BOSSA NOVA DA UDN

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: BOSSA NOVA DA UDN
Nome Completo: BOSSA NOVA DA UDN

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
BOSSA NOVA DA UDN

BOSSA NOVA DA UDN

A facção da União Democrática Nacional (UDN) caracterizada pela divergência com a linha tradicional do partido em face das propostas de reformas políticas no início da década de 1960 tornou-se conhecida pela denominação de “Bossa Nova”, por analogia ao conhecido movimento da música popular brasileira.

As primeiras articulações datam do último ano do governo Kubitschek, quando o grupo se auto-intitulava “movimento renovador” e se identificava pela estreita vinculação com a candidatura do governador paulista Jânio Quadros às eleições presidenciais de outubro de 1960. Os objetivos do “movimento” foram expostos pela primeira vez ao diretório nacional da UDN, então presidido por José de Magalhães Pinto, em fevereiro de 1960, por Clóvis Ferro Costa (PA) e José Sarney (MA), que advogaram “a adoção de nova tática política para corresponder aos anseios populares”. A confiança generalizada na vitória do partido nas eleições de outubro contribuiu para diminuir a veemência da oposição udenista ao governo que findava, apesar do tradicional radicalismo da “Banda de Música”. Nesse primeiro momento o apoio à candidatura de Jânio Quadros tornou-se o denominador comum entre os grupos que viriam a formar a “Bossa Nova” e a “Banda de Música”: ambos renunciaram à tradição das “derrotas gloriosas” do partido e contribuíram para o esvaziamento da candidatura udenista de Juraci Magalhães.

Na convenção nacional da UDN realizada em Recife em abril de 1961, o grupo surgiu ostensivamente, já com a denominação “Bossa Nova”, e se apresentou como defensor de uma linha de “centro-esquerda”, inspirada no “programa de desenvolvimento com justiça social da doutrina social da Igreja”. Em termos políticos, isso significava o apoio às propostas reformistas do então presidente Jânio Quadros, consideradas “nacionalistas” e de “interesse popular”, entre as quais se incluíam a Lei Antitruste e de Remessa de Lucros, a defesa das riquezas minerais, o combate à inflação, a reforma da Lei do Imposto de Renda e a extinção das ações ao portador. Nessa convenção foi eleito presidente do partido um membro da “Banda de Música”, o deputado paulista Herbert Levy, e Carlos Lacerda, eleito governador da Guanabara, investiu violentamente contra o programa da “Bossa Nova”, alertando para os “inegáveis riscos do nacionalismo” e os perigos do “comunismo disfarçado”.

A “Bossa Nova” passou a enfrentar, na cúpula partidária e no Congresso, a oposição tenaz da “Banda de Música”, que acusava os dissidentes de “filocomunistas”. Nesse sentido, os udenistas “tradicionais” procuravam identificar a “Bossa Nova” com os chamados “chapas-brancas”, acusando a ambos de adesismo e oportunismo, ou melhor, qualificando a “Bossa Nova” de “versão moderna da chapa-branca com tendências esquerdistas”. Uma distinção se impõe: a “Bossa Nova” tinha uma posição política definida e seus membros se identificavam com ela, auto-intitulando-se “bossa-novistas”. Os udenistas “chapas-brancas”, em geral políticos das regiões Norte e Nordeste, extremamente dependentes do governo federal, jamais defendiam posições por “princípios”, mas por “nomeações e verbas”, pois daí dependia seu poder estadual ou municipal. Além disso, é óbvio que, sendo “chapa-branca” uma designação pejorativa (alusão ao “governismo” dos parlamentares), ninguém assumia tal denominação. Os “chapas-brancas”, por outro lado, tinham uma íntima associação com a “Banda de Música”, a qual estimulavam, pois de sua atuação radical dependia o valor do “adesismo”: quanto mais violento fosse o ataque da UDN ao governo, mais rendimentos eleitorais os “chapas-brancas” poderiam auferir nos seus estados, nas suas bases municipais, através do apoio ao governo.

Os principais inspiradores da “Bossa-Nova” foram José Aparecido de Oliveira (MG), José Sarney (MA), Clóvis Ferro Costa (PA) e João Seixas Dória (SE). Acompanharam as posições da “Bossa Nova”, entre outros, o senador João Agripino — que anteriormente pertencera à “Banda de Música”, mas se destacara na defesa de teses nacionalistas, opondo-se ao grupo lacerdista — e os seguintes deputados: Adail Barreto (CE), Adolfo de Oliveira (PA), Arnaldo Nogueira (GB), Celso Passos (MG), Djalma Marinho (RN), Edilson Távora (CE), Édison Garcia (MT), Francelino Pereira (MG), Heitor Cavalcanti (PI), José Carlos Guerra (PE), José Meira (PE), Simão da Cunha (MG), Wilson Falcão (BA) e Wilson Martins (MT). “Chapas-brancas” notórios como Virgílio Távora (CE), Leandro Maciel (SE), José Cândido Ferraz (PI) ou Antônio Carlos Magalhães (BA) podiam, eventualmente, apoiar propostas da “Bossa Nova”, mas não tinham interesse em efetivar filiação a grupo algum.

Após a renúncia de Jânio Quadros, a “Bossa Nova” manteve sua posição reformista e sua tática de aproximação com o governo federal. Membros da “Bossa Nova” ingressaram na Frente Parlamentar Nacionalista (que contava com 28,6% de udenistas) em aliança com a Ala Moça do PSD (Partido Social Democrático), o “Grupo Compacto” do PTB (Partido Trabalhista Brasileiro) e a ala progressista do PDC (Partido Democrata Cristão) para reforçar o apoio às reformas de base propostas pelo governo João Goulart. O momento decisivo da atuação dissidente da “Bossa Nova” ocorreu durante a convenção nacional do partido, realizada em Curitiba em abril de 1963, quando se evidenciou a ruptura com os udenistas tradicionais, ou seja, os “bacharéis” da “Banda de Música”, os radicais lacerdistas e os vinculados à Ação Democrática Parlamentar. O grupo da “Bossa Nova”, nessa ocasião fortalecido pelo apoio dos governadores udenistas Magalhães Pinto (MG), Petrônio Portela (PI) e Seixas Dória (SE), apresentou uma moção em defesa das reformas agrária, bancária, tributária e urbana, manifestou-se favorável à política externa independente e ao Plano Trienal do governo, e defendeu a consolidação de Brasília, a democratização do ensino, o monopólio estatal do petróleo e a Eletrobrás. A discussão em torno da reforma agrária tornou-se o divisor de águas: a “Bossa Nova” defendia a reforma agrária com emenda à Constituição, aceitando, inclusive, a tese do PTB de “arrendamento compulsório” (“estamos com a reforma constitucional. Não haverá reforma agrária séria e autêntica sem a reforma da Constituição”, dizia o manifesto da “Bossa Nova”), enquanto para os conservadores e para os lacerdistas “a Constituição é intocável”. Este ponto de vista prevaleceu na convenção, o que, no dizer de um udenista histórico, “prova o caudalismo reacionário do partido” (Afonso Arinos, A Escalada).

Outra grande questão que opôs a “Bossa Nova” e a “Banda de Música”, já em meados de 1964, foi a discussão em torno da aprovação do projeto do governo de alteração da Lei de Remessa de Lucros. Pela primeira vez a UDN, através de seu presidente Bilac Pinto, pediu “questão fechada” em favor do projeto. A “Bossa Nova” se opôs, optando pela demissão da Comissão de Economia dos deputados “bossa-novistas” José Carlos Guerra (PE) e Simão da Cunha (MG).

As clivagens no interior do partido se aprofundaram com as perspectivas de eleições presidenciais em 1965. A “Bossa Nova” manteve-se coesa, articulando as candidaturas de Magalhães Pinto para presidente e Seixas Dória para vice. A “Banda de Música” ficou dividida, pois se o “candidato natural” era Carlos Lacerda, ilustres membros do grupo, como Aliomar Baleeiro e Bilac Pinto, não escondiam suas reservas frente às pretensões lacerdistas. Carlos Lacerda, no entanto, viu seu nome homologado pela convenção nacional do partido, realizada em São Paulo em novembro de 1964, e seu candidato Ernâni Sátiro derrotou Aliomar Baleeiro na disputa pela presidência do partido na convenção de Niterói, em abril de 1965. A extinção dos partidos e o prolongamento do mandato do presidente Castelo Branco por força do Ato Institucional nº 2, de outubro de 1965, não apenas liquidaram com a candidatura de Lacerda, como também dissolveram as principais razões para as divergências entre os grupos rivais “Bossa Nova” e “Banda de Música”. Membros dos dois grupos participaram, indistintamente, dos movimentos de oposição ou de apoio ao novo regime, e dos dois lados houve cassações de mandatos parlamentares. Antigos adversários uniram-se na Frente Ampla (Carlos Lacerda e José Aparecido) ou na direção da Aliança Renovadora Nacional (Arena).

Ao contrário da “Banda de Música”, cujo espírito essencialmente bacharelesco e oposicionista parece ter encarnado uma certa “tradição udenista”, a “Bossa Nova” permaneceu, aos olhos dos estudiosos dos partidos brasileiros, como um exemplo típico da ambigüidade nas composições partidárias, quando os critérios de políticas regionais prevalecem sobre o que seria o programa ou a “ideologia” do partido.

Dos principais líderes da “Bossa Nova”, José Aparecido, Ferro Costa e Seixas Dória tiveram seus direitos políticos suspensos por dez anos. José Sarney, Magalhães Pinto e Petrônio Portela ingressaram na Arena e mantiveram-se estreitamente vinculados aos governos militares pós-1964.

Maria Vitória Benevides

colaboração especial

 

 

FONTES: BENEVIDES, M. UDN; FRANCO, A. Escalada; PICALUGA, I. Partidos; SOARES, O. UDN.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados