BENEDITO ANTONIO COTA GUIMARAES

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: GUIMARÃES, Benedito
Nome Completo: BENEDITO ANTONIO COTA GUIMARAES

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
GUIMARÃES, BENEDITO

GUIMARÃES, Benedito

*dep. fed. PA 1995-1999.

Benedito Antônio Cota Guimarães nasceu em Santarém (PA) no dia 17 de julho de 1943, filho de Arbelo Capos Guimarães e de Ada Célia Cota Guimarães.

Cursou o científico, entre 1960 e 1964, no Colégio Dom Amado, em sua cidade natal. Empresário, filiou-se em 1968 à Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido de sustentação ao regime militar instalado no país em abril de 1964. Após a extinção do bipartidarismo e a reformulação partidária, promovida em 29 de novembro de 1979, ingressou em 1980 no Partido Democrático Social (PDS), sucessor da Arena.

Em novembro de 1988 foi eleito vereador constituinte por Santarém, na legenda do PDS. Liderou o partido na Câmara de 1989 até 1991, participando da elaboração da Lei Orgânica, em 1990, ano em que se elegeu deputado estadual. Na Assembléia Legislativa paraense, a partir de fevereiro de 1991 presidiu a Comissão de Indústria, Comércio e Agricultura e participou da de Transportes. Foi presidente do diretório regional do PDS entre 1991 e 1993, quando se filiou ao Partido Progressista Reformador (PPR), resultado da fusão do PDS com o Partido Democrata Cristão (PDC). Também presidiu o diretório regional da nova agremiação, até 1995.

Em outubro de 1994 foi eleito para a Câmara dos Deputados pelo Pará, com votos obtidos principalmente no oeste do estado. Atuou, então, na Comissão de Viação e Transportes. Em agosto filiou-se ao Partido Progressista Brasileiro (PPB), fruto de nova fusão, do PPR com o Partido Progressista (PP).

Por ocasião da votação das emendas à Constituição enviadas pelo presidente Fernando Henrique Cardoso em 1995, a serem regulamentadas por lei, votou pelo fim do monopólio estatal das telecomunicações, da Petrobras na exploração do petróleo e dos governos estaduais na distribuição de gás canalizado; e pelo fim das diferenciações legais entre empresas nacionais e estrangeiras.

Em junho do mesmo ano votou contra a criação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) — que substituiu o Imposto Provisório sobre Movimentação Financeira (IPMF) —, tributo de 0,2% sobre transações bancárias criado como fonte complementar de recursos para a saúde. Em outubro candidatou-se à prefeitura de Santarém, mas não foi eleito.

Em janeiro e fevereiro de 1997 ausentou-se da votação da emenda que permitia a reeleição para presidente, governadores e prefeitos. Em novembro seguinte foi a favor da quebra da estabilidade do servidor público, item da reforma administrativa.

Concorreu à reeleição em outubro de 1998, sem sucesso. Em novembro seguinte esteve ausente da votação que estabelecia idade mínima e tempo de contribuição para o setor privado, mas votou a favor do estabelecimento do teto de 1.200 reais para aposentadorias no setor público, itens que definiram a reforma da previdência.

Ao término do seu mandato e da legislatura no fim de janeiro de 1999, deixou a Câmara dos Deputados.

Casou-se com Ana de Sena Ribeiro Guimarães, com quem teve dois filhos.

FONTES: Boletim DIAP (8/96 e 10/98); CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1995-1999); Olho no Congresso/Folha de S. Paulo (31/1/95 e 14/1/96) e Olho no voto/Folha de S. Paulo (29/9/98); TRIB. SUP. ELEIT. Relação (1998).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados