PACHECO, SIGEFREDO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: PACHECO, Sigefredo
Nome Completo: PACHECO, SIGEFREDO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
PACHECO, SIGEFREDO

PACHECO, Sigefredo

*const. 1946; dep. fed. PI 1946-1959; sen. PI 1963-1971.

 

Sigefredo Pacheco nasceu em Campo Maior (PI) no dia 22 de maio de 1904, filho de Vicente Pacheco e de Inês da Costa Araújo Pacheco.

Cursou o Liceu Piauiense e o Colégio Pedro II, diplomando-se em 1927 pela Faculdade de Farmácia e, em 1930, pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro.

Especializando-se em tuberculose, otorrinolaringologia, proctologia, obstetrícia, ginecologia e histologia, ingressou como interno no Pronto Socorro do Hospital Paula Cândido, em Niterói, tendo exercido ainda as funções de assistente e de professor de histologia da Faculdade Fluminense de Medicina. Farmacêutico e oficial de reserva do corpo médico do Exército, foi também delegado de saúde em seu estado natal.

No pleito de maio de 1933, elegeu-se suplente de deputado pelo Piauí à Assembléia Nacional Constituinte na legenda Hugo Napoleão, mas não chegou a exercer mandato. Em 1935, foi nomeado prefeito de Campo Maior.

Em dezembro de 1945, elegeu-se deputado pelo Piauí à Assembléia Nacional Constituinte na legenda do Partido Social Democrático (PSD), assumindo o mandato em fevereiro do ano seguinte. Participou dos trabalhos constituintes e, com a promulgação da nova Carta (18/9/1946), passou a exercer o mandato legislativo ordinário. Durante essa legislatura, participou da Comissão Permanente de Serviço Público Civil da Câmara dos Deputados. Reeleito nos pleitos de outubro de 1950 e de 1954, permaneceu na Câmara até janeiro de 1959.

Foi um dos articuladores da vitoriosa candidatura de Petrônio Portela ao governo do Piauí em 1962, no mesmo pleito em que se elegeu senador por seu estado na legenda das Oposições Coligadas, formadas pelo Partido Democrata Cristão (PDC), a União Democrática Nacional (UDN) e o PSD. Assumindo o mandato em fevereiro do ano seguinte, foi vice-líder do PSD no Senado de março de 1963 a 1965. Foi também autor de uma emenda, aprovada no Congresso, que estendia os benefícios da aplicação de 50% do imposto de renda em reflorestamento com essências florestais aos agricultores que praticassem o reflorestamento com árvores frutíferas. Encerrou seu mandato em janeiro de 1971, abandonando então o Senado Federal.

Pecuarista, proprietário de uma fazenda no município de Campo Maior e político de grande influência e prestígio em seu estado, passou o resto de seus dias escrevendo um livro de memórias intitulado Lembranças de um velho curandeiro político, no qual pretendia narrar suas experiências na política, sobretudo a respeito do ex-presidente Humberto Castelo Branco, de quem foi amigo pessoal durante 20 anos.

Faleceu em sua cidade natal em janeiro de 1980.

Era casado com Alzira Torres Sampaio Pacheco, com quem teve três filhos.

 

 

FONTES: ASSEMB. NAC. CONST. 1934. Anais; CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Relação dos dep.; CISNEIROS, A. Parlamentares; Diário do Congresso Nacional; Grande encic. Delta; Jornal do Brasil (16/1/77 e 13 e 19/1/80); SENADO. Dados; SENADO. Relação; SENADO. Relação dos líderes; SILVA, G. Constituinte; TRIB. SUP. ELEIT. Dados (6).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados