BENEDITO CLAUDIO PINGA-FOGO DE OLIVEIRA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: OLIVEIRA, Pinga-fogo de
Nome Completo: BENEDITO CLAUDIO PINGA-FOGO DE OLIVEIRA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
OLIVEIRA, PINGA-FOGO DE

OLIVEIRA, Pinga-Fogo de

*dep. fed. PR 1991-1994.

 

Benedito Cláudio Pinga-Fogo de Oliveira nasceu em Monte Santo de Minas (MG) no dia 20 de junho de 1952, filho de Benedito Sérgio de Oliveira e de Maria Joaquina de Oliveira.

Vigilante noturno e mais tarde radialista de sucesso — apresentou um programa diário na rádio Cidade de Jandaia, em Jandaia do Sul (PR), no qual distribuía cadeiras de rodas, óculos, muletas, dentaduras etc. — candidatou-se a uma vaga na Câmara dos Deputados em outubro de 1990 na legenda do Partido da Reconstrução Nacional (PRN), agremiação que elegera, em dezembro do ano anterior, Fernando Collor de Melo presidente da República. Eleito com a segunda maior votação do Paraná — 58.474 votos —, assumiu o mandato em fevereiro de 1991. Nesse mesmo ano, foi titular da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática.

Pinga-Fogo de Oliveira ganhou notoriedade no cenário político nacional por seu envolvimento em sucessivos escândalos. Logo após ter votado a favor da abertura do processo do impeachment do presidente Fernando Collor de Melo na sessão da Câmara dos Deputados de 29 de setembro de 1992, foi acusado de ter recebido propina para votar contra a medida. Collor fora acusado de crime de responsabilidade por ligações com um esquema de corrupção liderado pelo ex-tesoureiro de sua campanha presidencial, Paulo César Farias. Afastado da presidência logo após a votação na Câmara, renunciou ao mandato em 29 de dezembro de 1992, pouco antes da conclusão do processo pelo Senado Federal, sendo efetivado na presidência da República o vice Itamar Franco, que já vinha exercendo o cargo interinamente desde a decisão da Câmara.

Menos de um ano depois, em 1993, Pinga-Fogo foi alvo de novas acusações. Nessa oportunidade, a imprensa noticiou que ele teria recebido propina para deixar o Partido Progressista (PP), ao qual se filiara após o impeachment, e ingressar no Partido Social Democrático (PSD). Ele chegou a assinar a ficha de filiação do PSD, porém, quando o caso veio à tona, trocou novamente de partido e acabou ingressando no Partido Democrático Trabalhista (PDT). A Corregedoria da Câmara chegou a investigá-lo, mas seu envolvimento no episódio não foi comprovado.

Em abril de 1994, Pinga-Fogo de Oliveira renunciou ao seu mandato, faltando apenas dez meses para concluí-lo, afirmando estar decepcionado com o Congresso e de não ter conseguido cumprir seus objetivos. Na ocasião, foi acusado pelo deputado Pedro Tonelli (PT-PR) de ter vendido o mandato, pois, estando altamente endividado com o Banco do Brasil, teria renunciado para que seu suplente Abelardo Lupion (PFL-PR), rico empresário paranaense, pudesse assumir, em troca da quitação das dívidas. Ainda em abril, desfiliou-se do PDT e saiu definitivamente da cena política.

Retomando suas atividades jornalísticas, fundou, em 1994, o Sistema Pinga-Fogo de Comunicações, com sede em Maringá (PR). Durante os anos 2000, angariou ampla notoriedade na região por meio de um programa de TV de grande audiência. Nesse período, Pinga-Fogo de Oliveira tornou-se um empresário de sucesso no ramo das comunicações nas regiões norte e noroeste do Paraná, dirigindo um sistema de rádio comandado pela rádio Nova Ingá AM de Maringá e apresentando também programa diário de grande audiência intitulado Pinga-Fogo na TV, na TV Maringá (Canal 6), emissora afiliada à Rede Bandeirantes.

Casou-se com Lílian Cristina de Oliveira, com quem teve quatro filhos.

 

FONTES: CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1991-1995); Estado de S. Paulo (8/4/94); Folha de S. Paulo (7 e 8/4/94); Globo (7/4/94); INF. BIOG.; Jornal do Brasil (8/4/94); Perfil parlamentar/IstoÉ.

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados