RIBEIRO, Helenildo

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: RIBEIRO, Helenildo
Nome Completo: RIBEIRO, Helenildo

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
RIBEIRO, Helenildo

RIBEIRO, Helenildo

* dep. fed. AL 1999-2006.

 

 

                José Helenildo Ribeiro Monteiro nasceu em Lagoa de Ouro (PE) no dia 28 de setembro de 1946, filho de Antônio Ribeiro Barbosa Filho e Maria de Lourdes Monteiro Ribeiro.

                Transferindo-se para Alagoas, ainda estudante presidiu a União dos Estudantes Secundários de Alagoas (UESA), na seção de Palmeira dos Índios (AL), no biênio 1966-1967. Também em 1966 iniciou carreira como fiscal de rendas da secretaria municipal de Palmeira dos Índios, cargo que viria a exercer até 1979.

Dois anos depois, filiou-se à Aliança Renovador Nacional (ARENA), partido de sustentação do regime militar instituído no Brasil em março de 1964. Nas eleições de novembro de 1976 elegeu-se vereador de Palmeira dos Índios, tendo atuado como delegado na convenção estadual do partido em Alagoas e como líder de seu partido na Câmara entre 1976 e 1978.

Em 1979, concluiu o curso de direito do Centro de Estudos Superiores de Maceió (CESMAC). A seguir, aprovado no concurso para o Ministério Público do Estado de Alagoas iniciou a carreira de promotor público, função que exerceria até 1999.

Com a extinção do bipartidarismo em 29 de novembro de 1979 e a conseqüente reformulação partidária, filiou-se ao Partido Democrático Social (PDS), sucessor da ARENA. Líder do PDS na Câmara Municipal de Palmeira dos Índios até 1982, nesse ano foi eleito prefeito de Palmeira dos Índios na legenda do PDS. Permaneceu no cargo até 1988 ao final do mandato. Em 1989 filiou-se ao Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). Dois anos depois, deixou essa agremiação e filiou-se ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). No pleito de outubro de 1992, foi novamente eleito prefeito de Palmeira dos Índios na legenda pessedebista. Deixou o cargo ao final do mandato em 31 de dezembro de 1996.

Em outubro de 1998 disputou uma vaga de deputado federal por Alagoas na legenda do PDSB. Não conseguiu eleger-se, mas obteve uma suplência. Com o assassinato da deputada eleita Ceci Cunha, em dezembro de 1998, logo após ter sido diplomada pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE), e a cassação do primeiro-suplente Talvane Albuquerque que foi apontado como o mandante do crime, Helenildo Ribeiro assumiu o exercício do mandato em abril de 1999.

Na Câmara dos Deputados, votou com o governo, seguindo a orientação do seu partido. Em 2000, pronunciou-se a favor da Lei de Responsabilidade Fiscal, em 2002 votou favoravelmente à prorrogação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF).

No pleito de outubro de 2002, foi eleito deputado federal por Alagoas na legenda do PSDB. Assumiu o mandato em fevereiro de 2003.

Nessa legislatura participou como titular da Comissão de Agricultura e Política Rural, Comissão da Amazônia, Integração Nacional e de Desenvolvimento Regional, Comissão das Minas e Energia e de Seguridade Social e Família. E posicionou-se contra a reforma da previdência. Licenciou-se do mandato entre maio a setembro de 2005, tendo assumido a vaga o suplente Jorge VI.

Em agosto de 2006, Helenildo Ribeiro foi envolvido nas denúncias de superfaturamento na compra de ambulâncias e equipamentos hospitalares com o orçamento da União que resultou na instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Sanguessugas. As investigações descobriram um depósito de R$ 5 mil feito por Luiz Antônio Vedoin em 2004 para o deputado. Em sua defesa Helenildo explicou que o depósito se referia ao pagamento de mil camisetas para a campanha eleitoral de seu filho à prefeitura de Palmeira dos Índios e que não teria nenhuma relação com sua atuação como parlamentar. Embora, inocentado no relatório parcial da CPI dos Sanguessugas, o Ministério Público Federal de Alagoas (MPF/AL) pediu abertura de inquérito contra Helenildo o que foi aceito pelo STF.

Na eleição de outubro de 2006, Helenildo foi reeleito deputado federal por Alagoas na legenda do PSDB. Contudo, morreu antes de tomar posse do novo mandato em Brasília no dia 18 de dezembro de 2006.

Seu falecimento, contudo, não evitou que em agosto de 2007 o MPF/AL ingressasse na Justiça Federal com uma Ação Civil Pública contra Helenildo e seu espólio por improbidade administrativa, requerendo o ressarcimento aos cofres públicos dos recursos. 

Em 2009, em sua homenagem, foi inaugurada em Alagoas a adutora Helenildo Ribeiro.

Foi casado com Jane Sampaio Calado Monteiro. Seu filho, James Ribeiro, foi eleito prefeito de Palmeira dos Índios em 2008.

Alexandra Toste

 

FONTES: TSE (resultados eleições 2006); CÂMARA DOS DEPUTADOS (biografia de Helenildo Ribeiro); tribunadosertao.com.br/notícias; O Jornal – AL (06/10/2002); Isto é (09/08/2006); Estadão.com.br (23/08/2006 e 25/08/2006); G1.globo.com (24/08/2006, 25/08/2006 e 21/12/2006); Folha de S. Paulo (24/08/2006); Folha online (29/08/2006, 21/12/2006 e 07/08/2007); Alagoas 24 horas (21/12/2006)

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados