ORTIZ, HORACIO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: ORTIZ, Horácio
Nome Completo: ORTIZ, HORACIO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
ORTIZ, HORÁCIO

ORTIZ, Horácio

*dep. fed. SP 1979-1983, 1984-1987.

 

Horácio Ortiz nasceu em Redenção da Serra (SP), no dia 6 de janeiro de 1925, filho de William Ortiz e de Irene Giorgetti Ortiz.

Formando em engenharia civil pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), em 1947, trabalhou como calculista do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) do estado e, de 1950 a 1956, como engenheiro-chefe na construção da rodovia Fernão Dias e de outras estradas. À frente da diretoria técnica do DER foi responsável pelo planejamento e início da execução do Plano de Pavimentação do Estado de São Paulo durante o governo de Jânio Quadros. Como empresário, a partir de 1956, realizou obras viárias na capital paulista e no interior. Diretor técnico da Companhia Municipal de Gás de São Paulo (Congás) de 1970 a 1971, fez o curso de administração de empresas pela M. C. Brasil. Participou dos conselhos consultivo e deliberativo do Instituto de Engenharia e chegou a exercer a sua vice-presidência.

Iniciou carreira política no pleito de novembro de 1971, quando elegeu-se vereador pela legenda do Movimento Democrático Brasileiro (MDB), partido de oposição ao regime militar instaurado no país em abril de 1964. Assumindo o mandato em fevereiro de 1971, foi líder do MDB na Câmara e presidiu as comissões de Obras e de Saúde. Em 1973 representou o prefeito de São Paulo, José Carlos Figueiredo Ferraz (1971-1973), no 2º Congresso dos Prefeitos das Maiores Cidades do Mundo, realizado em Milão, na Itália.

Em novembro de 1974 elegeu-se deputado estadual pela legenda do MDB com a terceira maior votação do estado, assumindo o mandato no início do ano seguinte. Integrou a comissão parlamentar da Assembléia Legislativa em visita às obras do metropolitano de Tóquio, no Japão, e presidiu as comissões parlamentares de inquérito (CPIs) sobre a Companhia Estadual de Saneamento Básico (Sabesp), o aeroporto de Caucaia e a invasão da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo.

No pleito de novembro de 1978 elegeu-se deputado federal por São Paulo, assumindo o mandato em fevereiro de 1979. Titular da Comissão de Minas e Energia e suplente das comissões do Interior e de Transportes, com o fim do bipartidarismo, em novembro, e a conseqüente reformulação partidária, filiou-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), sucessor do MDB. Alçado à vice-presidência da Comissão de Minas e Energia, fez parte da Comissão de Ciência e Tecnologia. Em 1981, foi um dos articuladores do relançamento da Frente Nacionalista, que teve como objetivo “a união de todos os brasileiros na defesa das riquezas nacionais e do patrimônio industrial e comercial do país”.

Horácio Ortiz reelegeu-se em novembro de 1982, sempre pelo PMDB, assumindo o mandato em fevereiro de 1983. Tendo travado dentro do partido uma disputa com Mário Covas pela candidatura à prefeitura de São Paulo, acabou substituindo-o à frente da Secretaria Estadual de Transportes, no governo Franco Montoro (1983-1987). Todavia, desentendimentos com o secretário de Negócios Metropolitanos, Almino Afonso, resultaram na sua exoneração em maio de 1984.

Em 25 de abril de 1984, votou a favor da emenda Dante de Oliveira, que previa eleições diretas para presidente da República. Derrotada a proposição — faltaram 22 votos para que fosse elevada à apreciação do Senado — no Colégio Eleitoral, reunido em 15 de janeiro de 1985, Horácio Ortiz apoiou o candidato oposicionista Tancredo Neves, eleito pela Aliança Democrática, uma união do PMDB com a dissidência do Partido Democrático Social (PDS) abrigada na Frente Liberal. Doente, Tancredo Neves não chegou a ser empossado, vindo a falecer em 21 de abril de 1985. Seu substituto foi o vice José Sarney, que já vinha exercendo o cargo interinamente, desde 15 de março deste ano.

Tentando o terceiro mandato federal, em novembro de 1986, obteve uma suplência, e deixou a Câmara dos Deputados ao término da legislatura, em fevereiro do ano seguinte, retomando suas atividades empresariais.

Em 1995 assumiu a presidência do diretório do PMDB de Jabaquara (SP) e passou a integrar o diretório paulista do PMDB.

Horácio Ortiz fez o curso de saneamento e poluição na Faculdade de Saúde Pública da USP e diplomou-se em ciências sociais pela Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Participou do conselho deliberativo do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Crea-SP) e do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Tietê; presidiu o Sindicato dos Engenheiros, a Sociedade Amigos de Jabaquara e foi vice-presidente da Associação Brasileira de Ecologia e Prevenção à Poluição. Autor de diversos artigos, publicou duas teses — A moderna técnica de protensão aplicada às estruturas rodoviárias (1950) e O desenvolvimento urbano de São Paulo (1973). Também foi presidente do Sindicato dos Engenheiros.

Faleceu no dia 18 de agosto de 2007.

Casado com Léa Ferrari Ortiz, teve quatro filhos.

 

FONTES: ASSEMB. NAC. CONST. Repertório (1987-1988); CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1979-1983, 1983-1987); Estado de S. Paulo (18/5/83); Folha de S. Paulo (29/4/81, 29/12/82, 14/5/83 e 11/5/84); Globo (26/4/84 e 16/1/85); INF. BIOG.; Veja (30/5/84); http://horacio-ortiz.blogspot.com/ acesso em 6/12/09.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados