SPERAFICO, DILSO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: SPERAFICO, Dilso
Nome Completo: SPERAFICO, DILSO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
SPERAFICO, DILSO

SPERAFICO, Dilso

*dep. fed. MS 1995-1999.

 

            Dilso Sperafico nasceu em Santa Rosa (RS), no dia 9 de agosto de 1953, filho de Ismael Vicente Sperafico e de Olinda Joanina Rizzi Sperafico. O irmão Dilceu Sperafico encontra-se em seu quarto mandato consecutivo como deputado federal pelo Paraná (1995-).

            Engenheiro agrônomo formado pela Faculdade de Agronomia de Bandeirantes (PR), radicou-se no sul de Mato Grosso em 1977, logo após ter sido sancionada a lei que dividiu em dois o estado, antes portanto da constituição do Mato Grosso do Sul, com capital em Campo Grande e um governador nomeado.

            Comerciante e industrial no setor de alimentos, Sperafico filiou-se em 1985 ao Partido da Frente Liberal (PFL). Em 1993, porém, ingressou no Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), legenda pela qual elegeu-se deputado federal em outubro de 1994.

            Titular das comissões de Economia, Indústria e Comércio, e de Seguridade Social e Família, em 1995 votou a favor da mudança no conceito de empresa nacional e pela extinção do monopólio estatal nos setores de telecomunicações, exploração do petróleo e navegação de cabotagem, apoiando a sua continuidade na distribuição do gás canalizado. Também apoiou a prorrogação por 18 meses do Fundo Social de Emergência (FSE), rebatizado de Fundo de Estabilização Fiscal (FEF), que permitia ao governo gastar até 20% da arrecadação vinculada às áreas de saúde e de educação.

            Em 1996 votou contra a criação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), que substituiu o Imposto Provisório sobre Movimentação Financeira (IPMF), fonte suplementar de recursos destinados à saúde.

            Em janeiro/fevereiro de 1997 votou a favor da emenda constitucional que previa a reeleição de presidente da República, governadores e prefeitos, e em novembro pela quebra da estabilidade do servidor público, item da reforma administrativa que permite a demissão de servidores públicos por mau desempenho e/ou excesso de gastos com a folha de pagamento. Integrou a Comissão de Seguridade Social e Família de 1995 a 1998.

             

            No pleito de outubro de 1998 não disputou a reeleição. Em novembro votou a favor do teto de 1.200 reais para aposentadorias no setor público e pelos critérios de idade mínima e tempo de contribuição para os trabalhadores do setor privado, itens fundamentais da reforma da Previdência. Deixou a Câmara dos Deputados ao término da legislatura, em janeiro de 1999.

                Deixou a vida pública para dedicar-se à diretoria da Sperafico Agroindustrial, uma empresa estritamente familiar com sede na cidade paranaense de Toledo.

                No final de setembro de 2007 deixou o PMDB e filiou-se ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB).

                Em 2008, vendeu parte das ações da sua empresa para o grupo suíço Glencore International AG., empresa com filiais em Mato Grosso do Sul e Mato Grosso e que atua na fabricação de sabão em barra, gordura vegetal hidrogenada, óleo de soja, farinha de trigo, ração etc.

                Casou-se com Sônia Maria Boldrini Sperafico, com quem teve três filhos.

FONTES: CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1995-1999); Folha de S. Paulo (6/11/98); Olho no Congresso/Folha de S. Paulo (31/1/95, 14/1/96, 30/1/97 e 5/2/98); Olho no voto/Folha de S. Paulo (29/9/98); www.biodieselbr.com (Reportagem de 17/7/08. Acesso em 5/11/09); www.cade.gov.br (Acesso em 5/11/09); www.fazenda.gov.br (Reportagem de 2/10/06. Acesso em 4/11/09); www.terra.com.br (Reportagem de 1/10/07. Acesso em 4/11/09).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados