ALVARO DOS SANTOS PACHECO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: PACHECO, Álvaro
Nome Completo: ALVARO DOS SANTOS PACHECO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
PACHECO, Álvaro

PACHECO, Álvaro            

* const. 1987-1988; sen. PI 1987-1989.

 

Álvaro dos Santos Pacheco nasceu em Jaícos (PI) no dia 26 de novembro de 1933, filho de Benedito Pacheco e de Ana Santos Pacheco.

Transferindo-se para o Rio de Janeiro, então Distrito Federal, ingressou no serviço público em 1951. Lotado no Ministério da Educação e Saúde, passou a trabalhar no Instituto de Neurologia  da Universidade do Brasil, com o professor Deolindo Couto. Posteriormente, tornou-se editor do Anuário de Arquitetura, publicação da Faculdade Nacional de Arquitetura, que divulgou os primeiros trabalhos do arquiteto e urbanista Lúcio Costa sobre o planejamento de Brasília. Mais tarde, requisitado por Artur César Ferreira Reis, então diretor do Departamento Nacional de Indústria e Comércio (DNIC) do Ministério da Indústria e Comércio, integrou a Comissão Brasileira de Turismo, que deu origem à Empresa Brasileira de Turismo (Embratur).

Formado pelo Centro de Preparação de Oficiais da Reserva (CPOR), esteve no serviço ativo do Exército de 1954 até 1956, tendo servido na Escola de Intendência do Exército e no Batalhão de Engenharia, na Vila Militar, no Rio de Janeiro, e depois foi para o Espírito Santo, onde serviu no 32o Batalhão de Caçadores, em Vitória. Nesse último ano começou a trabalhar no jornalismo, passando, por um breve período, pela revista Manchete, do grupo Bloch, e pelo O Jornal, dos Diários Associados. Ainda em 1956, transferiu-se para o Jornal do Brasil, onde passou a integrar a equipe comandada por Odilo Costa Filho, que comandou a reformulação desse diário. Dentre as várias funções que ocupou no jornal carioca, foi também crítico de cinema. Em 1958 bacharelou-se em direito pela atual Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Em seguida, tornou-se chefe do grupo que coordenou e promoveu a conclusão e o lançamento do pavilhão internacional do Campo de São Cristóvão, local onde se realizou a primeira exposição internacional do Rio de Janeiro naquele ano.

Em 1962 deixou o Jornal do Brasil para fundar a Editora Artenova Ltda., dedicada, inicialmente, somente a publicações de revistas especializadas, como Arquitetura, Revista Brasileira de Energia Elétrica, Economia e Desenvolvimento, Medicina e ADVendas, entre outras. No ano seguinte, juntamente com Odilo Costa Filho, Cícero Sandroni e Pedro Penner da Cunha, fundou a Edigraf, Editora e Gráfica Ltda., com um pequeno parque gráfico na praça da Cruz Vermelha, no Rio. Como essa editora encerrou suas atividades em 1969, Álvaro Pacheco concentrou seus esforços na Editora Artenova, transformando-a em editora de livros e revistas e montando em Benfica um dos mais modernos parques gráficos do Rio de Janeiro, tornando-se pioneiro na introdução no Brasil da mais avançada tecnologia da indústria gráfica moderna, inclusive composição eletrônica e avançados métodos de impressão. A partir de então, recomeçou no Brasil, após mais de 30 anos, a publicação de A comédia humana, de Balzac, bem como começou a publicar obras de autores estrangeiros até então desconhecidos pelos leitores brasileiros, como Kurt Vonnegut Jr., Malcolm Lowry, Mary MacCarthy, entre s outros, e também de autores nacionais como Rubem Fonseca, Clarice Lispector, João Ubaldo Ribeiro, na época inteiramente desconhecido, Carlos Castelo Branco, Odilo Costa Filho, , Paulo Rónai e Alfonsus de Guimarães Filho.

Em 1975 fundou no Rio a Artenova Filmes e em Roma a Ariel Cinematográfica, empresas dedicadas, respectivamente, à produção de filmes brasileiros e à distribuição de filmes estrangeiros. Com a primeira, produziu os filmes O caso Cláudia, um dos maiores sucessos do cinema brasileiro, e Terror e êxtase; com a segunda, acelerou o processo de abertura na censura e distribuição de filmes, com o lançamento de O império dos sentidos e O dia seguinte.

Filiando-se ao Partido da Frente Liberal (PFL), no pleito de novembro de 1986 concorreu a uma cadeira de senador constituinte pelo seu estado natal nessa legenda, conseguindo ficar como suplente. Com a nomeação do senador Hugo Napoleão para o Ministério da Educação em 30 de outubro de 1987, Álvaro Pacheco assumiu sua vaga no Senado no dia 3 de novembro seguinte. Diante disso, não participou dos trabalhos das comissões e subcomissões da Assembléia Nacional Constituinte (ANC), mas somente das discussões e votações em plenário. Votou a favor da proteção ao emprego contra a demissão sem justa causa, da pluralidade sindical, do presidencialismo e do mandato de cinco anos para o então presidente José Sarney (1985-1990). Votou contra a soberania popular, o voto aos 16 anos, a nacionalização do subsolo, a estatização do sistema financeiro, o limite de 12% ao ano para os juros reais e a proibição do comércio de sangue. Ligou-se ao Centrão, grupo de parlamentares conservadores que atuou na Constituinte, mostrou-se contrário a medidas que possibilitassem a implantação da reforma agrária e também considerava desnecessária a participação popular no processo legislativo.

Em janeiro de 1988 candidatou-se à cadeira nº 4 da Academia Brasileira de Letras (ABL), que ficara vaga com a morte do escritor gaúcho Clodomir Viana Moog, concorrendo com o historiador Hélio Silva e o jornalista Gerardo de Melo Mourão. O senador, apesar do apoio do presidente José Sarney, titular da cadeira nº 36 na Academia e de quem era editor, não conseguiu a votação que o tornaria imortal, já que obteve apenas 19 votos, quando o quorum era de 20. Dessa forma, mesmo tendo sido o mais votado, não conseguiu se eleger.

Com a promulgação da nova Constituição em 5 de outubro desse ano, Álvaro Pacheco passou a exercer somente o seu mandato ordinário.  Permaneceu no Senado até 16 de janeiro de 1989, quando Hugo Napoleão reassumiu sua cadeira na Câmara Alta. A partir de então, tornou-se assessor especial do presidente José Sarney. Ainda em 1989 voltou a concorrer a uma cadeira na ABL, mas foi derrotado, desta feita pelo professor Cândido Mendes de Almeida. Em 1997 disputou novamente uma cadeira na ABL, porém, mais uma vez, foi derrotado, nesta oportunidade por João Ubaldo Ribeiro.

Foi, ainda, membro do Conselho Nacional de Cultura e do Conselho Nacional de Política Cultural do Ministério da Cultura, da União Brasileira de Escritores e da Academia Piauiense de Letras.

Casou-se com Maria Emília Lucindo Pacheco,  com quem teve um casal de filhos.

Publicou Os instantes e os gestos (1958), Pasto da solidão (1965), Margem  rio mundo (1966), O sonho dos cavalos selvagens (1967), A força humana (1970),  A matéria do sonho (1971), Tempo integral (1973), O homem de pedra (1975), Itinerários (1983), Seleção de poemas (1984), Balada do nadador do infinito (1984), Geometria dos ventos (1992), Triptique pour Vincent (em português, francês e italiano, 1994) e Solstício de inverno (1998).

 

Alan Carneiro

 

FONTES: ASSEMB. NAC. CONST. Repertório. (1987-1988); COELHO, J & OLIVEIRA, A. Nova; CURRIC. BIOG.; Folha de São Paulo (5/11/87; 22/7/88; 25/8/89); INF. BIOG.; Jornal do Brasil (17/1/89; 24/11/93); SENADO. Dados biográficos (1987-1991).

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados