Victória Lavínia Grabois

Entrevista

Victória Lavínia Grabois

Entrevista realizada no contexto do projeto “Arqueologia da reconciliação: formulação, aplicação e recepção de políticas públicas relativas à violação de direitos humanos durante a ditadura militar”, desenvolvido pelo CPDOC em convênio com a Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj) e parceria com a Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro, entre maio de 2014 e setembro de 2015. O projeto visa, a partir das entrevistas cedidas, a criação de um banco de entrevistas com responsáveis por políticas públicas relativas à violação de direitos humanos durante a ditadura militar.
Forma de Consulta:
Entrevista em texto disponível para download.

Tipo de entrevista: Temática
Entrevistador(es):
Dulce Chaves Pandolfi
Angela Moreira Domingues da Silva
Data: 10/3/2015 a 6/5/2015
Local(ais):
Rio de Janeiro ; RJ ; Brasil

Duração: 8h49min

Dados biográficos do(s) entrevistado(s)

Nome completo: Victória Lavínia Grabois
Nascimento: 1/11/1943; Rio de Janeiro; RJ; Brasil;

Formação:
Atividade: No momento da entrevista (10/03/2015), Victória se encontrava como Presidente do Grupo Tortura Nunca Mais do Rio de Janeiro. Anteriormente, já exerceu o cargo de Vice Presidente do mesmo grupo. Na década de 1980 e 90, participou de processos juntamente às famílias de mortos e desaparecidos políticos.

Equipe


Transcrição: Lia Carneiro da Cunha;

Técnico Gravação: Ninna Carneiro;

Sumário: Gabriel Cardoso;

Temas

Anistia política;
Arquivos públicos;
Atividade profissional;
Brasília;
Casamento;
Chico Buarque de Hollanda;
China;
Clandestinidade;
Constituição federal (1988);
Direito;
Direitos humanos;
Ditadura;
Ensino fundamental;
Ensino secundário;
Ensino superior;
Europa;
Família;
Forças Armadas;
Golpe de 1964;
Governo Fernando Henrique Cardoso (1995-1998);
Governo Fernando Henrique Cardoso (1999-2002);
Guerrilha rural;
Justiça;
Letras;
Luís Carlos Prestes;
Militância política;
Ministério da Defesa;
Ministério Público Federal ;
Movimento estudantil;
Niterói;
Pacificação política;
Partido Comunista Brasileiro - PCB;
Partido Comunista do Brasil - PCdoB;
Perseguição política;
Política;
Repressão política;
Rio de Janeiro (cidade);
São Paulo;
Tortura;
União Soviética;

Sumário

1° Entrevista: 10.03.2015

Arquivo 1:

Origens familiares; a entrada do pai da entrevistada no Partido Comunista Brasileiro (PCB); a educação da mãe da entrevistada e a entrada na Faculdade de Direito de Niterói; a eleição do pai da entrevistada para deputado constituinte pelo Partido Comunista Brasileiro, em 1946; a cassação do mandato do pai, em 1948, sua posterior prisão e a entrada na clandestinidade; a ida da entrevistada e seu irmão para morar com a tia materna; a noção, na infância, da vida política dos pais e os encontros com eles nas férias; a ida do pai à União Soviética e a saída da clandestinidade; o envolvimento da entrevistada com a Federação de Mulheres; a relação do pai com Luís Carlos Prestes; a importância e a grande presença do Partido Comunista na vida de seus militantes; a politização na família da entrevistada; os anos de estudo na Escola Pública Pedro Ernesto; a volta do pai da entrevistada, em 1958; a ida da entrevistada para a colônia de férias Kinderland e a aproximação com a Associação Sholem Aleichem (ASA); a importância da tia materna no sustento da família; a mudança do Rio de Janeiro para Niterói e a continuação dos estudos no Liceu Nilo Peçanha; as dificuldades no início da vida em Niterói; as reorganizações dentro do Partido Comunista e o início da participação partidária; o ingresso na Faculdade Nacional de Filosofia, da Universidade do Brasil, atualmente Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), em 1963; o cursinho preparatório para o vestibular, a entrada na Faculdade, as amizades e a participação nas atividades estudantis; as tensões nas assembleias estudantis e a identificação da entrevistada com o recente Partido Comunista do Brasil (PCdoB); o trabalho do pai na direção do jornal A Classe Operária e sua aproximação com a juventude a partir de um curso sobre marxismo; a suspensão da Faculdade, a aproximação de alunos ligados ao PCB e o início do trabalho no diretório estudantil; o retorno à Universidade, a relação com Marina São Paulo Vasconcelos e o interesse por antropologia física; a difícil relação com alguns professores e professoras da Universidade, apesar das boas notas; comentários sobre o golpe militar; o fechamento da Universidade.

Arquivo 2:

Comentários sobre o dia do golpe militar; o ataque militar à Faculdade de Direito, onde se reuniam estudantes e lideranças do PCB; as dificuldades de voltar para casa no dia do golpe; a incredulidade diante da confirmação do golpe; a fuga de casa dos pais na véspera do golpe e a fuga da entrevistada para a casa de uma tia materna na Tijuca no dia seguinte ao golpe; a expulsão da entrevistada da Universidade; a ida para São Paulo, ainda na clandestinidade; a ida de Gilberto Olímpio Maria, namorado da entrevistada, à China; o casamento com Gilberto, em dezembro de 1964; o início do trabalho de mapeamento para uma possível guerrilha; a não participação em células do PC e o trabalho de logística e apoio ao marido; comentários sobre a expulsão da faculdade e o seu dossiê feito pelo Dops; a ida para Guiratinga, Mato Grosso; comentários sobre a ida à Porto Alegre, logo após o golpe, para entregar documentos do PCdoB a uma intermediária que os levariam a Leonel Brizola; a aquisição de documentos falsos em Porto Alegre, adquirindo a alcunha de Teresa da Rosa Freitas; a ida para o Mato Grosso e trabalho como professora particular; a visita do pai à Guiratinga, o desmanche das operação naquela cidade e a volta a São Paulo; a recusa em se mudar para o Rio Grande do Sul e ser enfermeira e a gravidez; o nascimento do filho no Rio de Janeiro; a decisão do Partido de mandar a entrevistada para a Europa e a tentativa de aquisição de um passaporte; comentários sobre a escolha da entrevistada para a ida a Europa; o rompimento do pai da entrevistada com o governo chinês pós-Revolução Cultural; comentário sobre as quatro viagens à Europa; o aprendizado de francês e inglês; comentários sobre a viagem à Roma, onde ficou por três semanas aguardando o pai retornar da China; o registro de nascimento do filho; as mudanças de casa ao longo da clandestinidade e as dificuldades envolvidas; a descoberta de um delegado de polícia ligado ao esquadrão da morte que morava no mesmo prédio que a entrevistada e sua família.

Arquivo 3:

A mudança para um cortiço no bairro do Jabaquara, em São Paulo; a parceria de Maurício Grabois e João Amazonas na escrita dos documentos do PCdoB; a ida do irmão da entrevistada, André Grabois, para a China; comentários sobre a última vez que a entrevistada viu o irmão, André, e o marido, Gilberto; a ida para Buenos Aires; os sofrimentos e as dificuldades da vida na clandestinidade; comentário sobre os questionamentos de gênero nesse período; o culto à personalidade e a relação com o pai; a recusa em ir para a guerrilha e o desejo de criar o filho; o rompimento com o marido e a última vez que o vê; a pouca informação sobre a situação da guerrilha do Araguaia e o trabalho de suporte na compra de roupas e medicamentos; a notícia do fim da guerrilha do Araguaia, através de João Amazonas, e a nova mudança de endereço; comentários sobre o retorno aos estudos e o vestibular para Letras; a mudança de nome do filho e a sua matrícula na escola; as primeiras amizades nos anos de clandestinidade; o início do curso de Letras em uma faculdade em Moema; o início do trabalho como professora; comentários sobre a notícia da morte do irmão; a importância de João Amazonas.

2° Entrevista: 13.03.2015

Arquivo 1

A falta de notícias sobre o pai e o marido da entrevistada; o nascimento do sobrinho; a manutenção do endereço da entrevistada; o fechamento do cerco aos militantes do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) próximos da família; o término da ligação com o Partido; o restabelecimento do contato com João Amazonas; o retorno de alguns líderes do PCdoB ao Brasil pós-Lei da Anistia e o medo ainda presente de perseguição por parte da entrevistada e sua mãe; a volta da mãe para o Rio de Janeiro e o reencontro com a família; as tratativas para a saída da clandestinidade; a descoberta da mãe da entrevistada de que o filho havia morrido; a impossibilidade de chorar a morte do irmão; a decisão de sair da clandestinidade, o contato com o advogado Luiz Eduardo Greenhalgh, a confirmação da morte de Gilberto, seu marido, e as tratativas para retomar a identidade de Victoria Grabois; o retorno ao Rio de Janeiro; a despedida e a revelação da identidade para a amiga Liana Maria Casarolli, que a ajudou nos tempos de clandestinidade; a busca por emprego no Rio de Janeiro; o reencontro com a cunhada, Criméia, e o sobrinho, Joca; a descoberta por Igor, filho da entrevistada, de que o pai, Gilberto, havia morrido; comentários sobre o reencontro com João Amazonas; o ingresso no curso de direito na Faculdade Cândido Mendes.

Arquivo 2:

O encontro com Elza Monnerat e a participação no Comitê Brasileiro pela Anistia (CBA), em 1980; comentários sobre o processo de angariamento de recursos para a caravana ao Araguaia; a ajuda de artistas com verbas, como Chico Buarque; longo comentário sobre a viagem à região do Araguaia para localização e contato com a população; a ida para Marabá, Pará, e a relação da população local com os guerrilheiros; o trabalho feito pelos guerrilheiros e o legado deixado por eles na região; a viagem pelas localidade onde a guerrilha organizou destacamentos; o relato da morte do pai, Maurício Grabois; o aliciamento de moradores com ameaças e dinheiro e a difamação da guerrilha por parte do Exército nas comunidades ao largo do rio Araguaia; o acolhimento nas cidades visitadas; a ida para a cidade de Xambioá e os indícios de que os guerrilheiros pudessem estar enterrados na localidade; a descoberta de alguns sepultamentos e a posterior Operação Limpeza do Exército; breve menção a Valquíria, última guerrilheira morta pelo Exército que se tem notícia; comentários sobre o roteiro e a organização da viagem; a ida a Brasília e a visita ao Congresso Nacional; o fim do CBA e a fundação do grupo Tortura Nunca Mais.

Arquivo 3:

A recepção do grupo Tortura Nunca Mais por políticos em Brasília; a entrada do filho da entrevistada, Igor Grabois, no PCdoB; a entrada no PCdoB, em 1981, o trabalho na empresa de cosméticos Ana Pegova e a continuação das tratativas para a normalização dos documentos; a finalização da ação de justificação e a regularização dos documentos; o trabalho de gerente na Ana Pegova e a militância no PCdoB; a participação no Conselho Estadual dos Direitos das Mulheres do Rio de Janeiro; o início dos atritos com o PCdoB; a fundação da Associação Liberdade Mulher; a saída do PCdoB; o casamento e o nascimento do segundo filho; a entrada na Associação de Moradores do Flamengo e a atuação como representante no Comitê das Diretas Já do Rio de Janeiro; comentários sobre o trabalho da Associação Liberdade Mulher e o seu fechamento, em 1989; a maior participação dentro do grupo Tortura Nunca Mais e o convite para a vice-presidência; comentários sobre a organização dos familiares do Araguaia e a entrada de uma ação na Justiça Federal, em 1982, para saber a localização dos corpos e a identificação de vinte e cinco guerrilheiros; o não reconhecimento dos desaparecidos e da guerrilha do Araguaia pela justiça brasileira; a ida de uma caravana dos familiares ao Araguaia, para ir no cemitério de Xambioá, na tentativa de localizar os desaparecidos.

Arquivo 4:

A tentativa de localizar os desaparecidos da guerrilha do Araguaia, a partir da exumação de possíveis corpos; o reconhecimento de Maria Lúcia Petit, que é a primeira identificada como guerrilheira do Araguaia; comentários sobre as outras idas à região do Araguaia e as tentativas de identificação dos guerrilheiros; comentários sobre a aprovação da Lei 9.140, que reconhece como mortas pessoas desaparecidas em razão de participação ou acusação de participação em atividades políticas, no período de 2 de setembro de 1961 a 5 de outubro de 1988; a luta pelo reconhecimento dos mortos pela ditadura; comentários sobre a criação e o trabalho da Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos; comentários sobre o andamento da ação judicial; comentários sobre a criação da Comissão da Verdade; a criação do Grupo de Trabalho Araguaia, com a participação do Exército, Secretaria de Direitos Humanos, Ministério da Justiça e familiares e a recusa da entrevistada em participar; críticas às mudanças e interrupções dos trabalhos nas mudanças de governo; a relação com as Comissões da Verdade; a importância do grupo Tortura Nunca Mais do Rio de Janeiro e de São Paulo; o problema de grupos receberem financiamento do governo, uma vez que entram em conflito com o Estado; a difícil relação dos familiares com o Estado brasileiro; comentários sobre a necessidade de abertura dos arquivos da ditadura; a dificuldade de acesso aos arquivos dos órgãos públicos, compartilhados à conta-gotas; comentários sobre as recomendações da Comissão da Verdade.

3° Entrevista: 06.05.2015

Arquivo 1:

Comentários sobre o relatório acerca da guerrilha do Araguaia produzido pelas Forças Armadas, em 1993; a não presença dos camponeses mortos no Araguaia no relatório das Forças Armadas; comentários sobre a Lei 9.140 e a luta do grupo Tortura Nunca Mais do Rio de Janeiro e da Comissão de São Paulo pela inclusão dos mortos na Lei; a luta para que os cartórios emitissem certidões de óbito a partir da Lei 9.140; a criação da Comissão Especial de Mortos e Desaparecidos, em 1994, e a escolha de um familiar para compor a comissão; a crítica ao fato de que o ônus da prova de que um militante havia morrido coubesse aos familiares; comentário sobre a indenização paga peço governo Fernando Henrique Cardoso aos familiares; a elaboração de um dossiê pelo grupo Tortura Nunca Mais do Rio de Janeiro, entregue ao Ministério Público Federal; a ida do de representantes do Ministério Público à região do Araguaia; comentários sobre as duas idas da entrevistada ao Araguaia, em 1980 e 1992; a primeira pessoa identificada da guerrilha do Araguaia, Maria Lucia Petit; a ida ao Araguaia, em 1996, organizada pela Secretaria de Direitos Humanos e a identificação do segundo guerrilheiro, Bergson Farias; comentários sobre a informação de que após 1973 as Forças Armadas não enterravam mais os guerrilheiros, os decapitavam e mandavam para Brasília; a retirada dos corpos na Operação Limpeza, após a visita dos familiares à região do Araguaia; comentários sobre as informações colhidas pelo Ministério Público na ida à Araguaia e a descoberta de uma casa de espionagem ainda mantida pela Abin; comentários sobre a Comissão de Anistia e o processo de anistia da entrevistada, que se inicia em 1994.

Arquivo 2:

O processo de anistia da entrevistada, facilitado pelo trabalho como supervisora no Programa Nacional de Alfabetização (PNA); a lotação na Delegacia Regional do Ministério da Educação (Demec) e a opção por seguir trabalhando; comentários sobre os processos de anistia pós Constituição de 1988, antes do regime do anistiado político em 2002; a anistia do filho e do sobrinho; a organização dos familiares e companheiros de mortos e desaparecidos para a elaboração e envio de um carta ao então presidente Luís Inácio Lula da Silva, para que não recorresse da sentença judicial que pede a identificação e a circunstância das mortes dos guerrilheiros do Araguaia; comentários sobre a atuação da Comissão Especial de Mortos e Desaparecidos; a não esperança de que os corpos do Araguaia sejam encontrados e a necessidade de se abrir os arquivos da Ditadura; comentários sobre a criação de um grupo de trabalho, em 2009, para realizar atividades de localização, recolhimento e identificação dos corpos dos guerrilheiros, de iniciativa do Ministério da Defesa; os resultados das idas à região do Araguaia e do trabalho do grupo criado pelo Ministério da Defesa, Grupo Araguaia; as informações desencontradas e não oficiais e o mal-estar que elas podem causar aos familiares; o diário de Maurício Grabois, pai da entrevistada; crítica aos livros escritos sobre a guerrilha do Araguaia; comentários sobre os escritos do pai; a importância do pai dentro do PCdoB e sua proeminência como teórico marxista-leninista; o aprendizado e a lembrança dos pais; comentários sobre o caráter conservador da sociedade brasileira; o atraso brasileiro em relação aos direitos humanos em comparação com outros países da América Latina; os resquícios da ditadura militar na sociedade brasileira; a falta de uma política de direitos humanos mais eficaz e os problemas que decorrem disso.

Arquivo 3:

Longo comentário sobre os princípios de Reconciliação e Pacificação; comentários sobre as dificuldades enfrentadas pela sociedade brasileira; comentários sobre o movimento dos escrachos; a necessidade de uma outra interpretação da Lei da Anistia, para que seja possível punir torturadores da ditadura.

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados