BOTELHO, ANISIO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: BOTELHO, Anísio
Nome Completo: BOTELHO, ANISIO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
BOTELHO, ANÍSIO

BOTELHO, Anísio

*militar; comte. IV ZA 1963; min. Aer. 1963-1964.

 

Anísio Botelho nasceu em Cuiabá no dia 31 de dezembro de 1908, filho de Aniceto Pinto Botelho e de Leodomila Lima de Almeida Botelho.

Sentou praça em abril de 1926 ao ingressar na Escola Militar do Realengo, no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, tendo pertencido à quarta turma de cadetes que, em novembro de 1930, foram declarados aspirantes-a-oficiais da arma de aviação.

Promovido a segundo-tenente em junho do ano seguinte, chegou a primeiro-tenente em junho de 1933 e a capitão em junho de 1934. Com a criação do Ministério da Aeronáutica em janeiro de 1941, passou a integrar a Força Aérea Brasileira (FAB) no posto de capitão aviador, sendo promovido a major-aviador em dezembro do mesmo ano. De março do ano seguinte a outubro de 1944 comandou a Base Aérea de São Paulo (Campo de Marte), alcançando nesse ínterim o posto de tenente-coronel aviador em fevereiro de 1944. De outubro desse ano a abril de 1945 exerceu o comando do 2º Regimento de Aviação, no Campo de Marte, assumindo em fevereiro do ano seguinte o comando do 1º Grupo de Patrulha, sediado em Belém, que ocupou até março de 1947.

Promovido a coronel-aviador em setembro de 1950, foi nomeado comandante da Escola de Especialistas de Guaratinguetá (SP), sendo o primeiro a ocupar este posto. Em 1953, chefiou a Comissão de Compras, em Washington (EUA). Foi chefe de gabinete do ministro da Aeronáutica, major-brigadeiro Vasco Alves Seco, de 1955 a 1956. Tornou-se brigadeiro-do-ar em julho do ano seguinte, sendo designado comandante do Comando de Transporte Aéreo (Comta), cargo que deixou em janeiro de 1961. Promovido a major-brigadeiro no ano seguinte, em 1963 assumiu o comando da IV Zona Aérea (IV ZA), com sede em São Paulo, pela qual respondeu até junho do mesmo ano.

Ao constituir o segundo ministério da fase presidencialista de seu governo, o presidente João Goulart (1961-1964) nomeou Anísio Botelho, em junho de 1963, ministro da Aeronáutica em substituição ao brigadeiro Reinaldo Joaquim Ribeiro de Carvalho Filho. Botelho teve problemas na organização do gabinete diante da situação de confronto existente na força aérea. Em setembro de 1963, desencadeou-se, em Brasília, o movimento chamado de Revolta dos Sargentos, com participação de elementos da Marinha e da Aeronáutica, e logo dominado.

Em outubro do mesmo ano, a imprensa divulgou trechos de uma entrevista do governador da Guanabara, Carlos Lacerda, a um jornal norte-americano na qual afirmava que o governo de Goulart poderia cair antes do fim do ano, estando os militares preocupados diante das alternativas de que seria “melhor tutelá-lo, colocá-lo sob controle até o término de seu mandato ou destituí-lo agora mesmo”. Os ministros militares — brigadeiro Anísio Botelho, da Aeronáutica, general Jair Dantas Ribeiro, da Guerra, e almirante Sílvio Mota, da Marinha — consideraram a entrevista injuriosa às forças armadas e, em nota conjunta, taxaram a atitude de Lacerda de ato impatriótico, passando a exigir a decretação do estado de sítio e a punição do governador. Diante disso, Goulart encaminhou mensagem ao Congresso solicitando que a medida fosse adotada em todo o território nacional. A reduzida receptividade a essa providência, porém, levou-o a retirar o pedido.

No dia 31 de março de 1964, um movimento político-militar depôs Goulart, empossando na chefia da nação uma junta militar autodenominada Comando Supremo da Revolução, constituída pelo general Artur da Costa e Silva, o brigadeiro Francisco de Assis Correia de Melo e o almirante Augusto Rademaker, sendo o exercício formal da presidência confiado a Pascoal Ranieri Mazzilli, presidente da Câmara dos Deputados. Anísio Botelho permaneceu à frente do Ministério da Aeronáutica até o dia 4 de abril do mesmo ano, quando foi substituído pelo brigadeiro Francisco de Assis Correia de Melo.

No dia 13 do mesmo mês passou para a reserva e, no dia seguinte, teve seus direitos políticos suspensos pelo prazo de dez anos por decisão do Comando Supremo da Revolução, com base no Ato Institucional nº 1 (AI-1), que, editado no dia 9 de abril de 1964 pela junta militar que substituiu Goulart, constituiu o primeiro elemento formalizador das transformações políticas introduzidas pelo movimento de 31 de março. O AI-1 permitiu punições extralegais de adversários do novo regime — cassações, demissões, expulsões —, determinando ainda a eleição indireta do presidente da República e transferindo para o Executivo importantes atribuições do Legislativo.

Durante sua carreira militar fez, ainda, os cursos de aperfeiçoamento de oficiais da Aeronáutica, de estado-maior e superior de comando dessa força.

Faleceu no Rio de Janeiro no dia 7 de março de 1986.

Era casado com Sotair Fernandes Botelho, com quem teve dois filhos.

 

FONTES: Diário Oficial (14/4/64); Encic. Mirador; Grande encic. Delta; MIN. AER. Almanaque (1963); SOUSA, J. Ministros; VÍTOR, M. Cinco; WANDERLEY, N. História.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados