Gustavo Moraes Rego Reis

Entrevista

Gustavo Moraes Rego Reis

Entrevista realizada no contexto do projeto "1964 e o regime militar", desenvolvido pelo CPDOC com apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), no período de 1992 a 1995. Esta pesquisa contou com a participação de Gláucio Ary Dillon Soares. Numa segunda fase, de 1997 a 2001, passou a integrar o projeto "Brasil em transição: um balanço do final do século XX", apoiado pelo Programa de Apoio a Núcleos de Excelência (Pronex) do Ministério da Ciência e Tecnologia. O projeto resultou na publicação da trilogia VISÕES do golpe: a memória militar sobre 1964; OS ANOS de chumbo: a memória militar sobre a repressão(clique aqui) e A VOLTA aos quartéis: a memória militar sobre a abertura(clique aqui). Além da trilogia, o projeto teve como resultado, ainda, o livro de depoimentos ERNESTO Geisel. A escolha do entrevistado se justificou pelos cargos exercidos durante o regime militar.
Forma de Consulta:
Entrevista em texto disponível para download.
Entrevista publicada em livro, disponível para download.
Entrevista publicada em livro.
Referência completa: OS ANOS de chumbo : a memória militar sobre a repressão / Introdução e organização [de] Maria Celina DAraujo, Gláucio Ary Dillon Soares, Celso Castro. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994. 326p. A VOLTA dos quartéis: a memória militar sobre a abertura / Introdução e organização [de] Gláucio Ary Dillon Soares, Maria Celina DAraujo, Celso Castro. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1995. 328p. VISÕES do golpe: a memória militar sobre 1964 / Introdução e Organização [de] Maria Celina DAraujo, Gláucio Ary Dillon Soares, Celso Castro. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994. 256p.

Tipo de entrevista: Temática
Entrevistador(es):
Maria Celina D`Araujo
Gláucio Ary Dillon Soares
Data: 16/7/1992 a 22/7/1992
Local(ais):
Rio de Janeiro ; RJ ; Brasil

Duração: 7h20min

Dados biográficos do(s) entrevistado(s)

Nome completo: Gustavo Moraes Rego Reis
Nascimento: 1/1/1920; Rio de Janeiro; RJ; Brasil;

Formação: Formado pela Escola Militar do Realengo (1944).
Atividade: Assistente de Ernesto Geiselna; chefia do Gabinete Militar da Presidência da República (1964-67); chefe da Assessoria Especial da Presidência da República(1974-75); chefe do Gabinete Militar da Presidência (1978-79).

Equipe


Conferência da transcrição: Ignez Cordeiro de Farias;

Copidesque: Leda Maria Marques Soares;

Técnico Gravação: Clodomir Oliveira Gomes;

Sumário: Priscila Erminia Riscado;

Temas

Ato Institucional, 1 (1964);
Ato Institucional, 5 (1968);
Carlos Lamarca;
Costa e Silva;
Destacamentos militares;
Emílio Garrastazu Médici;
Ernesto Geisel;
Espionagem;
Estado Maior do Exército;
Exército;
Golbery do Couto e Silva;
Golpe de 1964;
Guerrilha rural;
Guerrilha urbana;
Gustavo Morais Rego;
Humberto de Alencar Castelo Branco;
Juarez Távora;
Operação Bandeirantes (1968-1970);
Orlando Geisel;
Petrobras;
Repressão política;
Serviço Nacional de Informações;
Sistema Nacional de Informações (SISNI);
Tortura;

Sumário

Entrevista: 16.07.1992

A Segunda Guerra Mundial e seu impacto sobre o entrevistado; a experiência dos militares brasileiros no exterior e sua possível influência na criação da Escola Superior de Guerra (ESG); relato sobre a ESG e as principais idéias que existiam no início de sua formação; contato com Golbery e Rodrigo Otávio; relato sobre o os militares que compunham o "grupo da Sorbonne"; contato com o general Castelo Branco; participação do entrevistado na fase conspiratória do golpe de 1964 e função que ocupava na época; relacionamento entre Castelo Branco e Costa e Silva; relação do entrevistado com Ernesto Geisel e deste com o então presidente Castelo Branco; o grupo da "linha-dura" na ditadura militar; projetos políticos dos grupos militares envolvidos na conspiração para o golpe militar de 1964; diferenças entre o "grupo dos 7" e o "grupo dos 11", formado por militares do Exército; relato sobre a possibilidade de um desfecho diferente para o golpe de 1964; comentários sobre os militares que faziam parte do "grupo dos 7" e do "grupo dos 11"; a violência no governo Castelo Branco; a posição dos militares da "linha dura" e de Costa e Silva; observações sobre os movimentos separatistas no Brasil; o Conselho de Segurança Nacional; a criação do Serviço Nacional de Informações e seu papel durante a ditadura militar; quebra da hierarquia entre os militares durante a ditadura militar, o funcionamento e as ligações existentes entre os órgãos de informações; relação entre Castelo Branco e Cordeiro Farias; a prisão de parentes de oficiais durante a ditadura militar e a atuação dos órgãos de informações; funcionamento dos Destacamentos de Operações de Informações (DOI) e dos Centros de Operações de Defesa Interna (CODI); relações entre Forças Armadas e civis durante a ditadura; principais razões que levaram ao golpe militar em 1964; o Conselho de Segurança Nacional e as cassações no governo Castelo Branco; a escolha de Figueiredo para a sucessão de Geisel na presidência da República; comentários sobre os grupos radicais existentes no Exército; a escolha de Médici para a presidência; participação do entrevistado na sucessão de Ernesto Geisel; a origem do Destacamento de Operações de Informações (DOI); as funções atuais do Centro de Informações do Exército (CIE) e da 2ª Seção; o tratamento dado pela imprensa aos militares com o fim da ditadura; opinião dos militares sobre as escolhas dos presidentes durante a ditadura; análise da posição radical de oposição do general Frota até sua saída do Exército; o governo Geisel e a "diluição" dos grupos de linha dura e a participação destes e dos órgãos de informação no governo Figueiredo; as medidas contra o abuso da tortura no governo Geisel; o Ministério do governo Geisel e seu papel na política de abertura; os casos de tortura ocorridos nas dependências dos Destacamentos de Operações de Informação (DOI), como eles chegavam ao conhecimento dos oficiais; a competição existente entre os órgãos de informações; explicação sobre a longa duração do regime militar; a influência do comunismo no Exército; observações sobre a pena de morte no Brasil durante a ditadura militar; relato sobre o "grupo dos 11" e o "grupo dos 7" generais; Costa e Silva e seu papel na ditadura militar; reação da linha dura, dos grupos militares de direita durante os governos Geisel e Médici; negociação em torno das candidaturas de Geisel e Figueiredo a presidência da República; Golbery e o "Caso Riocentro"; a ação e o funcionamento da Justiça Militar durante a ditadura; conversa sobre personagens civis e militares que tiveram importante papel durante a ditadura e a possibilidade de que estes concedessem entrevistas.
Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados