AROLDO DA GRACA SOUSA GOIS

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: GÓIS, Aroldo
Nome Completo: AROLDO DA GRACA SOUSA GOIS

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
GÓIS, AROLDO

GÓIS, Aroldo

*dep. fed. AP 1991-1995.

Aroldo da Graça Sousa Góis nasceu em Almeirim (PA) no dia 17 de maio de 1948, filho de Enéas de Siqueira Góis e de Íris de Sousa Góis. Seus irmãos foram deputados estaduais no Pará: Valdez Góis, de 1991 a 1999; e Roberto Góis, de 1995 a 1999, tendo sido reeleito em outubro de 1998 para um segundo mandato.

Diretor do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) no estado do Pará (1969-1972), concluiu o curso técnico de administração no Colégio Nóbrega, em Belém, em 1972.

Elegeu-se vereador de Macapá em novembro de 1976 na legenda da Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de sustentação do regime militar instaurado no país em abril de 1964. Com a extinção do bipartidarismo em novembro de 1979 e a conseqüente reestruturação partidária, filiou-se ao Partido Democrático Social (PDS), sucessor da Arena. Segundo-secretário da Câmara (1981), reelegeu-se em novembro de 1982. Líder da bancada e presidente da Comissão de Justiça e Redação, deixou o PDS em 1985, transferindo-se para o Partido Democrático Trabalhista (PDT). No exercício da presidência da Comissão de Finanças e Orçamento da Câmara Municipal rejeitou as contas dos últimos prefeitos nomeados da capital. Presidente do diretório regional do PDT do Amapá (1986-1990), concorreu à prefeitura de Santana (AP) em outubro de 1988, mas não conseguiu se eleger.

Eleito deputado federal em outubro de 1990, assumiu o mandato em fevereiro de 1991. Titular da Comissão de Agricultura e Política Rural e suplente da Comissão de Constituição e Justiça e de Redação, na sessão da Câmara dos Deputados de 29 de setembro de 1992 votou a favor da abertura do processo de impeachment do presidente Fernando Collor de Melo, acusado de crime de responsabilidade por ligações com um esquema de corrupção liderado pelo ex-tesoureiro de sua campanha presidencial Paulo César Farias. Afastado da presidência logo após a votação na Câmara, Collor renunciou ao mandato em 29 de dezembro de 1992, pouco antes da conclusão do processo pelo Senado Federal, sendo efetivado na presidência da República o vice Itamar Franco, que já vinha exercendo o cargo interinamente desde o dia 2 de outubro.

Durante a legislatura de 1991-1995 Aroldo Góis votou contra o fim do voto obrigatório.

No pleito de outubro de 1994 candidatou-se à reeleição, obtendo a segunda suplência. Deixou a Câmara ao término do mandato, em janeiro de 1995. Em janeiro de 1997 assumiu a Secretaria do Meio Ambiente da Prefeitura de Santana. Tentou retornar ao Legislativo em outubro de 1998, mas não se elegeu.

Aroldo Góis fundou uma empresa de consultoria, especializada em projetos de agropecuária. Integrante de movimentos organizados da Igreja Católica, participou de encontros de Casais com Cristo e da Pastoral da Família, engajando-se também no Serviço Cristão, em Brasília, através da Igreja do Verbo Divino.

Casou-se com Luzia Alba Lima Góis, com quem teve quatro filhos.

FONTES: CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1991-1995, 1995-1999); Globo (30/9/92); INF. BIOG.; Olho no voto/Folha (18/9/94); Perfil parlamentar/IstoÉ; TRIB. SUP. ELEIT. Relação (1998).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados