Alexandre Antonio Tombini

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: TOMBINI, Alexandre
Nome Completo: Alexandre Antonio Tombini

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:

TOMBINI, Alexandre

* pres. BC 2011-

 

Alexandre Antonio Tombini nasceu em Porto Alegre em 9 de dezembro de 1963, filho de Tilmo Noeldo Tombini e Corinha Mucillo Tombini.

Concluiu o ensino médio no Colégio Marista São Pedro, em Porto Alegre. Graduou-se em Economia pela Universidade de Brasília (UnB) em dezembro de 1984. Obteve o título de Ph.D. em Economia pela Universidade de Illinois, em Urbana-Champaing, EUA, em agosto de 1991, com tese sobre atividade econômica e instabilidade financeira no Brasil, intitulada Financial instability and economic activity in Brazil: Theoretical and empirical evidence. Entre março de 1993 e dezembro de 1994, foi professor visitante no Departamento de Economia da Universidade de Brasília, lecionando disciplinas nos cursos de graduação e mestrado. Em 2010, foi agraciado na categoria Economista do Setor Público do Prêmio Economista do Ano, promovido pela Ordem dos Economistas do Brasil.

Ingressou como funcionário de carreira do Banco Central em 1998. Foi coordenador de Análise Internacional no Departamento de Assuntos Internacionais, vinculado à Secretaria de Planejamento do então Ministério da Economia, Fazenda e Planejamento (1991-1992) e editor do Boletim de Conjuntura Internacional. Entre 1992 e 1995, atuou como coordenador geral da Área Externa da Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda. No período, chefiou o grupo técnico que negociou a Tarifa Externa Comum (TEC) do Mercosul.

De fevereiro de 1995 a maio de 1998, durante o primeiro mandato de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), foi assessor especial da Câmara de Comércio Exterior, vinculada à Casa Civil da Presidência da República, com atuação relacionada às políticas e negociações comerciais internacionais.

Foi consultor da Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil (1998-1999). Em março de 1999, assumiu a chefia do Departamento de Estudos e Pesquisas (Depep) do BC, cargo que ocupou até junho de 2001. Foi o responsável pela implantação do departamento. Em maio de 1999, começou a participar das reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom), onde foi responsável pela “elaboração e apresentação dos cenários econômicos, projeções da inflação e simulações da economia”. Teve papel destacado no planejamento e implantação da política de metas de inflação, durante a gestão de Armínio Fraga, que assumira a presidência do BC após a crise cambial (ou crise monetária) do início de 1999.

Atuou como assessor sênior do diretor executivo e como membro da Diretoria Executiva na representação brasileira no Fundo Monetário Internacional (FMI), em Washington (DC), EUA (2001-2005). Compôs a equipe que realizou negociações brasileiras junto ao órgão.

Em 2005, retornou ao Banco Central do Brasil como diretor de Estudos Especiais, cargo que ocupou até abril de 2006, quando passou a diretor de Assuntos Internacionais. Meses depois, assumiu a Diretoria de Normas e Organização do Sistema Financeiro, onde permaneceu até dezembro de 2010.

Em novembro de 2010, a candidata vencedora do segundo turno das eleições presidenciais, Dilma Rousseff (PT), anunciou que Alexandre Tombini assumiria a presidência do Banco Central no início de seu mandato. Ele substituiu Henrique Meireles, que ocupara o cargo durante os oito anos do governo Lula, algo inédito na história da instituição.

A escolha foi recebida positivamente por setores do mercado financeiro. A escolha um funcionário de carreira foi saudada por setores da imprensa brasileira como uma evidência do perfil supostamente mais técnico da nova presidenta em comparação com o perfil mais político de seu antecessor.

Em 1º. de janeiro de 2011, tomou posse na presidência do Banco Central. Em linhas gerais, sua gestão deu continuidade à política econômica em vigor, centrada no controle da inflação e na manutenção do poder de compra da moeda. Entre outubro de 2012 e abril de 2013, a meta da taxa de juros Selic fixada pelo Copom atingiu 7,25%, menor valor da série histórica iniciada em 1996.

Casou-se com Michelle e teve dois filhos.

 

Rafael Fortes

 

 

FONTES: TOMBINI, Alexandre Antonio. “Financial instability and economic activity in Brazil: Theoretical and empirical evidence”. Disponível em: <http://hdl.handle.net/2142/22627>. Acesso em 19/11/2013; Portal do Banco Central do Brasil. Disponível em: <http://www.bcb.gov.br/>. Acesso em 18/11/2013. Portal da Ordem dos Economistas do Brasil. Disponível em: <http://www.oeb.org.br/l>. Acesso em 18/11/ 2013. Portal do jornal Zero Hora. Disponível em: <<http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/>. Acesso em 18/11/2013; Histórico das Taxas de Juros. Portal do Banco Central do Brasil. Disponível em: <http://www.bcb.gov.br/?COPOMJUROS>. Acesso em 29/11/2013; Notas da 35ª. Reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central do Brasil (COPOM). Disponível em: <http://www.bcb.gov.br/?COPOM35>. Acesso em 18/11/2013.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados