Nelson Henrique Barbosa Filho

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: BARBOSA, Nelson
Nome Completo: Nelson Henrique Barbosa Filho

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:

BARBOSA, Nelson

* min. do Planejamento, Orçamento e Gestão, 2015; min. Fazenda 2015-2016.

 

            Nelson Henrique Barbosa Filho nasceu no Rio de Janeiro (RJ) em 17 de novembro de 1969.

            De 1988 a 1991 se graduou em Economia na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), onde também fez mestrado em Economia da Industria e Tecnologia, sob a orientação de Maria da Conceição Tavares, entre 1992 e 1995. Enquanto cursava o mestrado, tornou-se professor substituto na Universidade Federal Fluminense (1993-1994) e analista do Banco Central do Brasil (1994-1997). No decorrer de 1995, passou a dar aulas no Instituto dos Economistas do Rio de Janeiro (IERJ) até  1997, ano em que ingressou no doutorado na New School for Social Research, (NSSR), pela qual defendeu, em 2001, a tese intitulada Essays on Structuralist Macroeconomics, orientado pelo professor Lance Taylor. No decorrer de seu doutoramento, deu aulas na NSSR e no Saint Francis College (SFC), também em Nova Iorque.

De volta do Brasil, em agosto de 2002 passou a integrar o quadro docente da UFRJ, na condição de professor adjunto, oferecendo disciplinas nas áreas de Econometria, Macroeconomia e Economia Internacional, orientando alunos e integrando bancas em defesas de Mestrado e Doutorado. Em 2003, ingressou no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, durante o mandato do ministro Guido Mantega, exercendo a função de chefe adjunto da Assessoria Econômica, área que consiste na formulação, acompanhamento e avaliação da política econômica do Governo. Nesse mesmo ano, tornou-se membro do Conselho de Administração do Banco do Nordeste (BNB) e do Banco do Estado de Santa Catarina (BESC).

No decorrer de 2005 assumiu a assessoria da presidência do Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES), durante a gestão de Guido Mantega que, a convite do então presidente Luís Inácio Lula da Silva, transferiu-se para o BNDES substituindo o economista Carlos Lessa. Novamente acompanhando Mantega, nomeado Ministro da Fazenda por Lula em março de 2006, Nelson Barbosa passou a atuar no Ministério. Atuando próximo a Mantega, que permaneceu na pasta da Fazenda até 2015, Barbosa exerceu os cargos de Secretário Adjunto de Política Econômica (2006-2007),  Secretário de Acompanhamento Econômico (2007-2008), Secretário de Política Econômica (2008-2010) e Secretário Executivo do Ministério da Fazenda (2011-2013), tendo sido um dos responsáveis pelo desenvolvimento de pacotes para combater a crise financeira internacional a partir de 2008, além de ter participado ativamente na criação de programas assistenciais que se tornaram símbolos do governo Lula, como o “Programa de Aceleração do Crescimento” (PAC) e o “Minha Casa, Minha Vida.”

Paralelamente às funções no Ministério, entre 2007 e 2013 o economista tornou-se membro do Conselho de Administração da Empresa de Pesquisa Energética (2007-2010), da Vale S.A (2011-2013) e do Banco de Brasília (2013-2014). No Banco do Brasil, assumiu a presidência do Conselho Administrativo em 2009, permanecendo por cinco anos. Em abril de 2014, ingressou no Conselho de Administração do CETIP, maior depositária de títulos privados de renda fixa da América Latina, renunciando ao cargo em dezembro do mesmo ano, para assumir a pasta do Planejamento e Gestão, à convite da então presidente da República Dilma Rousseff.

Considerado um desenvolvimentista, Barbosa assumiu o Ministério em janeiro de 2015, durante cerimônia de posse do segundo mandato da presidente Dilma. Em seu primeiro discurso como ministro, situou as dificuldades econômicas enfrentadas pelo Brasil como consequência de um contexto de crise da economia internacional. Reconhecendo a necessidade de ajustes fiscais para o equilíbrio fiscal e orçamentário, Barbosa frisou que também trabalharia pelo aumento do investimento e elevação da produtividade da economia, assinalando que, a seu ver, equilibrar a urgência do investimento ao custo e qualidade dos projetos era o maior desafio posto ao governo.

Durante um seminário realizado no Instituto Econômico de Pesquisa Aplicada (IPEA), em dezembro de 2015, o ministro apresentou resultados decorrentes de seus primeiros meses de gestão, revelando que as medidas de redução de despesas e recuperação de receita empreendidas pelo governo totalizaram R$ 134 bilhões, equivalentes a 2,3% do Produto Interno Bruto (PIB). Defensor de práticas de ajustes e fiscalização dos gastos para pagamento de abono salarial, seguro-desemprego e pensões por morte e invalidez, dentre outros  programas do governo, afirmou que o controle da despesa nessas área se fazia obrigatório e os esforços nesse sentido estavam somados no montante apresentado.

Nessa ocasião, o ministro voltou a defender o aumento dos investimentos em infraestrutura como motor para a retomada do crescimento, princípio que conduziu sua gestão no Planejamento. Tal entendimento evidenciava uma contradição, que se acentuou no governo Dilma, entre as diretrizes propostas por Nelson Barbosa e os projetos apresentados ao governo pelo então ministro da Fazenda Joaquim Levy, defensor de uma política de cortes profundos nos gastos para garantir o equilíbrio das contas públicas. Devido a essas divergências ideológicas, a relação entre os dois ministros acabou conturbada,  resultando na saída de Levy da equipe de governo, com a posterior transferência de Barbosa para a pasta da Fazenda, no final de dezembro de 2015.

Empossado na Fazenda, o economista garantiu aos investidores estrangeiros que o governo permaneceria comprometido com o ajuste fiscal e que investiria esforços para cumprir a meta de superávit primário de 0, 5% do PIB. Ao mercado financeiro, o ministro recém-empossado afirmou que trabalharia para transformar as possibilidades em oportunidades concretas.

Nelson Barbosa geriu o Ministério da Fazenda por menos de um semestre. Em 12 de maio de 2016, o Senado Federal decidiu acatar o pedido de abertura do processo de impeachment e o consequente afastamento da presidente Dilma, por até 180 dias, sob a acusação de crime de responsabilidade fiscal. Nessa ocasião, Barbosa foi substituído por Henrique Meirelles, nomeado pelo então presidente interino Michel Temer para a pasta da Agricultura. Em 31 de agosto de 2016, senadores aprovaram, por 61 votos a favor e 20 contra, a retirada de Dilma Rousseff da presidência da República – o que resultou na efetivação de Michel Temer no cargo de presidente do Brasil.

            Atualmente, Nelson Barbosa é professor titular da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (EESP/FGV), onde trabalha desde 2013, e permanece atuando como professor adjunto do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IE/UFRJ).

            Durante sua trajetória profissional, atuou ainda como parecerista em diversos periódicos nacionais e foi revisor do Cambridge Journal of Economics e dos periódicos Metroeconomica  e Development and Change. Na Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), foi revisor de projetos de fomento. No BNDES também exerceu as funções de membro do Conselho de Administração.

            Autor de um vasto número de artigos publicados em periódicos e livros, foi um dos coordenadores da obra Política de Salário Mínimo para o BrasilI (2015-2018), publicado em 2015.

            Casado, teve um filho.

           

Luciana Pinheiro

 

FONTES: Curriculo Lattes de Nelson Barbosa. Disponível em: < http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4761765P6>. Acesso em 17/02/2016; Portal Brasil. Disponível em: < http://www.brasil.gov.br>. Acesso em 17/02/2017; Portal do Centro Celso Furtado de Politicas para o Desenvolvimento. Disponível em: < http://www.centrocelsofurtado.org.br/>. Acesso em 17/02/2017; Portal da Fundação Getulio Vargas – Escola de Economia de São Paulo. Disponível em: < http://eesp.fgv.br >. Acesso em 17/02/2016; Portal G1. Disponível em: < http://g1.globo.com >. Acesso em 17/02/2016; Portal do Ministério da Fazenda. Disponível em: < http://fazenda.gov.br >. Acesso em 17/02/2017; Portal da Revista Exame. Disponível em: < http://exame.abril.com.br/>. Acesso em 17/02/2016; Portal Reuters Brasil. Disponível em: < http://br.reuters.com/>. Acesso em 17/02/2016; Portal  Valor Econômico. Disponível em: < http://www.valor.com.br/>. Acesso em 17/02/2016.

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados