em janeiro de 1954; o retorno ao sindicato; Círculo Operário Católico na oposição; o programa do sindicato na Rádio Rio de Janeiro; a relação com o presidente João Goulart; a hegemonia dos trabalhistas no partido; o trabalho na diretoria do partido em 1961; a viagem para a China, União Soviética e Tchecoslováquia pelo partido; a abordagem comunista com o trabalhador; o trabalho na Secretária de Cultura do partido; a aliança com os trabalhistas; a construção da sede; a dedicação ao sindicato; as assembleias dos militantes comunistas do Sindicato dos Metalúrgicos; o encontro com Luís Carlos Prestes na China; o desfile comemorativo da revolução; o impacto do convite para a China; o período na China; os impactos da viagem para a União Soviética; os impactos do retorno ao Brasil em 1962; o Encontro dos Jovens Metalúrgicos; a radicalização dentro do sindicato; os problemas da base do partido; as greves pré-1964.
2ª Entrevista: 13/04/2015
A importância da leitura de História do mundo para crianças, de Monteiro Lobato; A conjuntura política pré-1964; o período de grandes greves; o funcionamento da greve; a geografia da greve do Sindicato dos Metalúrgicos; o cotidiano na fábrica; as divergências com o Círculo Operário Católico; o Comitê Metalúrgico; a importância da unidade dentro do partido; os comitês de bairro; a duração das greves; as campanhas de sindicalização; o Comício da Central em 13 de março de 1964; a mobilização para o Comício; o marcante dia 31 de março de 1964; a notícia da derrubada de Jango; o golpe militar; as reuniões na ditadura; a saída de casa; as dificuldades financeiras no período do regime militar; a demissão da fábrica; o tempo morando longe da família; a construção de uma nova casa; a perseguição à família; o depoimento ao Inquérito Policial Militar (IPM); as diversas convocatórias para interrogatórios; a questão dos livros no regime militar.

3ª Entrevista: 17/04/2015
O julgamento pela IPM dos Metalúrgicos; os detalhes do processo; a condenação; o contato com chineses; o seu papel no partido no período da IPM; os problemas das greves dos metalúrgicos; a ida de grande parte Comitê Metalúrgico para o Partido Comunista do Brasil (PCdoB); o período morando em Friburgo; a paixão pelo sindicato; o programa A Voz do Metalúrgico; as eleições internas sindicais; o processo da auditoria; o retorno ao Rio de Janeiro; o trabalho como assistente administrativo em um escritório de advocacia; o trabalho como desenhista; o trabalho com marcenaria; o trabalho como responsável da Comissão de Recreação e Cultura do sindicato; o trabalho com um advogado do sindicato; o trabalho no Teatro Casa Grande.

4ª Entrevista: 15/05/2015
O período pré-anistia; o processo da Lei da Anistia; o processo de aposentadoria; a Comissão da Anistia; a dificuldade do acesso à anistia; a assembleia de aumento de salário; a delegação da fábrica; o desempenho na construção da sede; a história do Jarbas Gomes Machado; a invasão da sede; o afastamento da militância; a procura por documentos no Departamento de Ordem Política e Social (Dops) e no Sindicato; a Comissão de Reparação do Rio de Janeiro; os relatórios do período do sindicato; o despreparo político; o efeito do golpe militar; os impactos do regime militar no Sindicato dos Metalúrgicos; o sentido político da anistia; o trabalho após a Lei da Anistia; o cotidiano no trabalho na Boate Carinhoso; o movimento do novo sindicalismo; a candidatura à vereador; o medo de avião; a criação da Comissão de Reparação do Rio de Janeiro; a não solicitação à reparação pecuniária; os anos 1980; a injusta “reparação”; a opinião sobre o “perdão” à torturadores; o acesso à informação sobre os direitos da Lei da Anistia; a identidade operária; a Comissão Nacional da Verdade; a questão da reconciliação nacional; as opiniões sobre o Governo Luis Inácio Lula da Silva; a diferença do Lula político do Lula metalúrgico; a importância da entrevista; o papel do professor; o envolvimento com o Movimento pela Paz; conclusões e agradecimentos.
Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados