José Ricardo Garcia Pereira Ramalho

Entrevista

José Ricardo Garcia Pereira Ramalho

Entrevista realizada no contexto do projeto “Memória das Ciências Sociais no Brasil”, desenvolvido com financiamento do Banco Santander, entre janeiro de 2016 e dezembro de 2020, com o objetivo de constituir um acervo audiovisual de entrevistas com cientistas sociais brasileiros e a posterior disponibilização dos depoimentos gravados na internet.Para ter acesso à transcrição e ao vídeo da entrevista clique aqui.
Forma de Consulta:
Entrevista em texto disponível para download.
Entrevista em vídeo disponível na Sala de Consulta do CPDOC e trechos no portal.

Tipo de entrevista: História de vida
Entrevistador(es):
Celso Castro
Data: 28/6/2017
Local(ais):
Rio de Janeiro ; RJ ; Brasil

Duração: 2h2min

Dados biográficos do(s) entrevistado(s)

Nome completo: José Ricardo Garcia Pereira Ramalho
Formação: Graduação em Ciências Sociais pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UFRJ), de 1970-1973; mestrado em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (USP), de 1974-1979; doutorado em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (USP), de 1981-1987; pós-doutorado na Universidade de Londres (UK) (1989-1991), na Universidade de Manchester (UK) (1995-1996), na Fundação Rockefeller (EUA) (2004-2004), na Universidade de São Paulo (USP) (2006-2006) e no Centro de Ciências Sociais - Wissenschaftszentrum Berlin für Sozialforschung (WZB) (Alemanha) (2007-2007).
Atividade: Professor titular do Departamento de Sociologia e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Equipe


Transcrição: Elisa de Magalhães e Guimarães;

Técnico Gravação: Ninna Carneiro;

Temas

Anos 1970;
Atividade acadêmica;
Biblioteconomia;
Brasil;
Carreira acadêmica;
Censura;
Ciência política;
Ciências Sociais;
Classe operária;
Colégio Pedro II;
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior;
Ensino superior;
Estados Unidos da América;
Família;
Favela;
Finanças;
Formação acadêmica;
Formação escolar;
Francisco Weffort;
Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo;
Gilberto Velho;
Goiás;
Golpe de 1964;
História;
Igreja;
Igrejas protestantes;
Inglaterra;
Instituições acadêmicas;
Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (Iuperj);
Magistério;
Manifestações populares;
Metodologia de pesquisa;
Moçambique;
Movimento estudantil;
Museu Nacional;
Obras de referência;
Odontologia;
Partido dos Trabalhadores - PT;
Periódicos;
Pesquisa científica e tecnológica;
Política;
Pós - graduação;
Regime militar;
Religião;
São Paulo;
Segurança pública;
Sindicalismo;
Sistema penal;
Sociologia;
Tomás Balduíno (Dom) ;
Universidade de São Paulo;
Universidade Federal da Paraíba;
Universidade Federal do Rio de Janeiro;
Vladimir Herzog;

Sumário

Entrevista: 28.06.2017

Origens, parte 1: imigração dos avós maternos; convívio com os avós; a economia familiar e as carreiras do pai e do tio; a carreira do pai como dentista; ações de caridade dos pais na igreja protestante; a demissão do pai, por subversão, de uma organização da igreja após o golpe; a troca feita pelo pai da profissão de dentista pelas ciências sociais; o início dos estudos no colégio Pedro II; origens, parte 2: a participação no movimento estudantil; o conflito com a polícia e o ferimento do irmão na Sexta-Feira Sangrenta; o contato com os colegas do pai; trajetória do pai nas ciências sociais e como liderança no mundo protestante; a entrada para o IFCS no início dos anos 1970; a escolha da mãe por se tornar bibliotecária; as vidas profissionais dos irmãos; o início da vida acadêmica: a bolsa para terminar o 2º grau nos EUA; a experiência americana; o retorno ao Brasil no contexto do AI-5 (assinado enquanto estava nos EUA); a escolha pelas ciências sociais; o início da vida acadêmica no IFCS; os professores do IFCS no contexto da censura e vigilância; a criação e direção de um curso de formação de Artigo 99 numa favela do Catumbi; participação de um grupo de leitura de O Capital; as primeiras pesquisas de campo: influências de professores do IFCS; o interesse pelas pesquisas de campo; a pesquisa com Carlos Rodrigues Brandão na Diocese de Goiás; o episódio com Dionísio, um homem cujo nome deu origem ao nome da cidade de Diolândia, em Goiás; o convívio com Dom Tomás Balduíno; a relação com a religião; os cursos durante o mestrado: o fim da graduação em 1973, a decisão de ir para São Paulo; o exame e a matrícula na USP; os cursos com Gilberto Velho, no Museu Nacional, e Luiz Antônio Machado, no IUPERJ, ao longo do ano em que esteve no Rio aguardando a bolsa da FAPESP; a chegada em São Paulo em 1975; o curso com Francisco Weffort sobre Gramsci; os cursos com Ruth Cardoso, Lúcio Kowarik, Alain Touraine; a orientação de Ruth Cardoso; a missa em homenagem a Vladimir Herzog, no dia de sua morte; a pesquisa na Casa de Detenção de São Paulo: o início da pesquisa na Casa de Detenção de São Paulo; as entrevistas com os detentos; as diferentes reações às entrevistas ao longo do tempo; a vigilância dos funcionários; o recorte de pesquisa; o contato com Julita Lemgruber e sua pesquisa sobre mulheres presas; as impressões sobre o trabalho de Dráuzio Varella sobre o Carandiru; impressões sobre o massacre, ocorrido anos depois de sua pesquisa; a publicação da dissertação; a repercussão do trabalho publicado; o trabalho no CEDI e a vida acadêmica: o trabalho como assessor sociológico do Centro Ecumênico de Documentação e Informação; os papéis e os desdobramentos do CEDI; o trabalho de contrainformação no boletim “Aconteceu”, do CEDI; o contato com as questões do operariado no Rio de Janeiro; o trabalho como professor colaborador a partir de 1979 no IFCS; as tensões entre sua vida no CEDI e sua vida na academia; a postura teórica na época, influenciada por Thompson; o Laboratório de Pesquisa Social do IFCS: a escolha por estudar o sindicalismo e o operariado no Rio durante o doutorado na USP; o Laboratório de Pesquisa Social do IFCS e a importância na sua e nas vidas acadêmicas dos alunos; as idas a Moçambique para seleção de alunos; os alunos moçambicanos no IFCS; a criação do Núcleo de Pesquisas Sindicais e do Arquivo de Memória Operária; o mestrado do IFCS e participação política: a criação do mestrado em Ciências Sociais no IFCS; as visitas da CAPES e as mudanças de nome do mestrado; as questões da ciência política no IFCS; a participação, no CEDI, na fundação do PT; os pós-doutorados na Inglaterra: os nascimentos dos filhos; os pós-doutorados na Inglaterra; a coordenação do acordo CAPES-British Council; o ano em Manchester; o trabalho de Huw Beynon; o encontro com Hobsbawn no Instituto Latino-Americano da Universidade de Londres; a ida à casa de E.P. Thompson, já falecido na época; a pesquisa de doutorado: o surgimento do tema da pesquisa de doutorado; os conflitos geracionais na fábrica pesquisada; as configurações dos trabalhadores da fábrica; intenções e percepções à época da pesquisa; a pesquisa com a fábrica fechada; a ligação das Ciências Sociais com a História; SBS, CAPES e Anpocs: o trabalho com Sérgio Adorno na SBS e na CAPES; o trabalho pelo crescimento da pós-graduação em Ciências Sociais e Sociologia no Brasil; a importância da participação de professores na CAPES; o trabalho na Anpocs; diferenças entre SBS e Anpocs; o cargo de presidente da Anpocs; características da Anpocs; pesquisas e projetos atuais: o trabalho como editor da revista Estudos do Trabalho; as pesquisas atuais; projetos desenvolvidos atualmente; parcerias com professores da USP, da UFMA e da UFPB; o trabalho na formação de pesquisadores; a importância dos programas de intercâmbio da CAPES; um livro fundamental em sua formação.
Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados