ARTUR GUIMARAES DE ARAUJO JORGE

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: JORGE, Artur Guimarães de Araújo
Nome Completo: ARTUR GUIMARAES DE ARAUJO JORGE

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
JORGE, ARTUR GUIMARÃES DE ARAÚJO

JORGE, Artur Guimarães de Araújo

*diplomata; emb. Bras. Chile 1935; secr. Pres. Rep. 1935; emb. Bras. Portugal 1936-1943.

Artur Guimarães de Araújo Jorge nasceu em Paulo Afonso (AL) no dia 29 de setembro de 1884, filho de Rodrigo Afonso Araújo Jorge e de Emília Guimarães de Araújo Jorge.

Matriculou-se em 1900 na Faculdade de Direito de Recife, pela qual se bacharelou em 1904. A partir desse ano tornou-se professor de história natural e filosofia do direito do Instituto Leibnitz, onde foi diretor da Revista Jurídica, além de colaborar por dois anos na revista Cultura Acadêmica, ambas em Recife. Ainda nessa cidade fundou o semanário A Tribuna.

Nomeado em junho de 1905 secretário-auxiliar do Tribunal Arbitral Brasileiro-Boliviano, sediado no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, em janeiro do ano seguinte exerceu a mesma função no Tribunal Arbitral Brasileiro-Peruano, também com sede no Rio de Janeiro. Os objetivos dessas cortes eram fixar de comum acordo as fronteiras entre os países interessados.

Em abril de 1906 entrou para o serviço regular do Ministério das Relações Exteriores como amanuense, sendo designado em julho seguinte secretário da delegação brasileira à III Conferência Internacional Americana. Promovido a terceiro-oficial em agosto de 1907, passou a atuar como oficial-de-gabinete do ministro José Maria da Silva Paranhos, barão do Rio Branco (1902-1912), de quem se tornou secretário particular e acompanhante em suas missões diplomáticas. Graças ao patrocínio de Paranhos, fundou em 1909 a Revista Americana, editada mensalmente no Rio de Janeiro, sendo promovido a segundo-oficial em março de 1911.

Com a morte do barão do Rio Branco no ano seguinte, deixou a função de oficial-de-gabinete, seguindo em fevereiro de 1913 para a Alemanha em comissão. Em maio do mesmo ano foi promovido a primeiro-oficial e, após visitar o Oriente, o Egito e o norte da África, retornou à Secretaria do Itamarati, no Rio de Janeiro, em março de 1914, aí assumindo, por alguns meses, a direção da Seção de Negócios Políticos e Diplomáticos da Europa, função que exerceu até 1915. De abril a junho desse ano atuou como secretário do ministro das Relações Exteriores Lauro Müller (1912-1917) em sua viagem à Argentina e ao Chile por ocasião da assinatura, por esses países, do Tratado do ABC. Em agosto seguinte tornou-se oficial-de-gabinete do subsecretário Gastão da Cunha, tendo estado em comissão nos Estados Unidos entre novembro de 1915 e janeiro do ano seguinte, quando assistiu ao II Congresso Científico Pan-Americano, reunido em Washington.

Entre 1916 e 1917 exerceu na Secretaria do Itamarati a função de diretor dos Negócios Políticos e Diplomáticos da América, tornando-se chefe de seção em abril de 1918, quando foi designado para chefiar a Seção de Negócios Econômicos e Comerciais. No ano seguinte assumiu a chefia da Seção dos Negócios Consulares e Comerciais, passando também a responder pela direção geral dos Negócios Econômicos e Consulares. Permaneceu nessa última seção até 1920, quando foi nomeado diretor-geral da Seção dos Negócios Políticos e Diplomáticos, ocupando esse cargo até o ano seguinte. Em dezembro de 1923 voltou a ser designado para a Seção dos Negócios Políticos e Diplomáticos da América e, em março do ano seguinte, para a Seção de Limites e Atos Internacionais.

Nomeado em julho de 1925 enviado extraordinário e ministro plenipotenciário do Brasil em missão especial em La Paz, na Bolívia, permaneceu no posto por dois meses, retornando então ao Rio de Janeiro. Em novembro de 1926 foi novamente designado enviado especial e ministro plenipotenciário, dessa vez para servir em Cuba e na América Central, assumindo o posto em Havana em fevereiro de 1927. A partir desse ano visitou diversos países centro-americanos, tendo representado o Brasil em 1928 na Conferência de Conciliação e Arbitragem, realizada em Washington. Removido para Assunção, no Paraguai, assumiu o posto em julho do ano seguinte, sendo transferido em fevereiro de 1931 para a embaixada brasileira em Montevidéu. Permaneceu na capital uruguaia até agosto de 1933, sendo removido para Berlim em outubro do mesmo ano.

Promovido a embaixador em fevereiro de 1935, foi comissionado em Santiago do Chile, onde substituiu Carlos Celso de Ouro Preto, permanecendo no posto até o mês seguinte, quando retornou ao Brasil para se tornar secretário do presidente Getúlio Vargas. Exerceu essa função de abril a julho de 1935, data a partir da qual reassumiu o posto em Santiago. Deixou a capital chilena em dezembro do mesmo ano, sendo substituído por Gilberto Amado e transferido ainda nesse mês para a embaixada brasileira em Lisboa, onde assumiu suas funções em maio de 1936 em substituição a Luís Guimarães Fernandes Pinheiro. Em 1941 representou o Brasil no Congresso Luso-Brasileiro de História, reunido em Lisboa. Aposentado por limite de idade em abril de 1943, foi substituído por João Neves da Fontoura à frente da embaixada brasileira em Portugal.

Historiador e escritor, foi membro do Instituto de Coimbra e da Academia Portuguesa de História, além de sócio-correspondente da Academia de Ciências de Portugal e secretário, no Brasil, da Carnegie Endowment for International Peace.

Casou-se com Helena Caneco de Araújo Jorge, com quem teve um filho.

Publicou Problemas de filosofia biológica (1905), Jesus Cristo e a psicologia mórbida (1909), Ensaios da história diplomática do Brasil no regime republicano: 1ª série 1889-1902 (1912), História diplomática do Brasil holandês (1914), História diplomática do Brasil francês (1915), Ensaios de história e crítica (1915) e Introdução às obras do barão do Rio Branco (1945), além de artigos que escreveu para a Revista Americana e a Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.

FONTES: ARQ. GETÚLIO VARGAS; COUTINHO, A. Brasil; Diário do Congresso Nacional; GUIMARÃES, A. Dic.; MIN. REL. EXT. Anuário; OLIVEIRA, J. Dic.; PEIXOTO, A. Getúlio; SILVA, I. Dic.

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados