Maria da Glória Lisboa Ferreira

Entrevista

Maria da Glória Lisboa Ferreira

Entrevista realizada no contexto do projeto "Memória da assistência social no Brasil: constituição de banco de entrevistas", desenvolvido em convênio com o Ministério da Previdência e Assistência Social através de sua Secretaria de Estado de Assistência Social, entre 2001 e 2002, com o objetivo de constituir um acervo de depoimentos sobre o tema a ser disponibilizado no CPDOC e no Centro de Referência e Estudos da Assistência Social. A escolha da entrevistada justificou-se por ter sido da segunda turma do Instituto de Educação Familiar e Serviço Social do RJ, tendo trabalhado, por 8 anos, como assistente social na Alemanha do pós-segunda guerra.
Forma de Consulta:
Entrevista em texto disponível para download.

Tipo de entrevista: Temática
Entrevistador(es):
Angela Maria de Castro Gomes
Dulce Chaves Pandolfi
Data: 13/5/2002
Local(ais):
Rio de Janeiro ; RJ ; Brasil

Duração: 2h45min

Dados biográficos do(s) entrevistado(s)

Nome completo: Maria da Glória Lisboa de Nin Ferreira
Nascimento: 8/5/1916; Petrópolis; RJ; Brasil;

Formação: Assistente Social e Socióloga.
Atividade: Aposentada. Trabalhou por 8 Anos, como Assistente Social na Alemanha do pós-Segunda Guerra.

Equipe

Levantamento de dados: Angela Maria de Castro Gomes;
Pesquisa e elaboração do roteiro: Angela Maria de Castro Gomes;

Transcrição: Suely Lamarão;

Técnico Gravação: Clodomir Oliveira Gomes;

Temas

Alceu Amoroso Lima;
Assistência à infância;
Assistência social;
Getúlio Vargas;
Hélder Câmara (Dom);
Igreja Católica;
Legião Brasileira de Assistência;
Maria da Gloria Lisboa de Nin Ferreira ;
Pontifícia Universidade Católica;
Serviço social;
Universidade do Brasil;

Sumário

Entrevista: 13.05.2002
Fita 1-A: Data e local de nascimento; nome dos pais; formação escolar em Petrópolis e no Rio de Janeiro; contato com o Instituto de Educação Familiar do Curso de Serviço Social através do meio social em que vivia; revolução feminina: entrada da mulher no mercado de trabalho; profissão do pai: engenheiro de minas; educação familiar esmerada; ingresso na Escola de Serviço Social com incentivo materno; a influência do Serviço Social francês e belga na criação das Escolas de Serviço Social do Rio de Janeiro e de São Paulo, respectivamente; a importância da figura de Alceu Amoroso Lima na criação da Escola de Serviço Social do Rio de Janeiro; o curso de Serviço Social na Escola do Rio de Janeiro na época: o processo de seleção, aulas noturnas, somente alunas jovens e de classe média, a maioria das alunas participavam de movimentos sociais da Igreja Católica, trabalhavam durante o dia, os locais onde a Escola funcionava, os professores do curso, os campos de trabalho das assistentes sociais, o esquema das aulas; a separação entre mulheres e homens; direção francesa na Escola do Rio de Janeiro; influência da Igreja Católica na formação da Escola do Rio de Janeiro; a militância na Ação Católica antes e durante o ingresso na Escola de Serviço Social do Rio de Janeiro.

Fita 1-B: Opiniões sobre Getúlio Vargas; a formatura na Escola de Serviço Social do Rio de Janeiro: participação de ministros de Estado e demais autoridades; prestígio da Escola junto as autoridades do Estado: curso voltado para a valorização do trabalhador; o trabalho na Imprensa Nacional: assistência social aos trabalhadores, criação e organização do refeitório, serviço médico para o atendimento dos trabalhadores e de suas famílias, organização de uma biblioteca para os trabalhadores, criação de sala de estar e cozinha para as mulheres; primeiro trabalho remunerado: remuneração ajudava a família; viagem ao exterior para trabalhar com "deslocados" da Segunda Guerra.

Fita 2-A: Experiência no pós-guerra: viagem à Argélia junto com soldados americanos; estada de uma semana em Paris - apresentação à ONU - e treinamento em Londres: preparo para trabalhar com ex-prisioneiros dos campos de concentração; o treinamento era realizado pelos americanos; trabalho na Alemanha: estava a serviço da United Nations Rehabilitation and Relief Administration (UNRRA); visita a várias cidades; assistência aos displaced persons na cidade de Kassel: trabalho de reabilitação psicológica; remuneração pelo serviço prestado; reestruturação das famílias separadas pela Guerra.

Fita 2-B: Experiência no pós-guerra: o trabalho na UNRRA; a importância do aprendizado na Escola de Serviço Social para o trabalho com os displaced persons; volta para o Brasil: trabalho como professora na Escola de Serviço Social do Rio de Janeiro, lecionando Serviço Social da Família e do Menor; trabalho na United Nations Catholic Organizations: organização dos displaced persons que viviam no Brasil e desejavam ir para os EUA; ida aos EUA e ao Canadá: trabalho com displaced persons; trabalho com dom Hélder Câmara na Comissão Brasileira de Assistência: trabalho com migrantes, principalmente estrangeiros; financiamento do governo federal, do Vaticano e dos EUA para a Comissão Brasileira de Assistência cuidar dos migrantes estrangeiros.

Fita 3-A: Trabalho na Comissão Brasileira de Assistência: nordestinos; transformação da Escola em Faculdade; importância do Serviço Social nas outras ciências; aulas na Escola de Serviço Social da Universidade do Brasil e de Sociologia e Política na PUC; curso de Sociologia e Política na PUC; participação na Cruzada de São Sebastião; influência do Serviço Social norte-americano; trabalho voluntário no CBSS.

Fita 3-B: Opiniões sobre a Legião Brasileira de Assistência (LBA); a organização do CBSS; aposentadoria; o Serviço Social hoje; observações finais.
Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados