ADOLFO DE OLIVEIRA FRANCO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: FRANCO, Adolfo (1)
Nome Completo: ADOLFO DE OLIVEIRA FRANCO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
FRANCO, ADOLFO (1)

FRANCO, Adolfo

*gov. PR 1955-1956; sen. PR 1963-1971.

 

Adolfo de Oliveira Franco nasceu em Ponta Grossa (PR) no dia 12 de novembro de 1915, filho de João Oliveira Franco, advogado, e de Hilda Faro de Oliveira Franco. Seu irmão Manuel de Oliveira Franco Sobrinho foi deputado federal pelo Paraná em 1955, de 1956 a 1963 e em 1966.

Cursou o primário no grupo escolar anexo à Escola Normal de Curitiba e o secundário no Instituto Santa Maria e no Ginásio Paranaense, concluindo-o em 1930. Em 1935 bacharelou-se em ciências jurídicas e sociais pela Faculdade de Direito da Universidade do Rio de Janeiro.

Iniciou sua carreira em 1938 como consultor jurídico e procurador-geral da Caixa Econômica Federal do Paraná, funções que exerceria durante 30 anos. Presidente do conselho regional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) por três períodos consecutivos, paralelamente foi diretor-presidente do Banco Comercial do Paraná. Renunciou a essas funções em agosto de 1954, ao ser convocado pelo presidente João Café Filho — empossado em virtude da morte de Getúlio Vargas — para dirigir a Carteira de Crédito Agrícola e Industrial do Banco do Brasil, onde permaneceu até abril do ano seguinte.

Em maio de 1955 foi eleito governador do Paraná por votação da Assembleia Legislativa do estado em substituição a Bento Munhoz da Rocha, que se afastou para assumir o Ministério da Agricultura. Terminado o mandato em janeiro de 1956, retornou às suas atividades profissionais e empresariais, sendo reconduzido à presidência do Banco Comercial do Paraná. Ainda em 1956, foi designado membro da comissão consultiva bancária da Superintendência da Moeda e do Crédito (Sumoc). Em 1961 foi nomeado membro do conselho de administração do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDE) por indicação do presidente Jânio Quadros e do brigadeiro José Vicente de Faria Lima, presidente do órgão, tendo ocupado o cargo até a renúncia de Jânio, ocorrida em agosto do mesmo ano.

No pleito de outubro de 1962 elegeu-se senador pelo Paraná na legenda da União Democrática Nacional (UDN). Assumindo o mandato em fevereiro do ano seguinte, foi logo em seguida escolhido representante do Senado no Congresso Nacional dos Municípios, realizado em Curitiba, e vice-líder de seu partido, função que exerceu até 1965. Nesse período chegou a ocupar a presidência do diretório regional da UDN. Com a extinção dos partidos políticos pelo Ato Institucional nº 2 (27/10/1965) e a posterior instauração do bipartidarismo, filiou-se à Aliança Renovadora Nacional (Arena). Em agosto de 1967 compareceu à Conferência Internacional do Café, em Londres, e em outubro seguinte participou no Rio de Janeiro na XXII Reunião Anual da Junta de Governadores do Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD), mais conhecido como Banco Mundial, a principal agência financeira da Organização das Nações Unidas (ONU). Membro efetivo das comissões de Finanças e de Indústria e Comércio do Senado, foi ainda suplente das comissões de Economia, do Distrito Federal, de Projeto do Executivo, de Segurança Nacional, de Agricultura, de Ajustes Internacionais, de Legislação sobre Energia Atômica, de Constituição e Justiça, de Relações Exteriores e de Legislação Social, exercendo em 1970 a presidência desta última. Em janeiro de 1971 encerrou seu mandato de senador, retornando a seu estado natal.

A partir dessa data, não mais se candidatou a cargos eletivos, deixando também a militância político-partidária. Com isso, passou a dedicar-se à advocacia, profissão na qual atuou por dez anos, ao fim dos quais se aposentou por motivo de doença. No transcurso de sua vida pública, foi ainda presidente da Associação dos Funcionários da Caixa Econômica do Paraná, membro do Instituto dos Advogados do Paraná, representante do governo do estado na junta administrativa do Instituto Brasileiro do Café, membro do conselho da Fundação de Assistência ao Trabalhador Rural, presidente de Finasa Paraná-Santa Catarina Crédito e Investimento, diretor da Companhia Comercial de Seguros e do Grupo Segurança Comercial.

Faleceu em Curitiba no dia 9 de março de 2008.

Casado com Rosa Macedo de Oliveira Franco, teve cinco filhos. Um deles, Adolfo Franco de Oliveira Júnior, também conhecido como Adolfo Franco, foi deputado federal pelo Paraná de 1979 a 1983.

Escreveu diversos trabalhos técnicos sobre direito e economia, tendo publicado A desapropriação do edifício Azulay (em colaboração, 1952) e Plano de desenvolvimento econômico do estado do Paraná.

 

FONTES: COSTA, M. Cronologia; COUTINHO, A. Brasil; INF. BIOG.; Estado do Paraná (online), 10 mar. 2008. Disponível em: <http://parana-online.com.br>; MOREIRA, J. Dic.; SENADO. Dados; SENADO. Relação; SENADO. Relação dos líderes; Súmulas; Who’s who in Brazil (1972).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados