ANTONIO FALEIROS FILHO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: FALEIROS, Antônio
Nome Completo: ANTONIO FALEIROS FILHO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
FALEIROS, ANTÔNIO

FALEIROS, Antônio

*dep. fed. GO 1991-1995.

Antônio Faleiros Filho nasceu em Estrela do Sul (MG), no dia 12 de janeiro de 1948, filho de Antônio Faleiros de Aguiar e Valdete Rocha Faleiros.

Entre 1967 e 1971 estudou medicina na Universidade Federal de Minas Gerais, em Belo Horizonte (MG), onde foi médico residente nas áreas de ginecologia e obstetrícia. No último ano do curso trabalhou no departamento social do América Futebol Clube de Minas Gerais até 1972.

Em 1973, transferiu-se para Goiás e durante quatro anos foi médico da Organização de Saúde do estado até 1977.

Em novembro de 1986 elegeu-se deputado estadual constituinte pelo Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). Na Assembléia Legislativa de Goiás foi membro da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde. Em março de 1987, licenciou-se para assumir a Secretaria de Saúde no governo de Henrique Santillo (1987-1990). Em 1989 participou do Congresso Mundial pela Paz, no Japão.

Em março de 1990, deixou a pasta da Saúde para disputar uma vaga na Câmara dos Deputados. Eleito, foi titular da Comissão de Seguridade Social e Família e suplente da Comissão de Relações Exteriores, em 1991. No mesmo ano deixou o PMDB e ingressou no Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB).

Na sessão da Câmara dos Deputados de 29 de setembro de 1992, votou a favor da abertura do processo de impeachment do presidente Fernando Collor de Melo, acusado de crime de responsabilidade por ligações com o esquema de corrupção liderado pelo tesoureiro de sua campanha presidencial, Paulo César Farias. Afastado da presidência logo após a votação na Câmara, Collor renunciou ao mandato em 29 de dezembro de 1992, pouco antes da conclusão do processo pelo Senado Federal, sendo efetivado na presidência da República o vice Itamar Franco, que já vinha exercendo o cargo interinamente desde a decisão da Câmara.

Em 1993 o deputado Antônio Faleiros foi citado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) para explicar a aplicação irregular no mercado financeiro de verbas federais repassadas para a Secretaria de Saúde de Goiás quando era o titular da pasta. O estado, na época governado por Henrique Santillo, ministro da Saúde em 1993, também foi responsabilizado pelo TCU, já que os recursos provenientes da aplicação, ao serem depositados numa conta única da Secretaria de Fazenda, foram incorporados ao patrimônio estadual.

Nas principais decisões dessa legislatura votou a favor da criação do Imposto Provisório sobre Movimentação Financeira (IPMF), que taxava em 0,25% todas as operações bancárias realizadas no país, e do Fundo Social de Emergência (FSE), que permitia ao governo retirar recursos de áreas como saúde e educação para aplicar em outros setores. Votou contra o fim do voto obrigatório.

Em outubro de 1994 candidatou-se pelo PSDB, mas não se reelegeu. Voltou a disputar uma vaga na Câmara dos Deputados quatro anos depois, na mesma legenda, obtendo somente uma suplência. Em fevereiro de 1999, tornou-se diretor administrativo das Centrais Elétricas de Goiás S.A. (Celg).

Especialista em medicina do trabalho, foi médico do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas, das Centrais Elétricas, membro da Associação Médica, da Sociedade de Ginecologia de Goiás, da Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) e da Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia (FIGO), delegado representante do Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social (INAMPS) na VIII Conferência Nacional de Saúde, coordenador do Sistema Unificado de Saúde (SUS), superintendente da Organização de Saúde do Estado de Goiás e superintendente regional do INAMPS. Foi representante da regional Centro-Oeste do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass).

Casou-se com Maria Emília Paixão Faleiros e teve três filhos.

FONTES: CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1991-1995); Estado de S. Paulo (7/10/93); Folha de S. Paulo (18/9/94); INF. BIOG.; TRIB. SUP. ELEIT. Dados (1998).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados