Luis Vianna Filho

Entrevista

Luis Vianna Filho

Entrevista realizada no contexto da pesquisa "Trajetória e Desempenho das Elites Políticas Brasileiras", parte integrante do projeto institucional do Programa de História Oral do CPDOC, em vigência desde sua criação, em 1975. Ela se insere num conjunto de depoimentos sobre a vida de Clemente Mariani e as elites da Bahia. A escolha do entrevistado deveu-se a sua atuação política na Bahia durante o período estudado. Um dos objetivos da pesquisa era a publicação da entrevista de Clemente Mariani o que, por decisão da família, não se concretizou. No entanto, as entrevistas integraram a dissertação de mestrado de Daniela Moreau, "Clemente Mariani: político e empresário" (São Paulo, Unicamp, 1992).
Forma de Consulta:
Entrevista em áudio disponível na Sala de Consulta do CPDOC.

Tipo de entrevista: Temática
Entrevistador(es):
Dulce Chaves Pandolfi
Daniela Maria Moreaux
Data: 18/7/1984
Local(ais):
Rio de Janeiro ; RJ ; Brasil

Duração: 2h0min

Dados biográficos do(s) entrevistado(s)

Nome completo: Luis Vianna Filho
Nascimento: 28/3/1908; Paris; --; França;

Falecimento: 5/6/1990; São Paulo; SP; Brasil;

Formação: Faculdade de Direito da Bahia.
Atividade: Deputado federal pelo Partido Libertador da Bahia (1934-1937, 1950-1966); ministro para Assuntos da Casa Civil no governo Castelo Branco; governador da Bahia (1967); senador pela Bahia.

Equipe

Levantamento de dados: Dulce Chaves Pandolfi;Daniela Maria Moreaux;
Pesquisa e elaboração do roteiro: Dulce Chaves Pandolfi;Daniela Maria Moreaux;

Técnico Gravação: Clodomir Oliveira Gomes;

Sumário: Cristiano Santiago de Sousa;

Temas

Carlos Lacerda;
Clemente Mariani;
Estado Novo (1937-1945);
Governo Getúlio Vargas (1951-1954);
Juracy Magalhães;
Luís Viana Filho;
Revolução Constitucionalista (1932);
Revolução de 1930;
Rui Barbosa;

Sumário

Fita 1-A: Origens familiares; formação escolar; a importância da Faculdade de Direito da Bahia, onde ingressou em 1925; a atuação no movimento estudantil; a admiração por Rui Barbosa no meio acadêmico; os primeiros contatos com Clemente Mariani a partir de 1922; a vida social na cidade de Salvador no início dos anos 20; o convívio entre os estudantes em Salvador e seu pretígio social; breve comentário sobre Marques dos Reis, professor do entrevistado; o exercício da advocacia, a partir de 1929, como colega de escritório de Aliomar Baleeiro; o impacto da Revolução de 1930 na Bahia; atuação como jornalista a partir de 1925; comentários sobre o desempenho e a habilidade política de Juraci Magalhães; a Revolução Constitucionalista: a prisão do entrevistado, a repercussão, a convocação da Assembléia Nacional Constituinte como consequência; a experiência como deputado federal (1935-1937).

Fita 1-B: A repercussão do discurso de estréia na Câmara Federal; opiniões sobre as constituições de 1934 e 1946; o estilo de oposição do entrevistado ao governo Juraci Magalhães; comentários sobre Clemente Mariani enquanto homem público; a atuação da bancada baiana na legislatura de 1935 a 1937 e comentários sobre alguns parlamentares; a trajetória como deputado federal na oposição ao governo Vargas; as reações do Congresso e da sociedade ao Golpe de 1937; o retorno à Bahia após a constituição do Estado Novo; a participação do entrevistado nas articulações pela candidatura de Eduardo Gomes à presidência; a deposição de Vargas (1945); a ligação do entrevistado com Otávio e João Mangabeira; menção à repercussão do primeiro Congresso Brasileiro de Escritores (1945).

Fita 2-A: Avaliação do Estado Novo e a legislação trabalhista implantada; a correspondência do entrevistado com Otávio Mangabeira no exílio (1938-1945); as articulações para a formação da UDN; o quadro político-partidário baiano após o fim do Estado Novo; a candidatura de Otávio Mangabeira ao governo da Bahia (1947); o combate de Carlos Lacerda a Clemente Mariani; o desempenho do entrevistado como deputado constituinte (1946) e deputado federal (1946-1951): a votação da cassação do registro do PCB (1948) e opiniões sobre a emenda de aproveitamento do vale do São Francisco; novas considerações sobre a polêmica entre Carlos Lacerda e Clemente Mariani.

Fita 2-B: As eleições de 1950 na Bahia; opiniões sobre o segundo governo de Getúlio Vargas (1951-1954): a conjuntura que propiciou sua eleição, seu desempenho político e administrativo, a questão do petróleo; atuação do entrevistado na fundação da seção baiana do Partido Libertador; o suicídio de Vargas (1954): a repercussão e as consequências para a UDN baiana; a tese da maioria absoluta contra a posse de Juscelino Kubitschek (1955-1956).
Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados