ANTONIO DE FREITAS BRANDAO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: BRANDÃO, Antônio de Freitas
Nome Completo: ANTONIO DE FREITAS BRANDAO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
BRANDÃO, ANTÔNIO DE FREITAS

BRANDÃO, Antônio de Freitas

*militar; interv. SE 1946-1947.

 

Antônio de Freitas Brandão nasceu em Laranjeiras (SE) no dia 10 de novembro de 1895, filho de Rodolfo de Freitas Brandão e de Maria da Glória Muniz de Freitas Brandão.

Fez os estudos preparatórios em Aracaju, ingressando, depois, no Colégio Militar e na Escola Militar. Declarado aspirante-a-oficial em fevereiro de 1918, chegou a segundo-tenente em maio desse ano e a primeiro-tenente em junho de 1919. No ano seguinte, fez o curso de aperfeiçoamento de oficiais e, em 1921, exerceu as funções de chefe do Serviço Militar, tendo sido promovido a capitão em novembro desse mesmo ano. Em 1924 participou da repressão à revolta tenentista deflagrada em 5 de julho em São Paulo, Sergipe e Amazonas. Promovido a major em novembro de 1932, integrou, um ano mais tarde, a Comissão Militar Leite de Castro em missão de compra de armas. Na qualidade de membro dessa comissão, realizou viagens de estudo aos principais centros militares e industriais da Europa pelo espaço de quatro anos.

Em maio de 1937, foi promovido a tenente-coronel e, a seguir, nomeado para o cargo de diretor da fábrica de artigos bélicos de Curitiba. Promovido a coronel em dezembro de 1941, foi designado para dirigir a fábrica de artigos bélicos do Andaraí no Rio de Janeiro, então Distrito Federal.

Nomeado interventor em Sergipe em março de 1946, já no governo do presidente Eurico Dutra, recebeu a interventoria das mãos de Hunald Santaflor Cardoso. Durante sua administração, alertou o governo federal para a suspensão das viagens dos navios do Lóide Brasileiro, obtendo assim a dragagem do porto. Pediu, também, solução para o intricado caso do canal da barra do rio Sergipe, mudou a denominação da Força Policial para Polícia Militar do Estado de Sergipe e instituiu o uso de vidros transparentes nas repartições públicas, visando à fiscalização mútua dos funcionários. Em 30 de janeiro de 1947 transmitiu o governo a Joaquim Sabino Ribeiro, eleito governador pouco antes.

Aposentado pelo Exército antes mesmo de assumir a interventoria, não mais retornou ao cenário político, falecendo no Rio de Janeiro em 13 de agosto de 1954.

Era casado com Maria Teresa Silva de Freitas Brandão, com quem teve três filhas.

 

FONTES: ARQ. PUBL. EST. SE; Encic. Mirador; INF. FAM.; WYNNE, J. História.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados