ALCIDES FLORES SOARES JUNIOR

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: SOARES, Flores
Nome Completo: ALCIDES FLORES SOARES JUNIOR

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
SOARES, FLORES

SOARES, Flores

*dep. fed. RS 1963-1969.

 

Alcides Flores Soares Júnior nasceu em Porto Alegre no dia 13 de janeiro de 1909, filho de Alcides Flores Soares e de Maria José Tavares Flores Soares.

Bacharelou-se em ciências jurídicas e sociais pela Faculdade de Direito da Universidade do Rio Grande do Sul.

Foi promotor público em Santa Vitória do Palmar (RS) em 1931. Iniciou sua carreira política no pleito de dezembro de 1945, elegendo-se primeiro suplente de deputado à Assembléia Nacional Constituinte (ANC), na legenda da União Democrática Nacional (UDN). Não tendo assumido uma cadeira, candidatou-se à Assembléia Constituinte gaúcha em janeiro de 1947, mas obteve novamente uma suplência. Mais uma vez candidato em outubro de 1950, sempre na legenda da UDN, conseguiu eleger-se deputado estadual no Rio Grande do Sul, assumindo sua cadeira em fevereiro do ano seguinte. Escolhido presidente da Assembléia Legislativa, durante seu mandato exerceu interinamente o governo do estado na segunda gestão do governador Ernesto Dornelles (1951-1955). Foi reeleito em outubro de 1954, mas licenciou-se em 1956 para ocupar o cargo de secretário da Fazenda do estado na gestão do governador Ildo Meneghetti (1955-1959). Deixando essa secretaria em 1958, posteriormente tornou-se ministro do Tribunal de Contas do Rio Grande do Sul, cargo no qual permaneceria até 1965.

Em março de 1961 assumiu a direção da Carteira de Crédito Geral do Banco do Brasil e, no pleito de outubro do ano seguinte, foi eleito deputado federal por seu estado na legenda da Ação Democrática Popular, que reunia a UDN, o Partido Libertador (PL), o Partido de Representação Popular (PRP) e o Partido Democrata Cristão (PDC). Deixando o cargo no Banco do Brasil em novembro de 1962, assumiu sua cadeira na Câmara dos Deputados em fevereiro do ano seguinte. Em 1964 representou a minoria da Câmara na posse do presidente do Paraguai Alfredo Stroessner, que havia sido reeleito no ano anterior. Em sua atuação parlamentar, destacou-se como articulador da candidatura de Carlos Lacerda — então governador do estado da Guanabara (1960-1966) e líder civil do movimento político-militar que derrubou o presidente João Goulart em 31 de março de 1964 — à presidência da República nas eleições que se realizariam em outubro de 1966. Com a edição do Ato Institucional nº 2 (27/10/1965), no entanto, as eleições para presidente tornaram-se indiretas, frustrando assim a aspiração de Lacerda. Após a extinção dos partidos políticos pelo mesmo AI-2 e a instauração do bipartidarismo, Flores Soares filiou-se ao partido governista, a Aliança Renovadora Nacional (Arena).

Posteriormente, tomou parte na Frente Ampla, movimento político lançado oficialmente em outubro de 1966 com o objetivo de lutar “pela pacificação política do Brasil, através da plena restauração do regime democrático”, articulado por Goulart, Juscelino Kubitschek e o próprio Lacerda.

Em novembro deste último ano reelegeu-se deputado federal pelo Rio Grande do Sul, já na legenda da Arena, mas em janeiro de 1969, por seu envolvimento com a Frente Ampla, teve seu mandato cassado com a suspensão dos direitos políticos, com base no Ato Institucional nº 5, editado em dezembro do ano anterior. A partir de então, afastou-se definitivamente da vida pública.

Foi ainda vice-presidente do conselho do Instituto da Ordem dos Advogados do Rio Grande do Sul, do qual foi o primeiro orador, e catedrático da cadeira de moeda e crédito da Pontifícia Universidade Católica de seu estado.

Faleceu em Porto Alegre no dia 28 de janeiro de 1999.

Viúvo, foi casado com Flora Beatriz de Oliveira Gomes. Não teve filhos.

Publicou Rui Barbosa (conferência) e 33 meses de gestão na Secretaria da Fazenda.

 

FONTES: ARQ. DEP. PESQ. JORNAL DO BRASIL; CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1967-1971); Correio Brasiliense (8/12/65); INF. Frederico Carlos Gomes; SILVA, R. Notas; TRIB. SUP. ELEIT. Dados (1, 2, 3, 6 e 8).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados