ARTUR CARLOS GERHARDT SANTOS

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: GERHARDT, Artur
Nome Completo: ARTUR CARLOS GERHARDT SANTOS

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
GERHARDT, ARTUR

GERHARDT, Artur

*gov. ES 1971-1975.

Artur Carlos Gerhardt Santos nasceu em Vitória no dia 6 de outubro de 1928, filho de Otaviano Santos e de Elsa Gerhardt Santos. Seu pai foi, por diversas vezes, deputado estadual pelo Espírito Santo, líder do governo e prefeito de Domingos Martins (ES).

Estudou no Colégio Americano e na Escola Politécnica do Rio de Janeiro, antigo Distrito Federal, pela qual se formou em engenharia civil. Fez ainda um curso de administração para projetos em Pittsburg, nos Estados Unidos.

Professor de mecânica de fluidos e chefe do Departamento de Hidráulica da Escola Politécnica do Espírito Santo em 1954, foi diretor da Divisão de Construção e Reconstrução do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) de julho de 1961 a julho de 1962.

Secretário sem pasta para o Planejamento de Viação e Obras Públicas no Espírito Santo de fevereiro de 1966 a janeiro de 1967, durante os governos de Francisco Lacerda de Aguiar (1963-1966) e de Rubens Rangel (1966-1967), ao longo deste último ano desempenhou a função de diretor-presidente da Companhia de Desenvolvimento Econômico do Espírito Santo (Codes), atual Banco de Desenvolvimento Econômico do Espírito Santo (Bandes). Durante o ano de 1969 exerceu o cargo de diretor-presidente da Associação Brasileira de Bancos de Desenvolvimento (ABDE).

Indicado pelo senador da Aliança Renovadora Nacional (Arena) Carlos Lindemberg para o cargo de governador do Espírito Santo nas eleições indiretas de outubro de 1970, foi eleito pela Assembléia Legislativa, assumindo o governo em março do ano seguinte. Em sua administração deu grande ênfase ao processo de desenvolvimento do estado através da implantação de complexos industriais, como a área 1 do Centro Industrial da Grande Vitória e parte do conjunto de empreendimentos de infra-estrutura, realizando ainda a construção de um estaleiro de reparos navais em Camburi, o complexo siderúrgico de Time e a rodovia do Sol. Lutou pela fixação dos profissionais da saúde na zona rural, implantou 30 escolas técnicas e eletrificou grande parte do interior capixaba. Para um maior desenvolvimento industrial e agrícola, procurou também atrair maiores investimentos nacionais e estrangeiros.

Em 1974, a Arena no Espírito Santo estava dividida entre seu grupo e o do ex-governador Cristiano Dias Lopes. A indicação dos nomes dos candidatos ao governo para o quadriênio seguinte não ocorreu de forma tranqüila. Os dois grupos apresentaram seus candidatos ao cargo, sendo que entre os nomes apresentados por Gerhardt constavam os quatro indicados por Dias Lopes. Élcio Álvares foi o escolhido, com o apoio de Gerhardt, o qual, após deixar o governo do estado em março de 1975, tornou-se presidente da Aracruz Celulose, cargo que exerceu até o final deste ano.

A partir de 1976 passou a dedicar-se a atividades particulares, afastando-se da política partidária. Em janeiro de 1993 tornou-se diretor-presidente da Companhia de Desenvolvimento de Vitória (CDV), permanecendo na função até setembro de 1994.

Casou-se com Maria Clementina Veloso Santos, com quem teve quatro filhos.

 

 

FONTES: Grande encic. Delta; INF. BIOG.; Jornal do Brasil (29/8/75 e 9/5/77); NÉRI, S. 16; Perfil (1972); Súmulas.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados