OSVALDO ZANELLO VIEIRA DA COSTA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: ZANELLO, Osvaldo
Nome Completo: OSVALDO ZANELLO VIEIRA DA COSTA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
ZANELLO, OSVALDO

ZANELLO, Osvaldo

*rev. 1938; dep. fed. ES 1959-1979.

 

Osvaldo Zanello Vieira da Costa nasceu em Ribeirão Preto (SP) no dia 19 de abril de 1920, filho de Joaquim Vieira da Costa e de Elisa Zanello.

Estudou durante sete anos no Seminário de Santo Afonso, dos padres redentoristas, em Aparecida do Norte (SP), matriculando-se em seguida num curso comercial, que interrompeu em 1936 para transferir-se com a família para Campos (RJ).

Em Campos, enquanto ajudava o pai trabalhando numa indústria de álcool, filiou-se, ainda em 1936, à Ação Integralista Brasileira (AIB), organização de inspiração fascista fundada por Plínio Salgado em 1932. Em 1937 ingressou no Colégio Plínio Leite, em Niterói, onde continuou a pregar ativamente os ideais integralistas. Em maio do ano seguinte liderou, ao lado de Belmiro Valverde, o levante integralista. Irrompido no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, no dia 11 desse mesmo mês, o movimento contou com o apoio de oposicionistas liberais visando à deposição do presidente Getúlio Vargas. O principal episódio do levante foi o assalto ao palácio Guanabara, residência do presidente da República onde, apesar da precária resistência legalista, os assaltantes foram contidos em poucas horas. Zanello foi preso em Campos, para onde retornara, e transferido para a Penitenciária de Niterói onde permaneceu durante oito meses. Absolvido pelo Tribunal de Segurança Nacional, associou-se ao pai na instalação da usina de Santa Rosa, em Miracema (RJ), vendida mais tarde devido a dificuldades financeiras. Com os recursos que lhe couberam na dissolução da sociedade, seguiu para o Rio de Janeiro, onde montou a Torrefação Mojiana.

Em 1946, após o fim do Estado Novo (1937-1945), retornou à política figurando entre os fundadores do Partido de Representação Popular (PRP), liderado por Plínio Salgado. Recebeu a incumbência de organizar o partido no Espírito Santo, bem como a de fundar o jornal A Tribuna, em Vitória. Durante sua pregação partidária fixou-se em 1948 no município de Colatina (ES), onde se casou e fundou outro jornal, A Folha da Noite, que ainda em 1960 circularia sob sua direção. Posteriormente adquiriu terras no estado do Espírito Santo para a plantação de café.

Em outubro de 1950 elegeu-se deputado à Assembléia Legislativa do Espírito Santo na legenda do PRP, obtendo a segunda votação do estado. Empossado em fevereiro do ano seguinte, destacou-se durante essa legislatura na defesa dos interesses dos cafeicultores. Foi reeleito em outubro de 1954 na legenda da coligação formada pelo PRP e o Partido Republicano (PR), obtendo nessa ocasião a maior votação do estado. Posteriormente licenciou-se da Assembléia para assumir a Secretaria de Agricultura do estado, a convite do governador Francisco Lacerda de Aguiar, empossado em janeiro de 1955. Em diversos períodos acumulou com esse cargo os de secretário da Fazenda interino e de secretário da Viação e Obras Públicas, além de ter representado o estado na junta administrativa do Instituto Brasileiro do Café (IBC).

Em 1957 passou a secretário-geral do governo do estado e, como tal, dedicou especial atenção ao problema da assistência creditícia e técnica à lavoura e da assistência médica e social aos homens do campo. Nesse sentido, organizou a Associação de Crédito e Assistência Rural do Espírito Santo (ACARES), em convênio com o Escritório Técnico de Agricultura (ETA) da Comissão Mista Brasil-Estados Unidos, a Associação Brasileira de Crédito e Assistência Rural (Abicar) e o Centro do Comércio de Café. Firmou também com o ETA um convênio para fomentar a cultura do cacau no Espírito Santo. Deixou a secretaria do estado para se candidatar a deputado federal pelo Espírito Santo no pleito de outubro de 1958, na legenda da Aliança Democrática, coligação formada pelo PRP e a União Democrática Nacional (UDN), elegendo-se com base, principalmente, no eleitorado de Colatina, Castelo, Santa Teresa e Ibiraçu. Assumiu o mandato em fevereiro de 1959 e em dezembro de 1960 foi escolhido vice-líder do PRP na Câmara dos Deputados. Reelegeu-se no pleito de outubro de 1962 na legenda da Coligação Democrática, formada pelo PRP, a UDN, o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) e o Partido Social Progressista (PSP), assumindo mais uma vez a vice-liderança do PRP na Câmara em abril de 1964, poucas semanas após a vitória do movimento político-militar de 31 de março desse ano, que depôs o presidente João Goulart (1961-1964). Em maio seguinte tornou-se vice-líder do Bloco Parlamentar da Maioria.

Com a extinção dos partidos políticos pelo Ato Institucional nº 2 (27/10/1965) e a posterior instauração do bipartidarismo, filiou-se ao partido governista, a Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de sustentação do regime militar instalado no país em abril de 1964, do qual se tornou vice-líder na Câmara a partir de abril de 1966. No pleito de novembro desse último ano reelegeu-se deputado federal na legenda da Arena e, nessa legislatura, participou da reunião da Organização Internacional do Café (OIC), realizada em Londres em 1968. Mais uma vez eleito em novembro de 1970, integrou as comissões de Minas e Energia, de Comunicações e de Fiscalização Financeira e Tomada de Contas e a Comissão Especial para a Integração de Povos da Comunidade de Língua Portuguesa e foi ainda vice-presidente da Comissão de Orçamento da Câmara dos Deputados. No pleito de novembro de 1974 voltou a se eleger deputado federal na legenda da Arena, integrando nessa legislatura as comissões de Fiscalização Financeira e Tomada de Contas e de Comunicações. Deixou a Câmara dos Deputados em janeiro de 1979, não tendo disputado a reeleição em novembro do ano anterior e abandonando definitivamente a carreira política.

Osvaldo Zanello foi ainda presidente do conselho diretor da Associação de Crédito e Assistência Rural do Espírito Santo e do Instituto do Bem-Estar Social de seu estado e membro do Conselho Rodoviário e Florestal e da junta administrativa do IBC.

Faleceu em Vitória no dia 3 de novembro de 1999.

Era casado com Maria Frechiani Zanello, com quem teve seis filhos.

Publicou O escândalo do café (1958), Divórcio: fator de desagregação social (1963), Superprodução: conceito superado de política cafeeira e Política do café e estabilidade monetária.

 

FONTES: CÂM. DEP. Anais (1959-26); CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (5, 6, 7 e 8); CÂM. DEP. Relação nominal dos senhores; CAMPOS, Q. Fichário; COUTINHO, A. Brasil; INF. Maria Zanello; NÉRI,S.16; Perfil (1972); TRIB. SUP. ELEIT. Dados (2, 3, 4, 6, 8 e 9); VAITSMAN, M. Sangue.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados