Edmundo de Macedo Soares II

Entrevista

Edmundo de Macedo Soares II

Entrevista realizada no contexto da pesquisa "Trajetória e desempenho das elites políticas brasileiras", parte integrante do projeto institucional do Programa de História Oral do CPDOC, em vigência desde sua criação em 1975. A entrevista encontra-se publicada no livro "Um construtor do nosso tempo: depoimento ao CPDOC" / Lucia Hippolito e Ignez Cordeiro de Farias (Orgs.). Rio de Janeiro: Fundação CSN, 1998, que pode ser acessado na Estante virtual: clique aqui Além disso, a entrevista subsidiou a elaboração do livro "CSN um sonho feito de aço e ousadia", de autoria de Regina da Luz Moreira (Rio de Janeiro: Fundação CSN; Fundação Getulio Vargas; Iarte). A escolha do entrevistado se justificou por sua trajetória política.
Forma de Consulta:
Entrevista em texto disponível para download.
Entrevista publicada em livro, disponível para download.
Referência completa: "Um Construtor do nosso tempo: depoimento ao CPDOC" / Lucia Hippolito e Ignez Cordeiro de Farias (Organizadoras). Rio de Janeiro: Fundação CSN, 1998.

Tipo de entrevista: História de vida
Entrevistador(es):
Ignez Cordeiro de Farias
Maria Ana Quaglino
Data: 19/11/1986 a 11/8/1987
Local(ais):
Rio de Janeiro ; RJ ; Brasil
Miguel Pereira ; RJ ; Brasil

Duração: 32h50min

Dados biográficos do(s) entrevistado(s)

Nome completo: Edmundo de Macedo Soares e Silva
Nascimento: 9/6/1901; Rio de Janeiro; RJ; Brasil;

Falecimento: 9/8/1989; Rio de Janeiro; RJ; Brasil;

Formação: Escola Militar do Realengo; Engenharia Metalúrgica no Conservatoire National des Arts et Métiers, em Paris; École Supérieure de Fonderie de Paris.
Atividade: Militar; ministro da Viação (1946); governador RJ (1947-1951); presidente da Companhia Siderúrgica Nacional - CSN (1954-1960); presidente da Confederação Nacioanl da Indústria - CNI (1964-1968); ministro da Indústria e Comércio (1967-1969).

Equipe

Levantamento de dados: Ignez Cordeiro de Farias;Maria Ana Quaglino;
Pesquisa e elaboração do roteiro: Ignez Cordeiro de Farias;Maria Ana Quaglino;

Transcrição: Tania Maria de Souza Oliveira;

Conferência da transcrição: Ignez Cordeiro de Farias;Maria Ana Quaglino;

Técnico Gravação: Clodomir Oliveira Gomes;

Sumário: Ignez Cordeiro de Farias;

Temas

Adolf Hitler;
Ato Institucional, 5 (1968);
Benito Mussolini;
Brasília;
Clube 3 de Outubro (1931-1935);
Coluna Prestes (1925-1927);
Companhia Siderúrgica Nacional;
Crise econômica de 1929;
Edmundo de Macedo Soares e Silva;
Ernesto Geisel;
Escola Militar;
Escola Superior de Guerra;
Exército;
Exílio;
Golbery do Couto e Silva;
Governo Castelo Branco (1964-1967);
Governo Costa e Silva (1967-1969);
Governo Juscelino Kubitschek (1956-1961);
Indústria siderúrgica;
José Carlos de Macedo Soares;
José Eduardo de Macedo Soares;
Ministério da Viação e Obras Públicas;
Nacionalismo;
Oswaldo Aranha;
Parlamentarismo;
Plano de Metas (1956-1960);
Política estadual;
Revolta da Chibata (1910);
Revolução de 1930;
Rio de Janeiro (estado);
Segunda Guerra Mundial (1939-1945);
Tenentismo;

Sumário

1a. Entrevista: Infância; influência do pai em sua formação; família; gripe espanhola no Rio de Janeiro; escolha da carreira; formação escolar; no Colégio Militar do Rio de Janeiro; formação literária; comentários sobre maçonaria, positivismo e Bucha; como agrimensor trabalhando com Eduardo Gomes; vida na Escola Militar e a escolha da arma; comentários sobre a campanha civilista e sobre os primos José Carlos e José Eduardo de Macedo Soares........................ 1 a 40

2a. Entrevista: Formação religiosa; comentários sobre a Revolta da Chibata (1910) e sobre a conspiração dos sargentos (1915); considerações sobre a família; entrada para a Escola Militar e escolha da arma de engenharia; comentários sobre a vida na Escola Militar e sobre a vida social em sua juventude; colegas e contemporâneos da Escola Militar; nacionalismo na Escola Militar........................................ 40 a 75

3a. Entrevista: Escola Militar de Engenharia da Praia Vermelha; escolha da arma; promoções no Exército; campanha para presidência da República (1921) e a Reação Republicana; Cartas Falsas e Clube Militar (1922); conspiração, levante e prisão em 1922; asilo na legação do Peru (1922); exílio em Paris (1925-1929); estudando metalurgia durante o exílio na França; comentários sobre a Europa na década de 1920; retorno ao Brasil, julgamento e volta ao Exército (1930)......... 75 a 114

4a. Entrevista: Prisão em 1922; respondendo processo por crime político; conspirando em 1924; exílio em Paris; considerações sobre os primos Macedo Soares; comentários sobre as consequências da crise econômica de 1929; criação do Instituto Militar de Engenharia, IME; volta do exílio e trabalho na fábrica de alumínio Rochedo (1930); apoio do Exército e de Vargas ao desenvolvimento tecnológico do país; comentários sobre a Revolução de 1930 em São Paulo; transferência de Prestes e de Berger da chefatura de polícia para a Casa de Correção (1936); considerações sobre a Coluna Prestes; escolha de Guilherme Guinle para a presidência da Companhia Siderúrgica Nacional, CSN; doença e morte da primeira esposa (1937)................................ 114 a 146

5a. Entrevista: Comentários sobre a história da siderurgia no Brasil; considerações sobre o almirante A'lvaro Alberto; Exército, siderurgia e indústria de armamento no Brasil; governo dos 40 dias em São Paulo (1930); crise política em São Paulo após a Revolução de 1930; comentários sobre: Clube 3 de Outubro, Clube 24 de Fevereiro e empastelamemto do Diário Carioca; comentários sobre carvão e sub-produtos da siderurgia................................... 146 a 177

6a. Entrevista: Primeiras medidas para a criação da Companhia Siderúrgica Nacional; Comissão Militar de Estudos Metalúrgicos e Comissão Nacional de Siderurgia (1931); ensino de metalurgia no Brasil e criação do IME; considerações sobre os membros da Comissão Nacional de Siderurgia; na Europa participando da Conferência de Desarmamento, Conferência Internacional do Trabalho e fazendo estágio na empresa Breda de Milão (1933-35); na construção da fábrica de projéteis do Andaraí, na Comissão de Estudos para a Indústria Militar Brasileira e na reorganização da Comissão Nacional de Siderurgia (1933); comentários sobre o Círculo de Técnicos Militares; plano Farquhar e contrato da Itabira Iron Ore, Co.; Comissão Revisora do Contrato da Itabira Iron Ore Co. (1931); considerações sobre os generais Newton Cavalcanti e Lott; relatório final sobre a revisão do contrato da Itabira Iron (1933) e a Comissão Silvestre Rocha para nova revisão do mesmo contrato; Comissão Mista de Reforma Econômica Financeira (1935); Conselho Técnico de Economia e Finanças (1938) e apresentação do anteprojeto da usina de Volta Redonda; comentários sobre a decretação do Estado Novo; como sub-chefe do Ministério da Justiça e comentários sobre crises políticas do primeiro governo Vargas; viagem à Europa e aos Estados Unidos para estudos referentes à siderurgia (1939); criação do IME....................... 177 a 231

7a. Entrevista: Na Europa para estudos e compra de equipamentos para a fábrica de projéteis (1933-35); comentários sobre Hitler e Mussolini; considerações sobre o relatório final da Comissão Nacional de Siderurgia (1934); estudos e preparativos para implantação de grandes siderúrgicas no Brasil; Osvaldo Aranha e a implantação da siderurgia no país; no Conselho Técnico de Economia e Finanças (1937) e no Conselho Federal de Comércio Exterior (1938); negociações na Europa e nos Estados Unidos para financiamento à siderurgia no Brasil......... 231 a 267

8a. Entrevista: Considerações sobre o general Denys; segundo casamento (1939); Comissão Preparatória do Plano Siderúrgico (1939); Comissão Mista Brasileiro-Americana para estudos e visita de técnicos americanos ao Brasil (1939); nos Estados Unidos com Guilherme Guinle e Ari Torres negociando o financiamento e consultoria para construção de Volta Redonda (1940); comentários sobre a família, negociações com o Eximbank; comprando material para Volta Redonda e organizando a Comissão Executiva do Plano Siderúrgico Nacional (1940-41); comentários sobre a compra das ações da companhia Siderúrgica Nacional, CSN; considerações sobre a execução do projeto da CSN e sobre promoções do entrevistado.............. 267 a 326

9a. Entrevista: Mobilização de recursos para a construção da CSN e a questão da localização da empresa; criação e início da construção da CSN (1941); suprimento de energia para Volta Redonda; interferência da Segunda Guerra Mundial na construção da CSN; acordos de Washington (1942); abastecimento de matérias primas para a CSN; início do funcionamento da empresa.... 326 a 353


10a. Entrevista: José Carlos e José Eduardo de Macedo Soares na política de São Paulo e do Rio de Janeiro; considerações sobre problemas políticos na década de 1930; considerações sobre a prisão de Prestes e de Berger (1935) e sobre Filinto Muller; candidaturas à presidência da República em 1937; José Carlos de Macedo Soares no Ministério da Justiça tendo o entrevistado como subchefe de seu gabinete; Comissão Executiva do Estado de Guerra (1937); papel das forças armadas no desenvolvimento tecnológico do país.......... 353 a 375

11a. Entrevista: Considerações sobre José Carlos de Macedo Soares e a política do estado do Rio de Janeiro; divergências políticas entre José Carlos de Macedo Soares e Ernâni do Amaral Peixoto; comentários sobre fontes de energia no país; considerações sobre as crises no final do primeiro governo Vargas; eleição para governador do estado do Rio (1947); no governo do estado do Rio (1947-1951); seu secretariado no governo do estado; comentários sobre problemas econômicos; candidaturas à sua sucessão no governo do estado....................................... 376 a 408

12a. Entrevista: Eleição do general Dutra para a presidência e convite ao entrevistado para o Ministério de Viação e Obras Públicas (1945); no Ministério de Viação e Obras Públicas (1946); comentários sobre a questão da industrialização do Brasil; considerações sobre o governo Dutra; candidatura ao governo do estado do Rio de Janeiro (1946); Tratado Interamericano de Assistência Recíproca, TIAR; passagem do governo do estado do Rio para Ernani do Amaral Peixoto e transferência, como instrutor, para a Escola Superior de Guerra, ESG, em 1951......................... 408 a 436

13a. Entrevista: Criação da ESG (1949); no corpo permanente, Seção de Assuntos Nacionais, da ESG (1951); considerações sobre a ESG; apoio e oposição a Vargas no Clube Militar e na ESG; transformações na Acesita (1952-57); comentários sobre Usiminas e Mannesmann; considerações sobre o general Golberi do Couto e Silva e sobre o SNI; promoção a general de divisão e reforma; comentários sobre o discurso do general Mamede no enterro do general Canrobert (1955).......... 436 a 468


14a. Entrevista: Criação da Cosipa; ampliação da CSN; comentários sobre Juscelino Kubitschek; Assessoria Econômica do segundo governo Vargas; crise política de 1954; viagens à Venezuela, à Argentina e Filipinas dando assessoria na construção de siderúrgicas (anos 50); siderurgia e Plano de Metas do governo Kubitschek; implantação da indústria automobilística no Brasil; apoio do governo e das forças armadas aos técnicos militares; candidato ao governo do estado do Rio em 1962; criação e venda da Fábrica Nacional de Motores, FNM.......................................... 468 a 504



15a. Entrevista: Construção de Brasília; como ministro do governo Costa e Silva (1967-69); considerações sobre Brasília; Plano de Metas do governo J.K.; implantação da indústria automobilística e desenvolvimento do setor de energia; comentários sobre a eleição presidencial de 1960; governo e renúncia de Jânio Quadros; parlamentarismo e conspiração contra João Goulart...................................... 504 a 536

16a. Entrevista: IPES e conspiração contra João Goulart; compra da empresa Hanna e comentários sobre Azevedo Antunes; Plano de Ação Econômica do Governo, PAEG, no governo Castelo Branco e comentários sobre Roberto Campos; ministério Castelo Branco; escolha de Costa e Silva para a presidência da República; Ministério Costa e Silva; no Ministério da Indústria e Comércio (1967-69); decretação do AI5....................... 537 a 569

17a. Entrevista: Criação e atuação do Conselho Consultivo da Indústria Siderúrgica, Consider; venda da Fábrica Nacional de Motores, FNM, à Fiat; atuação no ministério da Indústria e Comércio; considerações sobre o Instituto Brasileiro de Siderurgia; eleição de Costa e Silva; comentários sobre a Sunamam........... 569 a 597

18a. Entrevista: Reforma administrativa no governo Costa e Silva; comentários sobre o general Ernesto Geisel; Consider; no Ministério da Indústria e Comércio; Conselho Nacional da Borracha; pólos petroquímicos de São João Paulo e Bahia; Comissão Executiva do Sal; Departamento Nacional de Produção Mineral e Companhia de Recursos Minerais............................ 597 a 627

19a. Entrevista: Governo Costa e Silva; criação da Embraer e o Ministério das Telecomunicações; no Ministério da Indústria e Comércio; considerações sobre os governos Castelo Branco e Costa e Silva; crises no governo Costa e Silva........................ 627 a 658


20a. Entrevista: Sequestro do embaixador americano durante o governo Costa e Silva; considerações sobre política no Brasil; doença do presidente Costa e Silva; a questão da produção e exportação de aço e alumínio; comentários sobre sua vida profissional...... 658 a 678

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados