José Luiz Coelho Netto

Entrevista

José Luiz Coelho Netto

Entrevista realizada no contexto do projeto "1964 e o regime militar", desenvolvido pelo CPDOC com apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), no período de 1992 a 1995. Esta pesquisa contou com a participação de Gláucio Ary Dillon Soares. Numa segunda fase, de 1997 a 2001, passou a integrar o projeto "Brasil em transição: um balanço do final do século XX", apoiado pelo Programa de Apoio a Núcleos de Excelência (Pronex) do Ministério da Ciência e Tecnologia. O projeto resultou na publicação da trilogia VISÕES do golpe: a memória militar sobre 1964; OS ANOS de chumbo: a memória militar sobre a repressão(clique aqui) e A VOLTA aos quartéis: a memória militar sobre a abertura(clique aqui). Além da trilogia, o projeto teve como resultado, ainda, o livro de depoimentos ERNESTO Geisel. A escolha do entrevistado se justificou pelos cargos exercidos durante o regime militar.
Forma de Consulta:
Entrevista em texto disponível para download.
Entrevista publicada em livro, disponível para download.
Entrevista publicada em livro.
Referência completa: OS ANOS de chumbo : a memória militar sobre a repressão / Introdução e organização [de] Maria Celina DAraujo, Gláucio Ary Dillon Soares, Celso Castro. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994. 326p. A VOLTA dos quartéis: a memória militar sobre a abertura / Introdução e organização [de] Gláucio Ary Dillon Soares, Maria Celina DAraujo, Celso Castro. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1995. 328p. VISÕES do golpe: a memória militar sobre 1964 / Introdução e Organização [de] Maria Celina DAraujo, Gláucio Ary Dillon Soares, Celso Castro. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994. 256p.

Tipo de entrevista: Temática
Entrevistador(es):
Maria Celina D`Araujo
Celso Castro
Gláucio Ary Dillon Soares
Data: 12/1/1993
Local(ais):
Rio de Janeiro ; RJ ; Brasil

Duração: 1h40min

Dados biográficos do(s) entrevistado(s)

Nome completo: José Luiz Coelho Netto
Formação: Nasceu em 1921.
Atividade: Serviu na FEB como tenente. Foi instrutor em diversas escolas do exército. Foi subcomandante do Centro de Informações do Exército (CIE) durante o governo Médici e serviu na Agência Central do Serviço Nacional de Informação (SNI) no governo Geisel. Comandou a 4ª Divisão do exército, sediada em Belo Horizonte, sendo designado a seguir para o gabinete do Ministro do Exército.

Equipe


Conferência da transcrição: Ignez Cordeiro de Farias;

Copidesque: Leda Maria Marques Soares;

Técnico Gravação: Clodomir Oliveira Gomes;

Sumário: Priscila Erminia Riscado;

Temas

Alfredo Stroessner;
Anistia Internacional;
Coelho Neto;
Comunismo;
Exército;
Guerrilha rural;
Milton Tavares de Sousa;
Partido Comunista do Brasil - PCdoB;
Serviço Nacional de Informações;
Sistema Nacional de Informações (SISNI);
Tortura;
Wladimir Herzog;

Sumário

Entrevista: 12.01.1993

Fita 1-A: Relato sobre a experiência na Força Expedicionária Brasileira (FEB); alguns dados sobre a trajetória pessoal e profissional do entrevistado; as principais razões que levaram ao golpe militar de 1964 e sua participação no episódio; opinião do entrevistado sobre a duração e o fim do golpe militar; relato sobre o Serviço Nacional de Informação (SNI) e sua atuação à frente deste órgão; relato das investigações do SNI ao "comunismo internacional", que influenciava os movimentos de oposição existentes no Brasil durante a ditadura.
Fita 1-B: Os órgãos de espionagem internacionais e sua atuação junto aos governos militares no Brasil; novas informações sobre o período em que esteve à frente do SNI; comentários sobre os movimentos de esquerda e a guerrilha do Araguaia; relato sobre o Centro de Informações do Exército (CIE) e sua atuação neste órgão durante o governo Geisel; lembranças da atuação da guerrilha do Araguaia.
Fita 2-A: O significado do termo "linha dura", suas principais características e seus maiores expoentes; os excessos cometidos por alguns militares, o respeito aos direitos humanos e a tortura durante a ditadura; a abertura durante o governo Geisel; informações sobre a tortura durante a ditadura; o general Figueiredo, seu governo e o papel desempenhado por este na abertura política no Brasil; opinião dos militares sobre o projeto de abertura política.
Fita 2-B: Considerações sobre a religião católica e alguns personagens da Igreja considerados "subversivos" pelos militares; análise do entrevistado sobre os governos militares durante a ditadura; os militares e a sucessão de Figueiredo.
Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados