ARI RODRIGUES ALCANTARA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: ALCÂNTARA, Ari
Nome Completo: ARI RODRIGUES ALCANTARA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:

ALCÂNTARA, Ari

*dep. fed. RS 1963-1973, 1980-1983.

Ari Rodrigues Alcântara nasceu em Pelotas (RS) no dia 28 de outubro de 1920, filho de Agostinho Garcia Alcântara e de Maria Fausta Alcântara Rodrigues.

Proprietário agrícola e pecuarista, foi cônsul honorário de Cuba no Rio Grande do Sul de 1954 a 1957. Foi também assessor da representação do Partido Social Democrático (PSD) em seu estado, e assessor do ministro da Fazenda.

Elegeu-se deputado federal pelo Rio Grande do Sul, em outubro de 1962, na legenda do PSD, iniciando seu mandato em fevereiro do ano seguinte. Em 1964 e 1965, foi vice-líder do governo na Câmara. Com a extinção dos partidos políticos pelo Ato Institucional nº 2 de 27 de outubro de 1965, e a consequente instauração do bipartidarismo, filiou-se à Aliança Renovadora Nacional (Arena), agremiação criada para dar sustentação política ao regime militar instalado no país em abril de 1964.

Reeleito pela Arena gaúcha nos pleitos de 1966 e 1970, foi quarto-secretário da Câmara em 1968 e 1969, vice-líder da Arena a partir de 1º de maio de 1970 e suplente da Comissão de Segurança Nacional. Integrou ainda as comissões de Agricultura, Educação e Cultura, e Finanças e Orçamento, tendo sido vice-presidente desta última em 1971.

Em 30 de janeiro de 1973, renunciou ao mandato para assumir a prefeitura de Pelotas, até então ocupada por seu vice Fuades Celaime, e para a qual havia sido eleito em novembro do ano anterior. Desempenhou as funções de prefeito de Pelotas até janeiro de 1977. Em novembro de 1978, voltou a disputar uma vaga na Câmara dos Deputados, mas obteve apenas uma suplência.

Após a extinção do bipartidarismo, em 29 de novembro de 1979 e a consequente reformulação partidária, filiou-se ao Partido Democrático Social (PDS), agremiação que deu continuidade à orientação governista da Arena. Em 1980, assumiu o mandato de deputado federal, permanecendo na Câmara até o final da legislatura em janeiro de 1983. Nesse período, em novembro de 1982, concorreu a um novo mandato de deputado federal pelo Rio Grande do Sul, obtendo a segunda suplência.

Entre 1983 e 1989, presidiu a Companhia Telefônica Melhoramentos e Resistência e trabalhou na Companhia de Seguros Minas Brasil, ambas em Pelotas.

Em julho de 2000, dedicava-se a atividades agrícolas, na área de fruticultura em Porto Alegre.

Faleceu em Pelotas (RS) no dia 15 de janeiro de 2003.

Casou-se com Maria de Lurdes Carvalho de Alcântara, com quem teve seis filhos.

FONTES: ABREU, S. Recursos (8/12/75); CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1967-1971, 1971-1975); CÂM. DEP. Relação nominal; INF. BIOG.; Perfil (1972); TRIB. SUP. ELEIT. Dados (6, 8 e 9); Who’s who in Brazil; http://srv-net.diariopopular.com.br/16_01_03/espeto_corrido.html Acesso em 9 mai 2011. http://www.al.rs.gov.br/ag/clipagem/noticias.asp?txtIDMATERIA=36226&txtIdTipoMateria=8&txtIdVeiculo=23 Acesso em 10 mai 2011.   

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados