AMILCAR BENASSULY MOREIRA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: MOREIRA, Amílcar
Nome Completo: AMILCAR BENASSULY MOREIRA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
MOREIRA, AMILCAR

MOREIRA, Amílcar          

* const. 1987-1988;  dep. fed. PA 1987-1991.

 

Amílcar Benassuly Moreira nasceu em Cametá (PA) em 19 de abril de 1930, filho de Herundino Valente Moreira e de Raquel Benassuly Moreira. Seu irmão Agenor foi deputado estadual do Pará na legislatura 1987-1991.

Diretor-presidente das indústrias Maia e Cadiex, em Belém, ingressou na vida política como cabo eleitoral do antigo Partido Social Democrático (PSD), ao qual se filiou posteriormente e em cuja legenda foi eleito deputado estadual em outubro de 1962, assumindo em 31 de janeiro do ano seguinte. Com a vitória do movimento político-militar de 31 de  março de 1964, que depôs o presidente João Goulart (1961-1964), iniciou-se um processo de punição aos adversários do regime recém-instaurado, com a edição do Ato Institucional nº 1 (AI-1) em 9 de abril seguinte. Amílcar teve o mandato cassado e os direitos políticos suspensos por dez anos.

Com a promulgação da lei da anistia em agosto de 1979 pelo presidente João Figueiredo (1979-1985), ingressou no Movimento Democrático Brasileiro (MDB), agremiação de oposição ao regime militar. Com a extinção do bipartidarismo em novembro de 1979 e a conseqüente reformulação partidária, filiou-se no ano seguinte ao  Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB).

Em novembro de 1982 foi eleito deputado estadual, assumindo em fevereiro do ano seguinte. Nesse ano, o deputado Dante de Oliveira (PMDB-MT) apresentou na Câmara projeto de emenda constitucional restabelecendo eleições diretas para a presidência em 1984. Mas, por falta de 22 votos, não foi aprovado na sessão de 25 de abril desse ano, o que impediu o envio para apreciação do Senado. Com esse resultado, ficou mantida a eleição indireta para o substituto do presidente João Figueiredo. Para concorrer com os candidatos do governo, Paulo Maluf e Flávio Marcílio (vice), os partidos de oposição, com exceção do Partido dos Trabalhadores (PT), liderados pelo PMDB e a Frente Liberal, dissidência da agremiação governista, o Partido Democrático Social (PDS), lançaram Tancredo Neves, governador de Minas Gerais, e José Sarney, ex-presidente do PDS e senador pelo Maranhão. Em 15 de janeiro de 1985, Amílcar Moreira, como membro da delegação da Assembléia Legislativa paraense que integrou o Colégio Eleitoral, votou em Tancredo, que derrotou Maluf. Tancredo foi internado na véspera da posse, que seria em 15 de março, e morreu em 21 de abril. Sarney, que assumira o cargo interinamente, foi efetivado.

Em novembro de 1986, Amílcar Moreira foi eleito deputado federal. Na Assembléia Nacional Constituinte tornou-se titular da Subcomissão dos Estados, da Comissão da Organização do Estado, e suplente da Subcomissão dos Direitos dos Trabalhadores e Servidores Públicos, da Comissão da Ordem Social.

Votou a favor da nacionalização do subsolo; do mandado de segurança coletivo; da criminalização do aborto; da soberania popular; do voto aos 16 anos; do presidencialismo; da limitação dos juros reais em 12% ao ano; da proibição do comércio de sangue e do mandato de cinco anos para o presidente José Sarney. Foi contrário à jornada de trabalho de 40 horas; à remuneração 50% superior para o trabalho extra; à estatização do sistema financeiro; à limitação dos encargos da dívida externa; à criação de um fundo de apoio à reforma agrária e à criação do defensor do povo.

Com a promulgação da nova Carta em 5 de outubro de 1988, passou a exercer o mandato ordinário. Em outubro de 1990 disputou a reeleição, mas obteve apenas uma suplência. Não voltou a concorrer nos pleitos de 1994 e de 1998.

Casou-se com Teresinha de Jesus da Silva Moreira, com quem teve uma filha.

 

FONTES: ASSEMB. NAC. CONST. Repertório (1987-1988); CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1991-1995); COELHO, J. & OLIVEIRA, A. Nova; Correio Braziliense (19/1/87); Folha de São Paulo (19/1/87); Globo (16/1/85).

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados