AGUINALDO CAIADO DE CASTRO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: CASTRO, Caiado de
Nome Completo: AGUINALDO CAIADO DE CASTRO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
CASTRO, CAIADO DE

CASTRO, Caiado de

*militar; rev. 1932; ch. Gab. Mil. Pres. Rep. 1952-1954; sen. DF 1955-1963.

 

Aguinaldo Caiado de Castro nasceu no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, em 2 de outubro de 1899, filho de João Alves de Castro e de Teresina Caiado de Castro.

Cursou o Colégio Diocesano São José, em Uberaba (MG), completando os estudos secundários no Colégio Militar do Rio de Janeiro. Assentou praça em fevereiro de 1917, ingressando em seguida na Escola Militar do Realengo, onde fez os cursos de infantaria e cavalaria em 1919.

Deixou a escola no posto de aspirante em janeiro de 1921 e, no mês seguinte, foi classificado no 1º Regimento de Infantaria, sediado no Rio de Janeiro, unidade em que serviu até março de 1922. Promovido a segundo-tenente em maio de 1921 e a primeiro-tenente em outubro de 1922, durante o ano de 1923 serviu no 4º Batalhão de Caçadores, sediado em São Paulo.

 

Na repressão aos “tenentes”

Entre 1924 e 1927, Caiado de Castro participou do combate aos movimentos tenentistas. Quando eclodiu em São Paulo a revolta de 5 de julho de 1924, foi preso, na capital do estado, pelos rebeldes. Mesmo assim, tentou, através de um golpe de mão, prender o general Isidoro Dias Lopes e o marechal reformado Odílio Bacelar, chefes revolucionários. Traído pelo sargento com quem articulara a tentativa, Caiado de Castro foi mantido preso, após travar luta corporal com o tenente Asdrúbal Gwyer de Azevedo e com o capitão Juarez Távora. Quando recuperou a liberdade, integrou-se à brigada do general Tertuliano de Albuquerque Potiguara, encarregado de atacar as posições rebeldes no bairro da Mooca, na capital paulista.

Diante do avanço dos revolucionários, que chegaram a ocupar a capital por três semanas, Caiado integrou a comitiva de civis e militares que acompanhou o presidente do estado de São Paulo, Carlos de Campos, na retirada para Moji das Cruzes.

Com o fracasso da revolta e a recuperação legalista, os rebeldes abandonaram a cidade de São Paulo e deslocaram-se para o interior. Em abril de 1925, no oeste do Paraná, ocorreu a junção deste grupo com o contingente revolucionário que sublevara unidades militares no Rio Grande do Sul em outubro do ano anterior, constituindo-se a Coluna Prestes. Caiado de Castro participou então da repressão à coluna, integrando, entre junho e novembro de 1925, um dos “batalhões patrióticos” — unidades mistas de militares e voluntários civis organizadas para suprir as deficiências dos contingentes federais na perseguição à coluna.

Em janeiro de 1926, o general Álvaro Mariante foi convocado pelo ministro da Guerra, general Fernando Setembrino de Carvalho, a embarcar rumo à Bahia para assumir o comando geral das tropas encarregadas do combate à Coluna Prestes, que já atingira aquele estado. A partir de março, Caiado de Castro integrou-se ao estado-maior do general Mariante, comandado pelo então capitão Pedro Aurélio de Góis Monteiro. Durante a perseguição à Coluna, Caiado foi promovido a capitão, por bravura, em outubro de 1926.

Entretanto, a repressão à Coluna foi infrutífera. Após neutralizarem duas grandes investidas do general Mariante, os rebeldes conseguiram se dirigir invictos à fronteira com a Bolívia, onde se internaram em fevereiro de 1927. Ainda em 1927, Caiado de Castro colaborou com Góis Monteiro na redação do relatório das operações de perseguição à Coluna Prestes.

De março de 1927 a novembro de 1930, Caiado de Castro serviu na Diretoria de Aviação Militar, no Rio, fazendo parte do primeiro grupo de oficiais para lá destacado e substituindo interinamente Góis Monteiro na direção do órgão. Quando da eclosão da Revolução de 1930, exercia a função de chefe de gabinete do general Mariante e, assim como o seu superior, não aderiu ao movimento, embora não lhe tenha oposto resistência.

 

De 1932 ao Estado Novo

Em janeiro de 1932, foi classificado no 6º Regimento de Infantaria, sediado em Caçapava (SP), onde permaneceu até maio. Esteve no Departamento de Pessoal do Exército de maio a julho, retornando ao 6º Regimento de Infantaria no dia 9 do mesmo mês, data da deflagração da Revolução Constitucionalista, à qual aderiu.

Segundo o relato do general Góis Monteiro, em O general Góis depõe, Caiado de Castro o procurou no Rio de Janeiro e explicou que o movimento rebelde estava usando o seu nome para conquistar os indecisos. A mando do coronel José de Andrade, propunha que, para fazer cessar a luta, o presidente Getúlio Vargas renunciasse. Góis Monteiro teria recusado o acordo, exigindo, por sua vez, a submissão dos rebeldes ao governo federal, em troca do que oferecia a anistia e o exame das reivindicações paulistas. Os entendimentos não prosseguiram.

Mais tarde, Caiado de Castro participou do combate contra as forças legalistas no vale do Paraíba. Derrotado o movimento, foi reformado administrativamente, e durante o período que passou afastado da caserna diplomou-se pela Faculdade de Direito de Niterói (RJ). Em virtude da anistia concedida em janeiro de 1934, reincorporou-se às fileiras do Exército, cursando, de março desse ano a dezembro de 1936, a Escola do Estado-Maior do Exército. Foi elevado à patente de major em maio de 1936.

Na condição de oficial do Estado-Maior do Exército (EME) desde julho de 1937, Caiado de Castro esteve envolvido no episódio do Plano Cohen, utilizado na preparação do golpe militar que, em novembro, implantaria o Estado Novo. Há versões conflitantes a respeito deste episódio.

Segundo o depoimento do general Góis Monteiro, ratificado por Caiado de Castro, este teria surpreendido o capitão Olímpio Mourão Filho reproduzindo datilograficamente um documento que tratava de um plano insurrecional comunista. Instado a comunicar o fato ao chefe do EME, general Góis Monteiro, Mourão Filho recusou-se, alegando sua condição de integralista e notório adversário do comunismo, o que poderia colocar em dúvida a autenticidade do documento, assinado “Cohen”. Caiado de Castro, então, através do general Mariante, levou o fato ao conhecimento de Góis Monteiro. Inquirido pelo chefe do EME, Mourão Filho confirmou sua explicação sobre o documento, deixando uma cópia do mesmo com o general Góis Monteiro para que fossem tomadas as providências necessárias.

Entretanto, quando o depoimento de Góis Monteiro foi publicado em 1956, Mourão Filho apresentou outra versão dos fatos, segundo a qual o documento tratava de um exercício dos integralistas em resposta a uma hipotética insurreição comunista. Apresentado ao chefe nacional do integralismo, Plínio Salgado, o plano foi recusado. Entretanto, uma cópia teria sido entregue por Mourão Filho ao general Mariante. Este, depois de lê-la, pediu-lhe que a deixasse com ele para uma releitura, devolvendo-a alguns dias depois. Ainda segundo esta versão, no dia 29 de setembro de 1937 Mourão Filho foi chamado por Caiado de Castro para tomar conhecimento de um plano comunista apreendido pelo EME, o qual, franqueado aos oficiais, seria divulgado à imprensa.

Reconhecendo neste plano o mesmo texto que emprestara ao general Mariante, Mourão o procurou, perguntando-lhe se o passara ao general Góis Monteiro. Recebeu resposta negativa. Também interpelado acerca da relação entre os documentos, o general Góis Monteiro nada explicou, ordenando a Mourão Filho que, caso fosse necessário, afirmasse ter sabido do plano no estado-maior, guardando silêncio quanto ao resto do episódio.

O documento não era da autoria dos comunistas, mas foi divulgado pela Casa Militar da Presidência da República como “prova de um ataque planejado, em grande escala, dos comunistas contra as instituições”. Havia o objetivo de criar um clima propício a um golpe militar e, com base nesta falsa denúncia, o ministro da Guerra solicitou ao Congresso a reinstauração do estado de guerra (suspenso em meados daquele mesmo ano), o que foi concedido no dia 1º de outubro. O golpe foi finalmente desfechado no dia 10 de novembro, instaurando-se o Estado Novo, que durou até 1945.

Tendo servido até junho de 1938 no EME, Caiado de Castro integrou-se, nesse mesmo mês, ao 14º Regimento de Infantaria, sediado em São Gonçalo (RJ), onde permaneceu até maio de 1939, quando viajou para os Estados Unidos, incorporado à Missão Militar Brasileira. Chefiada pelo general Góis Monteiro, a comissão tinha a incumbência de estudar formas de cooperação militar entre os dois países no caso de deflagração de uma guerra que pudesse afetar os países do continente.

Em maio de 1940, foi promovido ao posto de tenente-coronel. Serviu na 8ª Região Militar, sediada em Belém, de novembro de 1941 a abril de 1943, quando foi promovido a coronel. Em julho de 1943, viajou para estagiar no Exército norte-americano, na fase de preparação da entrada do Brasil na Segunda Guerra Mundial. Findo o estágio em outubro, foi novamente classificado no 1º Regimento de Infantaria, na Vila Militar, no Rio, ao qual permaneceria adido até dezembro de 1944. Retornou aos Estados Unidos em dezembro de 1943 para cursar a The Infantary School em Fort Benning.

 

Combatente na Itália

Em setembro de 1944, embarcou no porto do Rio de Janeiro rumo a Nápoles, na Itália, de onde se dirigiu para o teatro de operações da guerra. Integrado à 1ª Divisão de Infantaria Expedicionária (DIE), que ficaria conhecida como Força Expedicionária Brasileira (FEB), foi designado em janeiro de 1945 para o comando do 1º Regimento de Infantaria (Regimento Sampaio). Em fevereiro, comandou sua unidade no ataque a Monte Castelo, consumado no dia 21, após diversas tentativas rechaçadas pelos alemães que, auxiliados pelo rigoroso inverno, impuseram graves baixas às tropas brasileiras.

No dia 28 de fevereiro, Caiado de Castro assumiu o comando do subsetor oeste (Belvedere), garantindo a segurança do flanco exposto ao inimigo, realizando agressiva sondagem no sentido nordeste do território dominado pelos alemães e capturando prisioneiros. Em março, o Regimento Sampaio integrou por dez dias o Grupamento Oeste, sob o comando do general Zenóbio da Costa. Em seguida, constituiu-se no subsetor oeste, subordinado diretamente ao comando da DIE.

Depois de Caiado de Castro ter assumido, ainda em março, o comando da Guarnição de Piacenza, o Regimento Sampaio passou a integrar, a partir de maio, o Grupamento nº 1, sob o comando do general Osvaldo Cordeiro de Farias. Nesse mesmo mês, terminou a guerra e, conseqüentemente, encerrou-se a campanha militar da FEB.

Caiado de Castro permaneceu na Itália até agosto, quando regressou ao Brasil com seu regimento. A participação da FEB na luta contra os exércitos fascistas fora, no Brasil, mais um estímulo à campanha pelo fim do governo ditatorial de Getúlio Vargas, e Caiado de Castro, ao retornar, manifestou simpatias pelo movimento articulado, sob a liderança do general Góis Monteiro, para a deposição do presidente, ocorrida em outubro de 1945.

Promovido a general-de-brigada em janeiro de 1947, Caiado de Castro serviu, de março desse ano a julho de 1948, no estado de São Paulo. De julho a dezembro de 1948, exerceu o subcomando da 7ª Divisão de Infantaria, sediada em Recife (PE), cidade onde permaneceu lotado até janeiro de 1949. De março de 1950 a janeiro de 1951, serviu na Escola Superior de Guerra.

 

Chefe do Gabinete Militar

Segundo o depoimento do general Góis Monteiro, a seu pedido Caiado de Castro seria designado para o Superior Tribunal Militar (STM). No entanto, a exoneração dos generais Zenóbio da Costa e Newton Estillac Leal o teria deixado na situação de oficial mais indicado para a chefia do Gabinete Militar da Presidência da República, onde substituiu Ciro do Espírito Santo Cardoso. Nomeado para este cargo em abril de 1952, ocupou-o até a morte de Getúlio Vargas, em 24 de agosto de 1954, tendo sido promovido a general-de-divisão em setembro de 1953.

Na condição de chefe do Gabinete Militar da Presidência da República, participou da apuração das responsabilidades pela morte do major-aviador Rubens Vaz, no atentado da rua Toneleros, ocorrido no Rio de Janeiro em 5 de agosto de 1954. O alvo do atentado era o jornalista Carlos Lacerda, líder da campanha de denúncias que então se fazia contra o governo de Getúlio Vargas, campanha que chegava ao auge nessa ocasião.

Caiado de Castro acompanhou o enterro do major Vaz, realizado no dia 6, dedicando-se, em seguida, à investigação do crime, atribuído pela oposição a elementos da guarda pessoal do presidente. De fato, o chefe da guarda, Gregório Fortunato, acabou por confessar ter sido o mandante do atentado, executado por seu cunhado Climério, também membro da guarda pessoal de Getúlio Vargas.

Diante do acirramento da crise política nacional, Caiado de Castro, consultado por Vargas, foi favorável à dissolução de sua guarda pessoal, e ao seu licenciamento da presidência por um período de um a dois meses. No entanto, a ampla e insistente circulação de boatos relativos à renúncia de Getúlio Vargas levou o general Caiado a expedir nota à imprensa na noite de 22 de agosto, proclamando a disposição presidencial de completar o mandato e preservar a Constituição, contando para tal com o apoio das forças armadas.

Na noite do dia 23, Caiado de Castro recebeu dos generais Zenóbio da Costa, João Batista Mascarenhas de Morais e Odílio Denis a informação de que era impossível continuar resistindo à pressão dos generais favoráveis ao afastamento de Vargas. Na madrugada do dia seguinte, em reunião com o presidente, alguns familiares seus e o ministério, Caiado de Castro, em face da pressão pelo afastamento temporário do chefe do governo, exigiu que Vargas permanecesse no cargo, argumentando que a omissão das forças armadas nesse momento seria não apenas desastrosa mas também inconstitucional.

Às sete horas da manhã, soube, no palácio do Catete, sede do governo, da realização de uma reunião de generais em que Zenóbio da Costa teria afirmado que o afastamento do presidente seria definitivo. Mais tarde, no mesmo dia 24, foi informado do suicídio de Vargas, notícia que lhe causou forte abalo emocional, provocando-lhe sérios distúrbios de saúde. Ainda assim, foi o porta-voz da família de Vargas na comunicação ao novo presidente, João Café Filho, da recusa de qualquer homenagem fúnebre por parte do governo, identificado agora com as forças políticas de oposição ao presidente morto.

 

No Senado

Nas eleições parlamentares de outubro de 1954, Caiado de Castro concorreu ao Senado pelo Distrito Federal, na legenda do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). Embora não possuísse tradição política, sua estreita ligação com Getúlio Vargas possibilitou que se elegesse com 331.704 votos, obtendo um mandato que cumpriu até janeiro de 1963.

Quando da definição das chapas para as eleições presidenciais de 1955, divergiu da orientação dominante em seu partido, favorável à coligação com o Partido Social Democrático (PSD) para a formação da chapa Juscelino Kubitschek-João Goulart. Sua preferência se dirigiu para a formação da “Frente Populista” com o Partido Social Progressista (PSP), apoiando a chapa Ademar de Barros-Danton Coelho.

Vencidas as eleições por Juscelino Kubitschek e João Goulart, articularam-se forças civis e militares para impedir sua posse. No entanto, no dia 11 de novembro o general Henrique Teixeira Lott, ministro da Guerra até a véspera, liderou um movimento militar visando a assegurar a posse do presidente eleito. Para tanto, depôs o presidente interino Carlos Luz, que substituía Café Filho, licenciado, e empossou em seu lugar o vice-presidente do Senado, Nereu Ramos. Diante dos acontecimentos, Café Filho tentou retornar ao cargo, mas na sessão de 27 de novembro o Congresso Nacional votou o seu impedimento, medida que contou com o voto favorável do senador Caiado de Castro.

Em dezembro de 1958, Caiado de Castro foi promovido a general-de-exército e transferido para a reserva. Nesta condição, foi elevado à patente de marechal.

Faleceu no Rio de Janeiro, no dia 7 de julho de 1963.

Foi casado com Josefa Freire Amazonas Caiado de Castro, com quem teve uma filha.

Renato Lemos

 

 

FONTES: ARQ. GETÚLIO VARGAS; BRAYNER, F. Verdade; CAFÉ FILHO, J. Sindicato; CONSULT. MAGALHÃES, B.; CORRESP. GAB. MIL. PRES. REP.; COSTA, M. Cronologia; COUTINHO, A. Brasil; COUTINHO, L. General; DULLES, J. Getúlio; Encic. Mirador; FIGUEIREDO, E. Contribuição; Grande encic. Delta; Grande encic. portuguesa; MACHADO, F. Últimos; MORAIS J. FEB; NÉRI, S. 16; SENADO. Relação; SILVA, H. 1922; SILVA, H. 1937; SILVA, H. 1939; SILVA, H. 1954; SILVA, H. 1964; WANDERLEY, N. História.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados