OTOCH, NELSON

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: OTOCH, Nelson
Nome Completo: OTOCH, NELSON

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
OTOCH, NÉLSON

OTOCH, Nélson

*dep. fed. CE 1995-2003.

Nélson Otoch nasceu em Fortaleza no dia 6 de abril de 1940, filho de Jorge Otoch e de Iolanda Bassila Otoch.

Cursou direito na Universidade Federal do Ceará (UFC) entre 1960 e 1964. No ano seguinte à conclusão do curso, assumiu o cargo de procurador-chefe do Serviço Telefônico de Fortaleza, no qual permaneceu até 1968. Ingressou em seguida no curso de administração de empresas da Universidade Estadual do Ceará (Uece), que concluiu em 1972.

Empresário do setor hoteleiro, foi membro da Associação Brasileira de Agentes de Viagem e do Sindicato dos Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares do Ceará, além de ter presidido, em 1984, a diretoria da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH) no seu estado. Em 1986, tornou-se sócio-gerente da Otoch Participações e Administração Ltda.

Iniciou sua carreira política em 1994, filiado ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). Elegeu-se para a Câmara dos Deputados no pleito de outubro daquele ano, tendo como base eleitoral a Região Metropolitana de Fortaleza e a região do Cariri. Desde que iniciou seu mandato, em fevereiro de 1995, foi apontado como um dos deputados que mais faltaram às sessões da Câmara Federal.

Integrou a Comissão de Economia, Indústria e Comércio e a de Defesa Nacional. Nas votações das emendas constitucionais propostas pelo governo Fernando Henrique Cardoso em 1995, votou a favor da quebra do monopólio estatal no setor de telecomunicações e na exploração do petróleo, além de ter sido favorável à criação do Fundo Social de Emergência (FSE). Votou apenas no primeiro turno a favor da quebra do monopólio das embarcações nacionais na navegação de cabotagem e da mudança no conceito de empresa nacional, tendo faltado à votação sobre a quebra do monopólio dos estados na distribuição de gás canalizado. Todas essas propostas foram aprovadas pela Câmara dos Deputados.

Em março de 1996, na disputa para o preenchimento dos cargos das comissões permanentes da Câmara, que alterou a situação dos blocos partidários, Nélson Otoch foi designado presidente da Comissão do Trabalho, Administração e Serviço Público, que anteriormente era presidida pelo Partido dos Trabalhadores (PT). Em maio desse mesmo ano o deputado defendeu a apuração do desvio de recursos do Serviço Social da Indústria (Sesi) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), que teriam sido utilizados para financiamento de campanha eleitoral e construção de luxuosas sedes de federações da indústria. Ainda nesse ano, votou a favor da criação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), aprovada pela Câmara dos Deputados.

Assumiu em maio de 1997 o lugar do deputado Almino Afonso, do PSDB de São Paulo, que renunciara à relatoria na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara do processo de cassação dos mandatos de deputados acusados de vender votos a favor da emenda que propunha a reeleição para os cargos dos Executivos federal, estadual e municipal. Os deputados acusados foram Osmir Lima e Zilá Bezerra, do Partido da Frente Liberal (PFL), além de Chicão Brígido, do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMBD), todos do Acre. Almino Afonso renunciou por considerar que a Comissão tinha poderes muito limitados para levar adiante o processo. Otoch declarou-se contrário à formação de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para verificar as denúncias de venda de votos, mas prometeu levar as investigações até o fim.

Citado em uma das gravações em que se baseava a denúncia da compra de votos, o ministro das Comunicações, Sérgio Mota, depôs em junho seguinte, negando qualquer participação no episódio. Também mencionados nas gravações divulgadas pelo jornal Folha de S. Paulo, o governador do Amazonas, Amazonino Mendes (PFL), e o do Acre, Orleir Cameli (sem partido), não atenderam ao convite para prestar depoimento na CCJ, o que causou um desentendimento entre Otoch e o líder do PFL, Inocêncio Oliveira. O incidente abalou também as relações do PSDB com o PFL, que ameaçou apoiar a instauração da CPI da reeleição, o que poderia causar um desgaste ao governo Fernando Henrique. O PFL decidiu também lançar candidatos próprios para disputar as eleições estaduais, previstas para outubro de 1998, no Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, frustrando o plano do presidente de ter um palanque único nesses estados. A crise acabou contornada, e Amazonino Mendes prestou depoimento ainda em junho, negando seu envolvimento e garantindo que não havia comprado votos.

Vice-líder do PSDB, Otoch votou, em 1997, a favor da emenda da reeleição e ausentou-se da votação referente ao fim da estabilidade para os servidores públicos.

No pleito de outubro de 1998, concorreu na legenda do PSDB, agora em coligação com o Partido Popular Socialista (PPS) e o Partido Social Democrático (PSD), mas obteve apenas uma suplência. Deixou a Câmara dos Deputados em janeiro de 1999, ao fim da legislatura. Em março seguinte, porém, retornou àquela casa, na vaga de Ariosto Holanda, que assumiu a Secretaria de Ciência e Tecnologia do Ceará. Foi efetivado em 3 de maio de 2001.

Concorreu novamente à Câmara nas eleições de 2002, e obteve nova suplência. Cumpriu o mandato de deputado até o final, em janeiro de 2003.

Casou-se com Cláudia Pessoa Otoch, com quem teve dois filhos.

 

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1995-1999); CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Quadro de titulares e suplentes (1995-1999); Folha de S. Paulo (16/7/95 e 27/5/96); Globo (14/3/96); Olho no Congresso/Folha de S. Paulo (31/1/95, 14/1/96, 30/1/97 e 5/2/98); Portal da Câmara dos Deputados. Disponível em : <http://www2.camara.gov.br>. Acesso em : 17 jul. 2009; Portal do TSE. Disponível em : <http://www.tse.gov.br>. Acesso em : 17 jul. 2009.

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados