JOSE PEREIRA LIMA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: PEREIRA, José
Nome Completo: JOSE PEREIRA LIMA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
PEREIRA, JOSÉ

PEREIRA, José

*rev. Princesa.

 

José Pereira Lima nasceu em 1884, filho de Marcolino Pereira Lima, chefe político do município de Princesa, atual Princesa Isabel (PB).

Tendo ingressado na Faculdade de Direito de Recife, abandonou os estudos em 1905, quando cursava o segundo ano, em virtude da morte de seu pai. Assumiu então a chefia política do município de Princesa, tornando-se um importante “coronel”, um dos maiores do Nordeste e o maior da Paraíba. Seu prestígio, segundo Inês Caminha Lopes Rodrigues em A Revolta de Princesa, transcendia os limites municipais, atingindo as esferas estadual e federal.

Em 1915 forneceu importante apoio para a vitória de Epitácio Pessoa nas eleições ao governo da Paraíba. Ainda no âmbito estadual, teve grande atuação, segundo a fonte citada, nos governos de Solon de Lucena (1920-1924) e de João Suassuna (1924-1928), “combatendo bordas de cangaceiros” para o “restabelecimento da ordem pública”. Na gestão de Suassuna, participou do combate à Coluna Prestes, quando da passagem desta pelo estado da Paraíba. Patrocinador de inúmeras obras públicas no município de Princesa, exercia na região uma liderança que lhe garantia a arregimentação de um grande contingente armado.

Membro do Partido Republicano da Paraíba (PRP), apoiou em 1928 a candidatura de João Pessoa, lançada por seu partido ao governo do estado. Todavia, à frente do novo governo estadual, João Pessoa passou a tomar medidas — como a modificação da política tributária — que contrariavam seus interesses, bem como os de outros coronéis do interior e de grandes comerciantes, como a família Pessoa de Queirós. João Pessoa passou então a sofrer a oposição dos quadros políticos paraibanos tradicionais, seus antigos aliados.

O rompimento entre José Pereira e João Pessoa, que a partir de 1929 tornou-se também candidato à vice-presidência da República na chapa da Aliança Liberal, encabeçada por Getúlio Vargas, consumou-se em fevereiro de 1930, motivado por divergências em torno da apresentação dos candidatos paraibanos à Câmara dos Deputados. Colocando-se ao lado da chapa indicada pelo governo federal, José Pereira empenhou-se na arregimentação de tropas para dar início a um movimento armado. Com o apoio da poderosa família Pessoa de Queirós, ainda em fevereiro de 1930 deflagrou uma revolta em oposição ao governo estadual de João Pessoa, que ficaria conhecida como a Revolta de Princesa. A repressão ao movimento, que, segundo Edgar Carone, restringiu-se a combates esporádicos, enfrentou sérias dificuldades em virtude da debilidade militar do governo da Paraíba, sobretudo em armamentos, e da omissão do presidente Washington Luís e dos governos estaduais vizinhos, fiéis ao poder central. Segundo Inês Caminha Lopes Rodrigues, José Pereira teria mantido nesse período “intenso contato telegráfico com Washington Luís, presidente da República, e Júlio Prestes, candidato a este posto, de quem passou a ser considerado aliado fortíssimo”. Superiores militarmente, os revoltosos fundaram, em março de 1930, o Estado Independente de Princesa.

Com a proclamação, em fins de abril, do resultado das eleições, nas quais era esperado que os aliancistas obtivessem na Paraíba 2/3 da votação, atestou-se que os candidatos ligados ao governo paraibano haviam sido “degolados” pela Comissão de Reconhecimento de Poderes da Câmara em favor dos partidários de José Pereira e do governo federal. Esse fato, aliado à derrota da chapa Vargas-João Pessoa e aos rumores de fraude eleitoral, aumentou as tensões entre os aliancistas e o governo. Após o assassinato de João Pessoa em 25 de julho de 1930 — que provocou a reativação do movimento revolucionário articulado pela Aliança Liberal —, o governo de Washington Luís decidiu-se a intervir no estado da Paraíba e colocou um fim ao movimento de Princesa, que já perdia substância.

Após a vitória da Revolução de Outubro de 1930, que depôs o governo de Washington Luís e colocou Getúlio Vargas na chefia do Governo Provisório, José Pereira, temendo a prisão, permaneceu foragido por quatro anos. Ao longo desse período, apresentava-se como vendedor de redes e fumo sob os nomes de Honorato Cavalcanti e de Dionísio Pedro. Beneficiado pela anistia em 1934, deixou a clandestinidade e instalou-se no município de Serra Talhada (PE).

Ameaçado, após o golpe do Estado Novo (10/11/1937), pela polícia pernambucana a mando do interventor em Pernambuco, Agamenon Magalhães, retornou a Princesa, onde conservara grande prestígio, e recebeu garantias do interventor paraibano Argemiro de Figueiredo. Permaneceu em sua cidade natal até 1940, quando, com o término do mandato de Argemiro, voltou a residir em Pernambuco.

Com o fim do Estado Novo (29/10/1945) e a redemocratização do país, ressurgiu no cenário político, do qual estava afastado desde 1930, para apoiar, em 1946, a candidatura de Alcides Carneiro ao governo da Paraíba. Seu candidato foi todavia derrotado, em janeiro de 1947, por Osvaldo Trigueiro de Albuquerque Melo, candidato da União Democrática Nacional (UDN).

Faleceu no dia 13 de novembro de 1949.

 

 

FONTES: CARNEIRO, G. História; CARONE, E. República velha; RODRIGUES, L. Revolta; SILVA, H. 1930.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados