ANTONIO JORGE GODINHO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: JORGE, Antônio
Nome Completo: ANTONIO JORGE GODINHO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
JORGE, Antônio

JORGE, Antônio

*dep. fed. TO 1995-

 

Antônio Jorge Godinho nasceu em Taguatinga (TO), então no estado de Goiás, no dia 9 de setembro de 1951, filho de Leomar Godinho e de Gessi Godinho.

Em 1974, tornou-se funcionário da Câmara dos Deputados, em Brasília. Na capital federal, estudou administração de empresas na Faculdade Católica de Brasília, entre 1976 e 1979. No ano seguinte, cursou ciências políticas na Universidade de Brasília (UnB).

Iniciou sua trajetória político-partidária em 1981, quando se filiou ao Partido Democrático Social (PDS) de Goiás, no qual permaneceu até 1988. Nesse período, cursou análise financeira na Fundação Getúlio Vargas (FGV), em Brasília, em 1984.

Após a criação do estado de Tocantins pela Constituição de 1988, através do desmembramento do estado de Goiás, ingressou no Partido Democrata Cristão (PDC) de Tocantins, sendo eleito deputado estadual constituinte no pleito de outubro desse mesmo ano para um mandato-tampão de dois anos. Empossado em janeiro de 1989, foi presidente da Comissão Especial da Assembléia Estadual Constituinte para a escolha da área para a implantação da capital, Palmas, e ainda titular da Comissão de Sistematização e relator da Comissão Temática da Organização do Estado e dos Poderes.

No pleito de outubro de 1990 reelegeu-se deputado estadual, sendo o parlamentar mais votado do estado. Empossado em fevereiro de 1991, integrou a Comissão de Constituição e Justiça. Em 1993, ingressou no Partido Progressista Renovador (PPR), resultado da fusão, em abril desse ano, do PDC com o PDS, pelo qual foi titular da Comissão de Finanças, Tributação, Fiscalização e Controle. Ainda em 1993, integrou a Comissão de Ética Nacional do PPR e foi secretário e delegado deste partido em Palmas.

Nas eleições de outubro de 1994 foi eleito deputado federal pelo PPR de Tocantins, tendo por base eleitoral seu município natal e a região sudeste do estado. Assumiu uma cadeira na Câmara dos Deputados em fevereiro de 1995. Em agosto seguinte - com a fundação do Partido Progressista Brasileiro (PPB), resultado da fusão do PPR com o Partido Progressista (PP) -, filiou-se à nova agremiação. No mesmo ano, integrou como titular a Comissão de Viação e Transportes.

Durante a reforma constitucional encaminhada pelo governo de Fernando Henrique Cardoso, Antônio Jorge votou a favor da proposta do fim do monopólio dos governos estaduais na distribuição de gás canalizado, do fim do monopólio estatal das telecomunicações, do fim do monopólio da Petrobrás na exploração do petróleo, do fim das diferenciações legais entre empresas brasileiras e estrangeiras, da abertura da navegação de cabotagem a embarcações estrangeiras e da prorrogação do Fundo Social de Emergência.

Licenciou-se do cargo entre abril e maio de 1996 para exercer o cargo de secretário de Administração no governo de José Wilson Siqueira Campos (1995-1999), sendo substituído por Ari Valadão. De volta à Câmara, em junho de 1996, votou a favor da criação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) – que substituiu o Imposto Provisório sobre Movimentação Financeira (IPMF) –, imposto de 0,2% sobre transações bancárias criado como fonte complementar de recursos para a saúde.

Em janeiro de 1997, votou a favor da emenda da reeleição para presidente da República e para os governos estaduais. Em novembro, pronunciou-se favoravelmente à quebra da estabilidade do servidor público, item da reforma administrativa, filiando-se, no mesmo mês, ao Partido da Frente Liberal (PFL). Ainda em 1997, integrou a Comissão de Minas e Energia, e, no ano seguinte, a Comissão de Agricultura e Política Rural.

No pleito de outubro de 1998, reelegeu-se deputado federal pelo PFL. Em novembro seguinte, votou a favor do teto de 1.200 reais para aposentadorias no setor público e do estabelecimento de idade mínima e tempo de contribuição para o setor privado, itens que definiram a reforma da previdência.

Casou-se com Lúcia  Helena de Godói, com quem teve um filho.

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1995-1999); Estado de São Paulo (28/11/97); Folha de São Paulo (6/11/98); Globo (29/1 e 26/2/97); INF. BIOG; Olho no Congresso/Folha de São Paulo (31/1/95; 14/1/96; 30/1/97 e 5/2/98); Olho no voto/Folha de São Paulo (29/9/98).   

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados