Francisco Gonçalves Filho

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: GONÇALVES, Doutor Francisco
Nome Completo: Francisco Gonçalves Filho

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:

GONÇALVES, Doutor Francisco

*dep. fed. MG 2003-2007

 


 

Francisco Gonçalves Filho nasceu em Pedro Leopoldo (MG) no dia 29 de dezembro de 1947, filho de Francisco Gonçalves, conhecido como Chico do Açougue, e de Áurea Pereira Gonçalves, dona de casa e costureira.

Ingressou no curso de medicina na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) em 1969, e formou-se em 1973. Acumulou diversas especializações na área médica, concluindo uma pós-graduação em ginecologia e obstetrícia, também na UFMG, entre 1974 e 1975. Por atuar nessa área da medicina, ganhou o apelido de Chico Parteiro. Teve consultório em Divinópolis e foi também professor de medicina legal nas Faculdades Integradas do Oeste de Minas.

Em 1992, ingressou no Partido da Frente Liberal (PFL) e tornou-se presidente do diretório municipal de Divinópolis. Em 1996, transferiu-se para o Partido Democrático Trabalhista (PDT), no qual também passou a presidir o diretório municipal. Conhecido na política como Dr. Francisco Gonçalves, em 2002 foi eleito deputado federal por Minas Gerais na legenda do PDT, com 49.652 votos. Assumiu o mandato na Câmara em fevereiro de 2003 e no mesmo ano migrou para o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), onde permaneceu até 2005.

Em junho desse ano, afirmou a um jornal de Divinópolis que havia visto uma mala tipo 007, recheada de notas de 100 reais, circular na Câmara. Suas declarações rapidamente ganharam repercussão nacional, espalhadas no noticiário de grandes veículos. Segundo afirmou, a suposta entrega da mala de dinheiro acontecera pelo menos 15 meses antes das denúncias apresentadas no início de junho pelo deputado Roberto Jefferson, presidente do PTB, a respeito do esquema – chamado de “mensalão” – de compra de votos de parlamentares da base aliada do governo pelo então ministro da Casa Civil, José Dirceu. Alegou que, por ser neófito na Casa, supôs que se tratasse de procedimento rotineiro, que dizia respeito tão-somente a recursos legais para campanha eleitoral. A desconfiança de que aquela situação estaria ligada à compra de votos só teria ocorrido quando soube da suposta existência do “mensalão”.

No dia 24 de junho, o presidente do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara, deputado Ricardo Izar (PTB-MG), disse que suas afirmações eram muito graves, o que exigia que fosse convocado a depor perante a comissão. No dia 3 de agosto de 2005, Valdemar Costa Neto, presidente do Partido Liberal (PL), apresentou ao então presidente da Câmara dos Deputados, deputado Severino Cavalcanti (PL-PE), uma representação que pedia a instauração de processo disciplinar contra o Dr. Francisco Gonçalves. A representação, encaminhada ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar no dia 9 de agosto, acusava o Dr. Francisco de quebra de decoro parlamentar por não poder provar suas afirmações sobre a maleta de dinheiro que teria circulado na Câmara. No dia 17 de agosto, o Conselho de Ética resolveu arquivar a representação, assim como todas as demais representações de Valdemar Costa Neto contra outros deputados do PTB acusados de participar do esquema do “mensalão”.

Após todo esse processo, ainda em 2005 mudou-se para o Partido Popular Socialista (PPS). Nas eleições de 2006, candidatou-se a deputado federal por Minas Gerais na legenda do PPS, mas não foi eleito. Em janeiro de 2007, ao final da legislatura, deixou a Câmara. Em 2008 candidatou-se a vice-prefeito de Divinópolis, mas não conseguiu se eleger.

Em 2009, desfiliou-se do PPS e aposentou-se da política, alegando problemas de saúde. Retomou a atuação como médico em Divinópolis.


 

Manoel Dourado Bastos

 

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados Brasileiros. Repertório (2003-2007); Boletim Informativo Unafisco (13/08/2003); Diário (23/08/2005); Discursos (14/11/2003); Jornal Folha de São Paulo (25/06/2005); Jornal Gazeta do Oeste, de Divinópolis/MG (22/06/2009); Tribunal Superior Eleitoral. Resultado das eleições (2002, 21/08/2005, 15/10/2005 e 2006); Portal G1 de Noticias. Disponível em: <http://m.g1globo.com/>. Acesso em 13/08/2013.  

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados