ALMEIDA, OTACILIO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: ALMEIDA, Otacílio
Nome Completo: ALMEIDA, OTACILIO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
ALMEIDA, OTACÍLIO

ALMEIDA, Otacílio

*dep. fed. SP 1975-1987.

 

Otacílio Alves de Almeida nasceu em Tietê (SP) no dia 21 de janeiro de 1911, filho de Antônio Alves de Almeida e de Brasília de Almeida Sousa.

Professor, foi vereador em Ribeirão Preto (SP) de 1951 a 1955. Em 1958 foi bolsista no Instituto Nacional de Pesquisas Pedagógicas junto à UNESCO. Em 1973, formou-se em estudos sociais pela Faculdade de Filosofia da União das Associações de Ensino de Ribeirão Preto. Foi chefe do departamento de ensino primário da Secretaria de Educação de São Paulo.

Em novembro de 1974 elegeu-se deputado federal por São Paulo na legenda do Movimento Democrático Brasileiro (MDB), partido de oposição ao regime militar instaurado no país em abril de 1964, iniciando seu mandato em fevereiro de 1975. Na Câmara, integrou a Comissão de Transportes e foi suplente da Comissão de Educação e Cultura. Em 1976, concorreu à prefeitura de Ribeirão Preto e foi derrotado.

Em junho de 1977, quando o deputado Marcos Tito, do MDB, foi acusado de ter lido na Câmara um artigo publicado pelo jornal clandestino Voz Operária, do Partido Comunista Brasileiro (PCB), Otacílio Almeida, divergindo dos companheiros de bancada, pediu à liderança do MDB que exigisse a renúncia do parlamentar, caso as denúncias fossem comprovadas. Pouco tempo depois, Marcos Tito teve seu mandato cassado com base no Ato Institucional nº 5. Nesta legislatura, Otacílio Almeida foi vice-presidente da Comissão de Transportes e coordenador da bancada do MDB.

Reelegeu-se em novembro de 1978, assumindo novo mandato em fevereiro seguinte. Em outubro de 1979 afirmou que “o MDB não aceita a quinta coluna comunista”, a propósito do pronunciamento de Luís Carlos Prestes, secretário-geral do PCB, concitando os comunistas a se aliarem ao MDB. Com a extinção do bipartidarismo em novembro de 1979 e a conseqüente reformulação partidária, filiou-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), agremiação que deu continuidade ao MDB, tornando-se membro da Comissão Executiva da seção paulista do partido. Foi, então, membro da Comissão de Transportes, autor do requerimento de criação e presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instalada para estudos do ensino superior e membro da CPI instalada para apurar atos de corrupção na administração do país.

Em novembro de 1982 reelegeu-se e passou a integrar a Comissão de Relações Exteriores. Na sessão de 25 de abril de 1984 votou a favor da emenda Dante de Oliveira, que, apresentada na Câmara dos Deputados, propôs o restabelecimento das eleições diretas para presidente da República em novembro daquele ano. Como a emenda não obteve o número de votos indispensáveis à sua aprovação — faltaram 22 para que o projeto pudesse ser encaminhado à apreciação pelo Senado —, no Colégio Eleitoral, reunido em 15 de janeiro de 1985, Otacílio Almeida votou no candidato oposicionista Tancredo Neves, eleito novo presidente da República pela Aliança Democrática, uma união do PMDB com a dissidência do Partido Democrático Social (PDS), abrigada na Frente Liberal. Por motivo de doença, Tancredo Neves não chegou a ser empossado na presidência, vindo a falecer em 21 de abril de 1985. Seu substituto foi o vice José Sarney, que já vinha exercendo interinamente o cargo desde 15 de março deste ano.

Em novembro de 1986 Otacílio Almeida disputou, sem sucesso, mais um mandato de deputado federal constituinte. Deixou a Câmara em janeiro do ano seguinte, ao final da legislatura.

Morreu no dia 2 de dezembro de 1994.

Era casado com Ivone de Moura Campos Almeida, com quem teve três filhos.

 

FONTES: ASSEMB. NAC. CONST. (1988); CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1975-1979, 1983-1987); Globo (26/4/84, 16/1/85); IPC. Relação; Jornal do Brasil (3/6/77, 30/10/79); NÉRI, S. 16; Perfil (1980).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados