Josué Bengtson

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: BENGTSON, Josué
Nome Completo: Josué Bengtson

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
BENGSTON, Josué

BENGTSON, Josué

*dep. fed. PA. 1999- 2007

 

Josué Bengtson nasceu em Getulina (SP) no dia 25 de maio de 1944, filho de João André Bengtson e de Elza Luiza Bengtson.

Pastor evangélico formou-se em teologia pelo Instituto Teológico Quadrangular de São Paulo, em 1973. Desde 1976, passou a exercer atividades profissionais relacionadas à Igreja Quadrangular. Foi supervisor na Igreja Quadrangular Brasileira Norte-Nordeste entre 1976 e 1988, secretário-executivo da mesma instituição de 1988 a 1992 e supervisor da Igreja no Pará entre 1992 e 2001, presidente do Conselho Estadual da Igreja, também no Pará, no período 2001-2004, e presidente da Igreja do Evangelho Quadrangular no Pará a partir de  2006.

Em 1997 filiou-se ao Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), por cuja legenda elegeu-se deputado federal nas eleições de 1998. Ao tomar posse, em 1º de fevereiro de 1999, passou a integrar a chamada bancada evangélica no Congresso. Foi vice-líder do PTB, em 2000 e neste mesmo ano, candidatou-se à vice-prefeitura de Belém na chapa de Zenaldo Coutinho, pela coligação  formada pelo PTB e pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). Obteve apenas a terceira colocação, atrás da chapa liderada por Duciomar Gomes da Costa, da coligação entre o Partido Social Democrata (PSD), o Partido Liberal (PL), o Partido Democrático Trabalhista (PDT) e o Partido Verde (PV), e da coligação vencedora no segundo turno, a de Edmilson Brito Rodrigues, que reunia o Partido dos Trabalhadores (PT), o Partido Socialista Brasileiro (PSB), o Partido Popular Socialista (PPS), o Partido Comunista do Brasil (PC do B) e o Partido Comunista Brasileiro (PCB).

Reelegeu-se para a Câmara dos Deputados nas eleições de 2002. Assumiu o novo mandato em fevereiro do ano seguinte e integrou, como titular, as Comissões de Trabalho, Administração e Serviço Público. Foi também vice-presidente da Comissão de Agricultura e Política Rural e presidiu as comissões de Amazônia e de Desenvolvimento Regional e Turismo e Desporto.

Pretendia concorrer à Câmara Federal novamente em 2006, mas voltou atrás quando seu nome foi citado no relatório da “CPI dos Sanguessugas”, formada em junho de 2006, para apurar o desvio de recursos públicos e a fraude na licitação para compra de ambulâncias  iniciado em 2001. O deputado anunciou a desistência na noite do dia 16 de agosto de 2006 em Belém, durante um encontro de pastores da Igreja do Evangelho Quadrangular paraense, da qual era então presidente.

Apontado como um dos principais responsáveis pelo comando político da organização responsável pela fraude das ambulâncias dentro do Congresso Nacional, Bengston foi acusado de ter recebido mais de R$ 93 mil em propina pela apresentação de emendas, nos exercícios de 2001 e 2004, para aquisição de unidades móveis de saúde. Em novembro de 2006, apresentou ao Conselho de Ética da Câmara sua defesa, negando o envolvimento no caso e justificou-se caracterizando como ofertas e empréstimos para pagamentos de dívidas de campanha e doações em dinheiro feitas à Igreja Quadrangular os depósitos localizados em sua conta.

Com a desistência para as eleições em 2006, deixou a Câmara em Fevereiro de 2007, quando retomou sua dedicação à Igreja do Evangelho Quadrangular, no Pará.

Ainda em 2007, o Ministério Público Federal ofereceu denúncia à Justiça sobre o seu envolvimento no esquema citado.Em Outubro de 2010, voltou a concorrer para a Câmara dos Deputados. Foi eleito com 112.212 votos. Assumiu seu novo mandato em Fevereiro de 2011, quando voltou também a ser titular na Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural.

Foi Vice-líder do PTB na Câmara e integrou a chamada bancada ruralista, tendo defendido a aprovação do Novo Código Florestal, que suscitou polêmica e intensos debates com os ambientalistas, por promover alterações na legislação referente à preservação da fauna e da flora originais.

 

 

 

FONTES: Portal da Câmara dos Deputados. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br>. Acesso em 07/04/2009 e 09/10/2013; Portal do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar. Disponível em: <http://www.diap.org.br>. Acesso em 09/10/2013; Portal do jornal Folha de São Paulo. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br>. Acesso em 12/04/2009; Portal G1 de Notícias. Disponível em: <http://g1.globo.com>. Acesso em 09/10/2013; Portal Observatório da Imprensa. Disponível em: <http://www.observatoriodaimprensa.com.br/>. Acesso em 12/04/2009; Portal do Partido Trabalhista Brasileiro. Disponível em: <http://www.ptb.org.br> acesso em 23/03/2009; Portal do Tribunal Regional do Pará. Disponível em: <http://www.tre-pa.jus.br>. Acesso em 12/04/2009; Portal do Tribunal Superior Eleitoral. Disponível em: <http://www.tse.jus.br/>. Acesso em 09/10/2013.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados