ANISIO DE ALCANTARA ROCHA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: ROCHA, Anísio
Nome Completo: ANISIO DE ALCANTARA ROCHA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
ROCHA, ANÍSIO

ROCHA, Anísio

*dep. fed. GO 1955-1956, 1957 e 1959-1967.

 

Anísio de Alcântara Rocha nasceu em Palmeira (BA) no dia 14 de fevereiro de 1923, filho de Alfredo Carlos da Rocha e de Anísia Alcântara Rocha.

Em 1945 ingressou na Faculdade de Direito do Rio de Janeiro, então Distrito Federal, passando a atuar no movimento estudantil. Tomando parte na campanha pela reconstitucionalização do país, fundou o Comitê Universitário Pró-Candidatura Eurico Dutra à presidência da República e, com a eleição desse candidato em dezembro de 1945, tornou-se seu assessor universitário. Bacharelou-se em direito em 1949.

Transferindo-se para Goiás, em outubro de 1954 concorreu a uma cadeira de deputado federal por esse estado na legenda do Partido Social Democrático (PSD), obtendo a primeira suplência. Exerceu o mandato na Câmara de setembro a outubro de 1955, de dezembro do mesmo ano a dezembro de 1956 e novamente de abril a julho de 1957. Mais uma vez candidato a deputado federal por Goiás no pleito de outubro de 1958, ainda na legenda do PSD, durante sua campanha entrou em atrito com o governador do estado, José Ludovico de Almeida (1955-1959), em decorrência do fato de ter passado telegramas em nome do senador Pedro Ludovico Teixeira recomendando sua candidatura ao eleitorado. Eleito, assumiu sua cadeira em fevereiro de 1959 e em 1961 opôs-se à Instrução nº 204, adotada no governo de Jânio Quadros, estabelecendo amplas modificações na política cambial do país. Em setembro desse ano, após a renúncia do presidente, votou a favor da Emenda Constitucional nº 4, que instituiu o regime parlamentarista como medida conciliatória para propiciar a posse do vice-presidente João Goulart, cujo nome fora vetado pelos ministros militares. Nessa legislatura foi membro da Comissão de Justiça da Câmara dos Deputados e apresentou um projeto que instituía a pena de morte.

Reeleito em outubro de 1962, sempre na legenda do PSD, foi um dos articuladores do movimento político-militar de março de 1964, participando da posse de Ranieri Mazzilli, presidente da Câmara dos Deputados, na presidência da República na madrugada do dia 1º de abril desse ano. Com a extinção dos partidos políticos pelo Ato Institucional nº 2 (27/10/1965) e a posterior instauração do bipartidarismo, filiou-se ao partido de oposição, o Movimento Democrático Brasileiro (MDB), uma vez que seus adversários políticos no estado filiaram-se ao partido governista, a Aliança Renovadora Nacional (Arena). Em 1966 foi um dos principais responsáveis pelo lançamento da candidatura do general Artur da Costa e Silva à presidência da República, constituindo-se no único parlamentar oposicionista a votar no candidato arenista nas eleições indiretas realizadas ainda em 1966. Este fato motivou sua expulsão do MDB. Entretanto, por decisão unânime, o Tribunal Superior Eleitoral não só garantiu o seu voto, contrário à orientação de seu partido, como também considerou ilegal a sua expulsão do MDB. Ainda neste ano, no mês de novembro, elegeu-se primeiro suplente de deputado federal por Goiás, pela legenda do MDB. Deixou a Câmara em janeiro de 1967 e nesse mesmo ano assumiu a presidência do Instituto de Resseguros do Brasil, cargo que ocupou até 1968.

Em janeiro de 1977 assumiu a diretoria de habilitação do Departamento de Trânsito (Detran) do estado do Rio de Janeiro. Em maio do mesmo ano pediu demissão do cargo por motivos de saúde.

Em 1979 tornou-se diretor da Embramec — Mecânica Brasileira S.A., empresa subsidiária do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), função que desempenhou até 1984.

Radicado no Rio de Janeiro, Anísio Rocha desde então não mais ocupou cargos públicos. Voltou a se dedicar à advocacia em um escritório no centro da cidade, especializado em causas cíveis.

Foi casado com Angélica Modesta Ribeiro Rocha, já falecida, com quem teve três filhos.

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1963-1967); INF. Ricardo Eurico Ribeiro Rocha; Jornal do Brasil (25/1, 4 e 5/5/77); SILVA, H. 1964; TRIB. SUP. ELEIT. Dados (3, 4, 6 e 8); VAITSMAN, N. Sangue; Veja (5/12/84); VÍTOR, M. Cinco; Internet.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados