ASTOLFO SERRA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: SERRA, Astolfo
Nome Completo: ASTOLFO SERRA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
SERRA, ASTOLFO

SERRA, Astolfo

*religioso; rev. 1930; interv. MA 1931.

 

Astolfo do Barros Serra nasceu na vila de Matinha, atual município de Matinha (MA), no dia 22 de maio de 1900, filho do professor Joaquim Inácio Serra e de Judite de Barro Serra.

Fez o primário e o ginásio em São Luís e estudou depois no Seminário de Santo Antônio, pelo qual se formou em ciências eclesiásticas.

Ordenou-se padre secular em março de 1925, tornando-se vigário de Mirador, no sertão maranhense. Aí fez contato com a Coluna Prestes, movimento formado em abril de 1925 e que, sob a liderança de Luís Carlos Prestes e de Miguel Costa, percorreu o interior do país até internar-se na Bolívia, em fevereiro de 1927, e no Paraguai, em março seguinte. Transferido para Flores (PI), Astolfo Serra fez propaganda revolucionária e, estabelecendo-se em Teresina, ajudou a organizar o Partido Democrático. Na ocasião já se dedicava às atividades jornalísticas. Tornou-se posteriormente fiscal do ensino secundário do Ginásio Maranhense e diretor da Junta Comercial do Maranhão.

A partir de 1929 militou na Aliança Liberal. Participou da Revolução de 1930, o que lhe valeu a nomeação para interventor federal no Maranhão pelo Governo Provisório de Getúlio Vargas, que tentava mediar a luta pelo poder no estado. Empossado no dia 9 de janeiro de 1931, em substituição ao major José Luso Torres, mandou prender elementos oposicionistas sob a acusação de serem comunistas e agitadores, criando dessa forma um clima de instabilidade na política estadual. Em maio renunciou aos votos eclesiásticos e em julho foi suspenso de suas ordens pelo arcebispo do Maranhão, dom Otaviano Pareira de Albuquerque, que se opunha a seu governo. Em agosto transmitiu a interventoria ao comandante do 24º Batalhão de Caçadores, tenente-coronel Joaquim Guadie de Aquino Correia, que ficaria no cargo até a escolha do novo interventor. Logo que assumiu, o militar libertou os adversários políticos de Astolfo Serra, que imediatamente atacaram a tiros a casa em que se encontrava, sendo por isso novamente presos.

Durante o Estado Novo (1937-1945) mudou-se para o Rio de Janeiro, então Distrito Federal, onde foi nomeado em 1942 diretor do Departamento de Turismo e Publicidade da Estrada de Ferro Central do Brasil. Após a redemocratização do país, foi diretor do Departamento Nacional do Trabalho, de fevereiro a novembro de 1946, e presidente da Comissão Técnica de Orientação Sindical do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio, de fevereiro e setembro do mesmo ano, além de exercer, interinamente, a presidência da Comissão de Imposto Sindical desse órgão. Foi também presidente da Comissão de Enquadramento Sindical, no mesmo ministério, e membro da Comissão Permanente de Direito Social, onde ficou até 1947. Em 1949 foi nomeado ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST), do qual foi presidente em 1964. Em 1966 tornou-se corregedor-geral da Justiça do Trabalho.

Jornalista, escreveu nos periódicos maranhenses Folha do Povo, Pátria, Combate, Pacotilha, Tribuna e Notícia, do qual era proprietário, além de ter colaborado nos principais jornais do Rio de Janeiro e de São Paulo, com artigos sobre história, sociologia e geografia humana. Pertenceu à Academia Maranhense de Letras e ao Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão.

Faleceu no Rio de Janeiro no dia 19 de fevereiro de 1978.

Publicou os livros Gleba que canta (poesia, 1927), Profetas de fogo (poesia, 1928), Terra enfeitada e rica (1941), Caxias e seu governo civil na província do Maranhão (1943), A vida simples de um professor de aldeia (biografia, 1944), A vida vale um sorriso (1945), Guia histórico e sentimental de São Luís do Maranhão (1965), A balaiada (história, 1966), Aspectos de uma campanha, Noventa dias de governo, Argila iluminada (poesias), Manipueira (poesias), Caricatura de uma campanha política, Depoimentos para a história política do Maranhão e Vértice (filosofia).

 

 

FONTES: ARQ. OSVALDO ARANHA; COUTINHO, A. Brasil; Grande encic. Delta; HIRSCHOWICZ, E. Contemporâneos; Jornal do Brasil (21/2/78); MEIRELES, M. História; MENESES, R. Dic.; PEIXOTO, A. Getúlio; POPPINO, R. Federal; VELHO SOBRINHO, J. Dic.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados