AIRTON RAVAGLIO CORDEIRO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: CORDEIRO, Airton
Nome Completo: AIRTON RAVAGLIO CORDEIRO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
CORDEIRO, =AÍRTON

CORDEIRO, Aírton

*const. 1987-1988; dep. fed. PR 1987-1991.

Aírton Ravaglio Cordeiro nasceu em Curitiba em 10 de agosto de 1942, filho de Benjamim Pinto Cordeiro e Irene Ravaglio Cordeiro.

Fez sua formação escolar no Colégio Estadual do Paraná onde iniciou sua atuação política concorrendo a presidente do Centro Estudantil na mesma chapa de Mussa José Assis, que posteriormente se tornaria uma importante personalidade do jornalismo paranaense. Em 1959, foi indicado líder da bancada do Colégio Estadual no Congresso da União Paranaense de Estudantes (UPES).

Jornalista e advogado formado pela Universidade Federal do Paraná em 1966. Nesse mesmo ano iniciou suas atividades profissionais em veículos de rádio do estado, trabalhando em várias emissoras tais como as rádios Curitibana, Colombo, Rádio Clube Paranaense B-2, Independência, dentre outras. Foi o primeiro radialista a ter o passe comprado quando a Rádio Clube o contratou para fazer a cobertura da Copa do Mundo de 1974 na Alemanha, trabalho que efetuou ao lado, dentre outros, do então comentarista esportivo Ibsen Pinheiro, num trabalho conjunto com a Rádio Gaúcha. Na ocasião, foi o primeiro profissional de comunicação do Paraná a transmitir e estar presente numa Copa do Mundo.

Em novembro de 1976, elegeu-se vereador em Curitiba na legenda da Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido que apoiou o regime militar instalado em abril de 1964. Empossado em fevereiro de 1977, no ano seguinte foi líder do partido na Câmara e do governo e presidente da Comissão Especial de Revisão e Redação da Lei Orgânica.

Deputado estadual eleito em novembro de 1978, tomou posse em fevereiro de 1979 e renunciou ao mandato de vereador. Com o fim do bipartidarismo em 29 de novembro daquele ano, filiou-se ao Partido Democrático Social (PDS), atuando no colégio de líderes da bancada e do governo Nei Braga e na Comissão de Educação, como relator. Reeleito em novembro de 1982, iniciou novo mandato em fevereiro de 1983. Presidiu a comissão parlamentar de inquérito (CPI) sobre a Universidade Estadual de Londrina e foi o relator do Plano de Classificação de Cargos dos Servidores Públicos do Paraná. Em 1985, entrou para o Partido Democrático Trabalhista (PDT), vinculando-se a Jaime Lerner, ex-prefeito de Curitiba.

Nas eleições de novembro de 1986, foi o único deputado federal constituinte eleito pelo PDT no Paraná. Empossado em 1º de fevereiro de 1987, quando tiveram início os trabalhos da Assembléia Nacional Constituinte, integrou a Subcomissão do Sistema Eleitoral e Partidos Políticos, da Comissão da Organização Eleitoral, Partidária e Garantia das Instituições, e foi suplente da Subcomissão dos Direitos e Garantias Individuais, da Comissão da Soberania e dos Direitos Individuais do Homem e da Mulher. Foram de sua autoria a lei que assegurou o sigilo da fonte no exercício profissional, a que proibiu o uso de dinheiro público para a promoção pessoal dos governantes nos meios de comunicação e a que isentava os brasileiros com mais de 65 anos do pagamento do imposto de renda.

Na Constituinte, votou contra a pena de morte, a limitação do direito da propriedade privada, a remuneração 50% superior para o trabalho extra, a jornada semanal de 40 horas, o mandato de cinco anos para o presidente José Sarney, a limitação dos encargos da dívida externa e a desapropriação da propriedade produtiva. Absteve-se nas votações do turno ininterrupto de seis horas e do limite de 12% ao ano para juros reais. Votou a favor do rompimento de relações diplomáticas com países com política de discriminação racial, do mandato de segurança coletivo, da proteção ao trabalho contra demissão sem justa causa, do aviso prévio proporcional, do presidencialismo, da nacionalização do subsolo, da anistia aos micro e pequenos empresários.

Com a promulgação da nova Carta em 5 de outubro de 1988, passou a exercer apenas o mandato ordinário. Tornou-se vice-presidente e depois presidente da Comissão de Economia, Indústria e Comércio e vice-presidente da comissão que elaborou o Estatuto da Criança e do Adolescente. Durante o mandato, trocou o PDT pelo Partido da Frente Liberal (PFL).

Retirou-se da Câmara dos Deputados em janeiro de 1991, no fim da legislatura, para tornar-se diretor-presidente da CCI — Consultoria e Comunicação, empresa de sua propriedade. Nesse mesmo ano retornou aos meios de comunicação e nos anos seguintes exerceu a profissão de radialista e comentarista esportivo na rádio Transamérica em Curitiba, permanecendo intensamente envolvido com futebol e mantendo uma coluna regular abordando assuntos esportivos e futebolísticos no jornal Gazeta do Povo, sediado em Curitiba.

 

FONTES: ASSEMB. NAC. CONST. Repertório (1987); COELHO, J. & OLIVEIRA, A. Nova; INF. BIOG.

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados