VIANA, Tião

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: VIANA, Tião
Nome Completo: VIANA, Tião

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
VIANNA, Tião

VIANA, Tião

* sen. AC 1999-2010; gov. Acre 2011-

 

Sebastião Afonso Viana Macedo Neves nasceu em 9 de fevereiro de 1961 em Rio Branco (AC), filho de Wildy Vianna das Neves e de Silvia Macedo das Neves. Seu irmão, Jorge Viana, foi eleito governador do Acre (1999-2007) e senador, com mandato para a legislatura 2011-2019.

Concluiu o curso ginasial em Rio Branco, em 1976. Mudou-se em 1977 para a cidade do Rio de Janeiro, onde cursou o primeiro ano do curso científico, e em 1978 mudou-se para Brasília. Concluiu o curso científico, atual ensino médio, em São Paulo, em 1979. Formou-se em medicina na Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Pará (UFPA) em 1986. Nos anos seguintes especializou-se em Medicina Tropical e fez residência em Doenças Infecciosas e Parasitárias em Brasília, voltando a Rio Branco no segundo semestre de 1987. Clinicou nesta cidade, tendo sido médico voluntário no 4º Batalhão Especial de Fronteiras do Estado do Acre de 1993 a 1994. Foi representante regional do Estado do Acre da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical entre os anos de 1993 e 1997.

Durante o período em que praticou medicina na cidade de Rio Branco se envolveu com algumas atividades públicas, a maior parte delas relativas à criação de associações de auxílio de saúde, em especial no caso de portadores do vírus do HIV, de hepatite B e da doença de Jorge Lobo.  Conquistou seu primeiro cargo eletivo em 1998, quando elegeu-se senador pelo Acre na legenda do Partido dos Trabalhadores (PT). Iniciou seu mandato em fevereiro de 1999.

Em 2001, após o escândalo da violação dos votos secretos durante o mandato de Antônio Carlos Magalhães (PFL) como presidente do senado, decorrido no ano anterior, Tião Viana propôs o fim do voto secreto na casa.  Ainda em 2001 foi titular da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigou as atividades de Organizações Não-Governamentais (ONGs), em especial aquelas acusadas de atenderem interesses contrários à soberania nacional.

 Em 2003 concluiu seu doutorado em Medicina Tropical, pela Universidade de Brasília (UnB). No decorrer do ano seguinte, foi titular da CPI dos Bingos, que investigou possíveis associações entre lavagem de dinheiro, fruto de tráfico de drogas e de armas, com as atividades de entretenimento eletrônico, após a divulgação de denúncias envolvendo o assessor do então ministro da Casa Civil, José Dirceu, Waldomiro Diniz, acusado de envolvimento em extorsão de empresas do ramo de jogos. Entre 2005 e 2006 assumiu a vice-presidência do Senado Federal.

Reelegeu-se senador nas eleições de 2006, sendo reconduzido à vice-presidência da Casa na nova legislatura, de 2007 a 2009. Assumiu a presidência do senado a partir do licenciamento do senador do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB-AL), Renan Calheiros, ao longo do ano de 2007. Renan foi acusado de receber dinheiro da empreiteira Mendes Júnior, utilizado inclusive para pagamento de pensão oriunda de uma relação extra-conjugal com a jornalista Mônica Veloso. Após meses de intenso debate no Senado, envolvendo grande repercussão na mídia e na opinião pública nacionais, Renan Calheiros foi obrigado a renunciar à presidência do Senado, mas escapou da cassação de seu mandato.

Enquanto presidiu a Casa Legislativa, Viana marcou sua conduta pela tentativa de moderação dos confrontos travados entre as lideranças da oposição, principalmente do Democratas (DEM), do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) e do Partido Popular Socialista (PPS), que pretendiam condenar Renan, e os aliados mais radicais deste, no PMDB e na base de sustentação do Governo Luís Inácio Lula da Silva (2003-2011), no Senado. Durante 2007, também presidiu a CPI do Apagão Aéreo, que investigou a crise de operação da aviação civil brasileira. Após completar o período regulamentar do mandato assumido como presidente do senado, foi sucedido por Garilbaldi Alves Filho (PMDB-RN).

Candidatou-se à presidência do Senado em 2008 em eleição acirrada que culminou na vitória de José Sarney (PMDB-AM). Durante seu mandato como senador, Viana também atuou membro como titular do Conselho da Ordem do Congresso Nacional e das seguintes comissões: Assuntos Sociais; Constituição, Justiça e Cidadania;  Relações Exteriores e Defesa Nacional; Comissão Especial de Segurança Pública; Comissão Mistas de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização; e Comissão Especial do Ato Conjunto quanto ao rito das medidas provisórias que, uma vez editadas, pautavam o ritmo e a ordem das atividades parlamentares.

Em 2010, concorreu ao governo do Acre. O aumento de policiamento em Rio Branco e a valorização dos servidores públicos estaduais foram duas de suas promessas de campanha. No primeiro turno das eleições de outubro recebeu 170. 202 votos (50, 51% da votação), e conquistou  a vitória com pequena margem de vantagem sobre o tucano Tião Bocalom, seu principal adversário no pleito, votado por 165. 705 eleitores (49, 18% da votação).

Tomou posse do cargo em 2011. Em meados de 2013, com o apoio do governo Federal, do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES)  o governador lançou o programa “Ramais do Povo”,  um dos símbolos de sua gestão no governo acreano, destinado à  pavimentação, construção de pontes e bueiros e conservação de estradas rurais, com vistas ao escoamento de produtos agrícolas obtidos no interior do estado.

Nas eleições de 2014, concorreu à reeleição e no primeiro turno obteve 49, 73% dos votos, que lhe garantiram uma vaga no segundo turno contra Bittar, do PSDB, votado por 30, 10% dos eleitores. Durante campanha realizada pelos municípios do Acre, Tião Viana defendeu o ensino integral e a criação do sistema bilingue nas escolas públicas, além de políticas para  desenvolvimento urbano e infra-estrutura, criação de empregos, construção de casas populares e a ampliação do programa “Ramais do Povo”. Numa disputa acirrada, o petista venceu o segundo turno com 196. 509 votos (51, 29% da votação), contra os 186. 658 votos (48, 71% da votação) obtidos por Marcio Bittar.

Tomou posse em janeiro de 2015, apontando que um de seus desafios da gestao que se iniciava era combater o analfabetismo em maiores de 15 anos de idade. Em março de 2016 passou a ser investigado na Operação Lava Jato, que averiguou suposto envolvimento de parlamentares em um esquema de desvio de dinheiro da Petrobrás. Na ocasião, suspeitava-se que Viana teria recebido R$ 300 mil em sua campanha ao Senado, em 2010, por meio de uma das empresas fornecedoras da Petrobrás. Em outubro de 2016, por unanimidade, os ministros da corte do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) decidiram acatar a recomendação da Procuradoria Geral da República (PGR) pelo arquivamento das investigações contra o governador. De acordo com o portal G 1, na solicitação da  PGR, a então vice-procuradora-geral da República, Ela Wiecko, reconhecia a ligação entre o repasse e o esquema de corrupção na Petrobras, mas não encontrou provas de que Tião Viana soubesse que o dinheiro doado tinha relação com os desvios na Petrobras.    

Além de suas atividades políticas, no decorrer de sua trajetória profissional Tião Viana tornou-se membro da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, da Sociedade Brasileira de Clínica Médica, da Academia Acreana de Medicina e do Conselho de Administração da Rede Sarah de Hospitais do Aparelho Locomotor, além de ser integrante da Academia Acreana de Letras.

Casou-se com Marlúcia Cândia de Oliveira Neves, com quem teve três filhos

 

FONTE:  Portal da Folha de São Paulo. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/>. Acesso em 30/01/2017; Portal G1. Disponível em: <http://g1.globo.com/>. Acesso em 30/01/2017; Portal do Governo do estado do Acre. Disponível em: <http://www.ac.gov.br/>. Acesso 30/01/2017; Portal do Jornal do Brasil. Disponível em: <www.jb.com.br>. Acesso em 30/01/2017; Portal do Senado Federal. Disponivel em: <http://www25.senado.leg.br/>. Acesso em 30/01/2017; Portal de Tião Viana. Disponível em : <http://www.tiaoviana.com>. Acesso em 14/09/2009.

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados