MEURER, NELSON

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: MEURER, Nelson
Nome Completo: MEURER, NELSON

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
MEURER, NÉLSON

MEURER, Nélson

*dep. fed. PR 1995-

 

Nélson Meurer nasceu em Bom Retiro (SC) em 23 de julho de 1942, filho de Herculano Meurer e de Adeliria Derner de Sousa.

Frequentou até o primeiro grau na Escola Agrícola Assis Brasil em Clevelândia (PR), afastando-se dos estudos para trabalhar em 1958. Fazendeiro, foi membro da Aliança Renovadora Nacional (Arena) — partido de sustentação do regime militar instaurado no país em abril de 1964. Com a extinção do bipartidarismo, em 29 de novembro de 1979, dois anos depois, filiou-se ao Partido Democrático Social (PDS), sucessor da Arena. Em outubro de 1988, foi eleito prefeito da cidade de Francisco Beltrão (PR). Tomou posse em fevereiro de 1989, encerrando o mandato em dezembro de 1992. Em 1993, deixou o PDS e ingressou no Partido Progressista (PP). No mesmo ano, assumiu a presidência da Cooperativa de Eletrificação Rural e do Sindicato Rural de Francisco Beltrão, cidade que se tornou seu reduto eleitoral no pleito de outubro de 1994, quando elegeu-se deputado federal.

Empossado em fevereiro de 1995, passou a integrar a Comissão de Agricultura e Política Rural. Em agosto, filiou-se ao Partido Progressista Brasileiro (PPB), resultado da fusão do PP com o Partido Progressista Reformador (PPR). Nas votações das emendas constitucionais propostas pelo presidente Fernando Henrique Cardoso em 1995, votou de acordo com as teses defendidas pelo governo, manifestando-se favoravelmente à abertura da navegação de cabotagem às embarcações estrangeiras, à revisão do conceito de empresa nacional, à quebra do monopólio estatal nas telecomunicações, na exploração do petróleo e na distribuição de gás canalizado pelos governos estaduais. Votou também a favor da prorrogação do Fundo de Estabilização Fiscal (FEF), substituto do antigo Fundo Social de Emergência (FSE), criado na legislatura anterior com o objetivo de financiar o plano de estabilização econômica do Executivo (Plano Real). Defendeu, em julho de 1996, a aprovação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) — antigo Imposto Provisório sobre Movimentação Financeira (IPMF) —, tributo destinado a aumentar os recursos para a saúde.

Em fevereiro de 1997, manifestou-se favoravelmente à emenda que instituiu a reeleição de prefeitos, governadores e presidente da República. Em novembro do ano seguinte, votou também a favor do destaque ao projeto de reforma administrativa do governo que possibilitou a demissão no serviço público por insuficiência de desempenho ou por excesso de gastos com pessoal. Manifestou-se ainda favoravelmente ao destaque da reforma da Previdência que propôs o limite de idade mínima como critério para a concessão de aposentadorias na iniciativa privada.

Em outubro de 1998, Nélson Meurer reelegeu-se à Câmara dos Deputados pelo PPB. Assumindo o novo mandato em fevereiro do ano seguinte, nessa legislatura foi vice-líder do PPB e membro da Comissão dos Precatórios e da Comissão de Agricultura e Política Rural. Votou ainda a favor da extinção dos juízes classistas, da recriação da CPMF, da limitação à reedição de Medidas Provisórias pelo Executivo, da demissão por insuficiência de desempenho dos servidores públicos, da quebra do sigilo bancário dos acusados de corrupção no serviço público, e foi contrário à proibição do nepotismo. Nesse período, exerceu também a presidência do diretório municipal do PPB de Francisco Beltrão (PR).

No pleito de outubro de 2002, voltou a eleger-se pelo PPB, transferindo-se logo em seguida para o Partido Progressista (PP) em virtude da incorporação da legenda pelo novo partido. Empossado em fevereiro de 2003, ao longo da legislatura participou na condição de titular nas comissões de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática, de Fiscalização Financeira e Controle, de Minas e Energia, além de presidir a comissão de Agricultura e Política Rural. Foi ainda suplente nas comissões de Desenvolvimento Urbano e Interior, de Educação, Cultura e Desporto, de Finanças e Tributação, e de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado, tendo participado ainda de comissões especiais tais como, a de Autogestão do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira, e a de Regulamentação de Medidas Provisórias, inclusive presidindo esta última. Nas eleições para a presidência da Câmara dos Deputados ocorrida em fevereiro de 2005, Meurer declarou voto a seu correligionário, Severino Cavalcanti, que poucos meses depois seria afastado do cargo em consequência de irregularidades envolvendo a cobrança de aluguel a restaurantes que funcionavam na Câmara.

No pleito de outubro 2006, elegeu-se para seu quarto mandato consecutivo pelo PP com 114.141 votos. Tomou posse em fevereiro de 2007. Durante esta legislatura, foi presidente da Comissão de Agricultura e Política Rural, membro das comissões de Fiscalização Financeira e Controle, de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática, e de Minas e Energia. Em maio de 2007, assumiu a terceira vice-presidência da CPI do Apagão Aéreo, formada com o objetivo de investigar a crise no tráfego aéreo brasileiro. No mesmo mês, manifestou-se contrário à proposta do senador paranaense Osmar Dias (PDT) de eliminar as emendas individuais ao orçamento objetivando inibir as relações de barganha que se davam entre Executivo e parlamentares individuais por meio de tais emendas. Em maio de 2009, Meurer assumiu a presidência do Conselho de Ética da Câmara dos Deputados. Durante o mandato, fez parte da base de apoio ao governo Lula, manifestando-se a favor de vários projetos de interesse do governo votados em plenário.

Vinculado à bancada ruralista ao longo de toda sua atuação parlamentar, Nelson Meurer foi presidente do Sindicato Rural Patronal de Francisco Beltrão, em 1993, e da Cooperativa de Eletrificação Rural na mesma cidade.

Casou-se com Leci Clarisse Meurer, com quem teve quatro filhos.

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1995-1999); Folha de S. Paulo (31/1/95, 14/1/96, 30/1/97, 5/2, 29/9 e 10/10/98); Gazeta do Povo (13/05/2009); http://www2.camara.gov.br/ (último acesso em 12/11/2009); http://www.tse.gov.br/ (último acesso em 12/11/2009); http://www.parana-online.com.br/ (último acesso em: 12/11/2009); http://www.folha.uol.com.br/ (último acesso em: 12/11/2009); http://www.vigilantesdademocracia.com.br/ (último acesso em: 14/11/2009); http://congressoemfoco.ig.com.br (último acesso em: 14/11/2009); http://www.congressoaberto.com.br (último acesso em: 14/11/2009).

 

 

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados