EUNICE MAFALDA MICHILES

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: MICHILES, Eunice
Nome Completo: EUNICE MAFALDA MICHILES

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
MICHILES, Eunice

MICHILES, Eunice

*sen. AM 1979-1987; const. 1987-1988; dep.fed. AM 1987-1991.

 

Eunice Mafalda Michiles nasceu em São Paulo no dia 10 de julho de 1929, filha de Teófilo Berger e de Edite Berger.

Professora primária, funcionária pública e comerciária, em 1941 ingressou no Colégio Adventista Brasileiro (CAB), na capital paulista. Iniciou suas atividades profissionais em 1947 como professora da Escola de Aplicação da Escola Normal Adventista de São Paulo, na qual permaneceu até o ano seguinte, quando concluiu o curso normal. Anos mais tarde, residindo em Maués (AM), foi professora e, posteriormente, diretora do Grupo Escolar Santina Filizola, do Ginásio e da Escola Normal, todos de Maués. Em 1958, tornou-se diretora do Serviço Municipal de Educação dessa cidade, exercendo essa função até 1962.

Em 1974, passou a integrar o diretório regional da Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de sustentação do regime militar vigente no pais desde abril de 1964, em cuja legenda, no pleito de novembro desse mesmo ano, foi eleita deputada estadual. Tomando posse na Assembleia Legislativa amazonense em janeiro do ano seguinte, passou a integrar, como titular, as comissões de Educação e Saúde, Redação Final e Assistência Social.

No pleito de novembro de 1978 foi eleita suplente do senador João Bosco Ramos de Lima. Concluindo seu mandato no Legislativo amazonense em janeiro do ano seguinte, em março, com a posse de José Lindoso no governo do estado, assumiu a Secretaria de Estado de Trabalho e Serviço Social do Amazonas. Dois meses depois, com o falecimento do senador João Bosco, deixou a secretaria estadual e assumiu a vaga aberta no Senado, tornando-se assim a primeira senadora do país. Passou a integrar, como titular, as comissões de Assuntos Regionais e de Educação e Cultura, e como suplente a Comissão de Legislação Social.

Permaneceu na Arena até a extinção do bipartidarismo em novembro de 1979 e, com a consequente reorganização partidária, ingressou no Partido Democrático Social (PDS). Nos trabalhos ordinários do Senado, sua atuação se limitou às solicitações regionais. Iniciando nova legislatura em fevereiro de 1983, passou a integrar no Senado, como titular, as comissões de Economia, Educação e Cultura, de Saúde e de Legislação Social, e como suplente as comissões de Assuntos Regionais, de Municípios e de Minas e Energia. Integrou ainda, como titular, a Comissão Parlamentar de Inquérito do Controle de Desenvolvimento Populacional e a CPI sobre pobreza absoluta no Nordeste, e como suplente a CPI sobre a Superintendência Nacional da Marinha Mercante (Sunamam).

Presidiu o Movimento da Mulher Democrática Social (MMDS), cujo objetivo era congregar uma base feminina no PDS em favor da candidatura presidencial do ministro do Interior, Mário Andreazza. Não obtendo resultados concretos, liderou o Movimento das Mulheres Pró-Paulo Maluf, aproximando-se do ex-governador de São Paulo e então deputado federal, que acabou sendo o escolhido na convenção do partido como candidato à sucessão do presidente João Figueiredo (1979-1985). Contudo, atraída por dissidentes do PDS, reunidos na Frente Liberal, veio a apoiar a candidatura vitoriosa de Tancredo Neves, lançado pela oposicionista Aliança Democrática, nele votando no Colégio Eleitoral em 15 de janeiro de 1985. Com a transformação, nesse mesmo mês, da Frente Liberal em agremiação política, o Partido da Frente Liberal (PFL), Eunice Michiles se filiou a essa legenda.

No pleito de novembro de 1986 foi eleita deputada federal constituinte na legenda do PFL. Concluindo seu mandato no Senado em janeiro do ano seguinte, em 1° de fevereiro tomou posse de seu novo mandato na Câmara dos Deputados. Nesse mesmo dia, foi instalada a Assembleia Nacional Constituinte, na qual integrou, como titular, a Subcomissão da Família, do Menor e do Idoso da Comissão da Família, da Educação, Cultura e Esportes, da Ciência e Tecnologia e da Comunicação e, como suplente, a Subcomissão do Sistema Eleitoral e Partidos Políticos da Comissão da Organização Eleitoral, Partidária e Garantia das Instituições.

Durante os trabalhos de elaboração da Constituição, integrou o Centrão, grupamento suprapartidário de parlamentares conservadores que atuou na Constituinte. Votou a favor da proteção ao emprego contra a demissão sem justa causa, da jornada semanal de 40 horas, do presidencialismo, do mandato de cinco anos para o então presidente José Sarney (1985-1990), do direito de greve e da anistia aos micro e pequenos empresários. Votou contra o rompimento das relações diplomáticas com países com política de discriminação racial, a limitação do direito de propriedade privada, o mandado de segurança coletivo, a remuneração 50% superior para o trabalho extra, a soberania popular, o voto aos 16 anos, a proibição do comércio de sangue e a desapropriação de propriedade produtiva. No plano econômico, concordou com a participação das multinacionais onde faltasse capital nacional.

Transferindo-se do PFL para o Partido Democrata Cristão (PDC), no pleito de outubro de 1990 tentou reeleger-se deputada federal em sua nova legenda, tendo obtido apenas uma suplência. Deixou a Câmara dos Deputados em janeiro de 1991, quando se encerraram seu mandato e a legislatura.

Foi conselheira do Tribunal de Contas do Amazonas, do qual tornou-se vice-presidente. Permaneceu nessa corte até julho de 1999, quando se aposentou por limite de idade.

Foi casada com Darci Augusto Michiles, com quem teve quatro filhos. Um deles, Humberto Michiles, foi deputado estadual,, prefeito de Maués e deputado federal de 2003 e 2007.

Publicou A mulher e o planejamento familiar, A evasão do ouro no Amazonas, Uma nova alternativa econômica e social para o Brasil: a cultura do guaraná e Uma visão feminina sobre problemas sociais (discursos e pareceres).

 

FONTES: ASSEMB. NAC. CONST. Repertório (1987-1988); CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1991-1995); COELHO, J. & OLIVEIRA, A. Nova; Folha de S. Paulo (19/1/87); SENADO. Dados biográficos (1979-1983 e 1983-1987).

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados