ALMEIDA, ADALBERTO LARA DE

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: ALMEIDA, Adalberto Lara de
Nome Completo: ALMEIDA, ADALBERTO LARA DE

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
ALMEIDA, ADALBERTO LARA DE

ALMEIDA, Adalberto Lara de

*militar; comte.-em-ch. Esquadra 1946; ch. EMA 1946-1949.

 

Adalberto Lara de Almeida nasceu no Rio Grande do Sul no dia 23 de junho de 1885, filho de Francisco Sousa de Almeida e de Palmira Lara de Almeida.

Sentou praça em abril de 1903 ao ingressar na Escola Naval do Rio de Janeiro, no então Distrito Federal, sendo declarado guarda-marinha em dezembro de 1905. Promovido a segundo-tenente em dezembro de 1906, em janeiro do ano seguinte foi designado para embarcar no cruzador Tamandaré. Em 1908 serviu a bordo do vapor Carlos Gomes, do encouraçado Deodoro e do cruzador Barroso, permanecendo até maio de 1909 às ordens da Divisão de Cruzadores. Em maio de 1910 embarcou no contratorpedeiro Sergipe.

Em janeiro de 1913 tornou-se oficial da Escola de Aprendizes-Marinheiros do Pará, sendo promovido a primeiro-tenente em abril, mês em que passou a vice-diretor da mesma instituição. Em setembro seguinte foi designado para o vapor de guerra Comandante Freitas, que atuou no serviço de manutenção da neutralidade brasileira durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918). Matriculado em abril de 1916 na Escola de Defesa Submarina, em dezembro desse ano formou-se mineiro-torpedista. Com a entrada do Brasil no conflito, ingressou em novembro de 1917 no Serviço de Operações de Guerra, atuando na defesa do porto do Rio de Janeiro.

Entre 1918 e 1921, esteve lotado na Base de Defesa Minada do porto do Rio de Janeiro e atuou como instrutor da Escola Profissional de Torpedos. Promovido a capitão-tenente em setembro desse último ano, foi designado para o cruzador Barroso, que viajou ao Uruguai em fevereiro de 1923 levando a representação brasileira à posse do presidente eleito daquele país. Comandante da Escola de Aprendizes-Marinheiros do Pará a partir de janeiro de 1924, em dezembro desse ano passou a servir na Diretoria de Navegação.

Foi assistente do comando-em-chefe da Esquadra entre maio e julho de 1927, tornando-se em agosto encarregado de navegação do encouraçado Minas Gerais e chefe do Departamento de Navegação. Ajudante-de-ordens do contra-almirante Artur Thompson, membro da Comissão Central de Requisições, de maio de 1929 a outubro de 1930, no dia 25 desse mês, vitoriosa a revolução liderada por Getúlio Vargas, foi nomeado oficial-de-gabinete do ministro da Guerra, general-de-brigada José Fernandes Leite de Castro. Em dezembro seguinte passou a imediato da Base de Defesa Minada, em agosto de 1931 foi promovido a capitão-de-corveta e em fevereiro de 1932 recebeu o comando do contratorpedeiro Mato Grosso.

Durante a Revolução Constitucionalista de São Paulo, que se estendeu de julho a outubro de 1932, atuou ao lado das forças legalistas em operações de patrulhamento do litoral norte paulista. A partir de dezembro desse ano serviu no Estado-Maior da Armada (EMA) e, em janeiro de 1934, ingressou no curso de comando da Escola de Guerra Naval, sendo promovido a capitão-de-fragata em agosto. Comandante do cruzador Bahia desde fevereiro de 1935, em outubro desse ano tornou-se diretor da Escola Batista das Neves, exercendo a função até janeiro de 1937, quando retornou ao EMA, para chefiar a Divisão de Comunicações. Desligado desse órgão, em março do ano seguinte passou a auxiliar de ensino da Escola de Guerra Naval.

Em janeiro de 1939 tornou-se chefe do estado-maior da Esquadra, tendo permanecido no cargo até junho de 1940. Foi em seguida designado delegado da Diretoria de Ensino Naval, com a função de inspecionar as escolas de aprendizes-marinheiros. Em outubro do mesmo ano foi promovido a capitão-de-mar-e-guerra e designado para o EMA, onde chefiou a Divisão de Operações até outubro de 1941, quando assumiu o comando do encouraçado Minas Gerais. Nesse posto, rumou para o porto de Salvador em janeiro de 1943 com a missão de repelir possíveis ataques de submarinos alemães durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Nomeado comandante naval de Mato Grosso em janeiro de 1944, foi promovido em outubro desse ano a contra-almirante. Em fevereiro de 1945 foi designado diretor da Escola Naval, no Rio de Janeiro, condição na qual exerceu interinamente a Diretoria Geral do Ensino Naval. Em dezembro seguinte assumiu o cargo de diretor da Escola de Guerra Naval.

Em abril de 1946 alcançou a patente de vice-almirante, sendo designado em junho desse ano para substituir o vice-almirante Sílvio de Noronha no cargo de comandante-em-chefe da Esquadra, que exerceu até outubro, quando foi substituído pelo vice-almirante Flávio Figueiredo de Medeiros. Em outubro de 1946 tornou-se chefe do EMA mais uma vez em substituição a Sílvio de Noronha. Em abril de 1948 assumiu interinamente o Ministério da Marinha, na ausência do titular, o então almirante-de-esquadra Sílvio de Noronha. Em março de 1949 transferiu a chefia do EMA ao vice-almirante Flávio Figueiredo de Medeiros.

Faleceu no Rio de Janeiro no dia 16 de abril de 1961.

 

FONTES: CONSULT. MAGALHÃES, B.; CORRESP. SERV. DOC. GER. MAR.; Encic. Mirador; MIN. MAR. Almanaque (1949); SERV. DOC. GER. MARINHA.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados