Marcio Araújo de Lacerda

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: LACERDA, Marcio
Nome Completo: Marcio Araújo de Lacerda

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:

LACERDA, Márcio

*pref. Belo Horizonte 2009-2013, 2013-2017

 

Marcio Araújo de Lacerda nasceu em Leopoldina (MG) no dia 22 de janeiro de 1946, filho de Reinaldo Ribeiro de Lacerda e de Bernadete Araújo de Lacerda. Seu pai era topógrafo e sua mãe professora. Seu tio-avô Carlos Frederico Werneck de Lacerda foi um jornalista e importante líder da União Democrática Nacional (UDN), que se destacou como adversário político do presidente Getúlio Vargas e foi governador da Guanabara de 1960 a 1965.

Márcio Lacerda mudou-se para Belo Horizonte com 17 anos e ingressou no curso de eletrotécnica no Centro Federal de Educação Tecnológica (Cefet) na capital mineira. Com essa formação inicial, conseguiu o primeiro emprego na Companhia Telefônica de Minas Gerais (CTMG), em 1965. No ano seguinte estudou no Centro Preparatório de Oficiais da Reserva (CPOR). Em 1967, já no regime militar iniciado em 1964, iniciou o curso de Administração de Empresas na Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que foi interrompido em virtude da sua militância política de combate ao regime.

Em 1969, durante o momento mais crítico do governo militar, quando já estava em vigor o Ato Institucional nº 5 (AI-5), instrumento responsável pelo endurecimento do regime e caçada implacável aos seus adversários, Márcio Lacerda foi preso em decorrência da sua militância no Partido Comunista Brasileiro (PCB) e na Ação Libertadora Nacional (ALN) liderada por Carlos Marighela. Nesse período, atendia pelos codinomes de Humberto e Gringo. Entre as poucas informações sobre a natureza das operações de Marcio Lacerda sabe-se que esteve preso no presídio de Linhares, em Juiz de Fora (MG), no mesmo período em que Fernando Pimentel, que seria ministro de estado no primeiro período de governo de Dilma Rousseff (2011-2014) e eleito governador de Minas Gerais nesse último ano, também lá se encontrava, e que a ALN era conhecida pela prática de assaltos para a arrecadação de fundos para o movimento de resistência ao regime militar. Saiu da prisão em 1973, em liberdade condicional, e retomou o curso de Administração na UFMG. Sua prisão de quatro anos também lhe custou o emprego. Concluiu a faculdade em 1977.

Empresário do setor de telecomunicações, em 2002 Lacerda atuou como tesoureiro da campanha presidencial de Ciro Gomes, época em que estreitaram seus laços políticos. Com a vitória de Lula para a Presidência da República, Ciro Gomes assumiu o Ministério da Integração Nacional e Lacerda foi nomeado Secretário Executivo do ministério.

No episódio que ficou conhecido pela alcunha de mensalão, seu nome apareceu em uma lista de beneficiados por depósitos da empresa SMP&B, de Marcos Valério, operador do esquema. Lacerda então se exonerou do cargo e prestou esclarecimentos em todas as instâncias da Justiça que apuravam o caso. No final, acatando suas alegações de que teria servido apenas de intermediário no contato entre o tesoureiro do PT, Delúbio Soares, e o operador do esquema, Marcos Valério, o Ministério Público desistiu de oferecer denúncia contra Márcio Lacerda. Ficou demonstrado que o dinheiro fora destinado à agência New Trade, pelos serviços prestados no segundo turno da campanha presidencial de 2002 do Presidente Lula.

Em abril de 2007, Márcio Lacerda foi convidado por Aécio Neves, então governador de Minas Gerais (2003-2010), para comandar a Secretaria de Desenvolvimento Econômico do estado. Na ocasião, ressaltou a importância de incrementar a competitividade das empresas do setor privado de Minas Gerais.

Nesse mesmo ano, Lacerda foi eleito presidente do Conselho de Administração da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) e também para o conselho do Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais (INDI) e para o Conselho Estadual de Geologia e Mineração (CEGEM). Foi também vice-presidente do Conselho de Administração do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) e membro atuante do Conselho Deliberativo de Desenvolvimento Metropolitano e do Conselho de Administração da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (CODEMIG).

 

Prefeitura de Belo Horizonte

 

A candidatura de Marcio Lacerda à Prefeitura de Belo Horizonte começou a ser articulada ainda em 2007 pelo governador Aécio Neves. O primeiro passo foi sugerir sua filiação ao Partido Socialista Brasileiro (PSB), considerada uma legenda mais neutra, que, na visão do então governador, poderia se aliar tanto ao Partido dos Trabalhadores (PT), quanto ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). Segundo o próprio Lacerda teria declarado em 2008, ele se filiou sem saber a razão do pedido. Aécio planejava, na época, lançar sua candidatura à Presidência da República em 2010, e reunir em torno dela o maior número possível de legendas. Belo Horizonte funcionaria como um “laboratório” para a estratégia do governador mineiro, que comandou as articulações em companhia do então prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel. Assim sendo, Márcio Lacerda deixou a Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais no início de abril de 2008 para concorrer à Prefeitura de Belo Horizonte com apoio de uma inédita e polêmica aliança, denominada “Aliança por BH”, firmada entre o governador Aécio Neves e o então prefeito Fernando Pimentel, que havia indicado o candidato a vice-prefeito, o então deputado estadual Roberto Vieira de Carvalho, presidente do Diretório do PT em BH.

No último debate na TV antes das eleições, Lacerda disse ser muito difícil concluir as obras somente com recursos públicos, sinalizou com a realização de parceria público-privada e prometeu construir dez mil novas moradias para pessoas que viviam em áreas de risco. Outras promessas de campanha que constavam no seu programa de governo eram criar 44 mil vagas para crianças de 0 a 6 anos nas escolas municipais, viabilizar 148 novas conexões viárias para melhorar o trânsito, construir 14,6km de metrô em quatro anos e, a mais polêmica, fazer a transferência do terminal rodoviário para o Bairro Calafate, na região oeste da cidade.

No pleito de 5 de outubro de 2008, Márcio Lacerda foi o mais votado com 549.131 votos (43,59%), qualificando-se para disputar o segundo turno contra Leonardo Quintão, do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), que obteve 519.787 (41,26%) e foi o segundo colocado. Realizado o segundo turno no dia 26 de outubro, Lacerda foi eleito com 767.332 votos, ou 59,12% dos votos válidos, contra 40,88% do seu adversário, que obteve 530.560 votos. Com essa eleição, o PT e o PSB de Belo Horizonte se mantiveram por mais 4 anos na Prefeitura da capital mineira, totalizando 20 anos no poder em 2012.

Assumiu sua cadeira na chefia do Executivo da capital mineira no dia 1º de janeiro de 2009 em substituição a Fernando Pimentel.

Durante este mandato viveu em constantes desentendimentos com o vice-prefeito Roberto Carvalho e era acusado pelo PT de não valorizar as questões sociais. Estas e outras questões provocaram um significativo desgaste na parceria PSB-PT que levou ao rompimento em junho de 2012 e a consequente não confirmação da aliança, que durou 20 anos, para as eleições desse ano. Lacerda não aceitou a coligação proporcional com o PT e, para isso, foi incentivado pelo senador Aécio Neves, pondo fim também à inédita aliança PT-PSDB em Belo Horizonte, vitoriosa no pleito de 2008.

Assim sendo, Lacerda seguiu com sua candidatura apoiada pelo PSDB, o Partido Verde (PV), do candidato a vice-prefeito Délio de Jesus Malheiros, e mais 16 partidos, e o PT lançou Patrus Ananias como seu candidato à Prefeitura da capital mineira apoiado por apenas seis: o Partido Republicano Brasileiro (PRB), Partido Democrático Trabalhista (PDT), Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), Partido Social Democrático (PSD), Partido Comunista do Brasil (PCdoB) e Partido Republicano Trabalhista Brasileiro (PRTB).

Realizado o pleito no dia 7 de outubro, Márcio Lacerda venceu logo no primeiro turno quando obteve 676.215 votos, correspondentes a 52,69% dos votos válidos, contra 523.645 votos (40,80%) de Patrus Ananias.

Assumiu seu novo mandato no dia 1º de janeiro de 2013. Em seu discurso de posse na Câmara Municipal, Lacerda manteve o distanciamento em relação ao governo federal e ao PT, ressaltou o "fruto do aprendizado" que resultou de "frustrações" ao longo de seu primeiro mandato e citou nominalmente apenas o senador Aécio Neves, seu principal fiador político após o distanciamento do partido da presidente Dilma Rousseff.

Durante este segundo mandato, entre obras concluídas, serviços prestados e contas equilibradas, implantou 88 novas unidades municipais de Educação Infantil e, na saúde, reduziu em 74% a fila de espera por cirurgias eletivas.

Permaneceu à frente do Executivo de Belo Horizonte até o dia 1º de janeiro de 2017, quando transferiu o cargo a Alexandre Khalil, do Partido Humanista da Solidariedade (PHS), eleito no segundo turno das eleições de outubro de 2016.

Ao deixar o cargo, declarou-se pré-candidato ao governo de Minas Gerais em 2018.

Casou-se com Regina Lacerda e teve três filhos.

 

Alan Carneiro

 

FONTES: http://www.marciolacerdabh.com.br/biografia.php?chave=7 (Acessado em 27/02/2017);

http://ultimosegundo.ig.com.br/marcio-lacerda/4f873931a07693511100016b.html (Acessado em 27/02/2017);

https://eleicoes.uol.com.br/2008/belo-horizonte/lacerda_eleito.jhtm (Acessado em 27/02/2017); 

http://www.gazetadopovo.com.br/vida-publica/eleicoes/2008/belo-horizonte-tera-2-turno-entre-marcio-lacerda-e-leonardo-quintao-b7m7p5458dmwdjdf4855dd07i (Acessado em 27/02/2017);

http://g1.globo.com/Eleicoes2008/0,,MUL833337-15693,00-MARCIO+LACERDA+E+ELEITO+PREFEITO+DE+BELO+HORIZONTE.html (Acessado em 27/02/2017);

http://g1.globo.com/mg/minas-gerais/apuracao/belo-horizonte.html (Acessado em 27/02/2017);

http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2013-01-01/reeleito-em-bh-marcio-lacerda-exalta-aecio-e-se-distancia-do-pt.html (Acessado em 27/02/2017);

http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2012-10-07/candidato-de-aecio-lacerda-vence-no-primeiro-turno-em-belo-horizonte.html (Acessado em 27/02/2017);

http://hojeemdia.com.br/primeiro-plano/marcio-lacerda-se-lan%C3%A7a-pr%C3%A9-candidato-ao-governo-de-minas-em-2018-1.426353 (Acessado 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados