BRAGA, ANTONIO DE VILHENA FERREIRA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: BRAGA, Antônio de Vilhena Ferreira
Nome Completo: BRAGA, ANTONIO DE VILHENA FERREIRA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
BRAGA, ANTÔNIO DE VILHENA FERREIRA

BRAGA, Antônio de Vilhena Ferreira

*diplomata; emb. Bras. Chile 1955-1959.

 

Antônio de Vilhena Ferreira Braga nasceu no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, no dia 2 de agosto de 1894.

Formou-se, em 1915, engenheiro civil pela Escola Politécnica do Rio de Janeiro. Em outubro de 1917 foi nomeado oficial-de-gabinete do ministro da Justiça, Carlos Maximiliano Pereira dos Santos (1914-1918).

Ingressou nos quadros do Itamarati em abril de 1918, como terceiro-oficial no gabinete do subsecretário de Estado. Serviu em 1922 na comissão organizadora dos festejos do centenário da Independência e, depois, como oficial-de-gabinete do presidente Artur Bernardes. Promovido a segundo-secretário em março de 1924, foi mandado em comissão do governo à Europa em 1926, tornando-se posteriormente oficial-de-gabinete do presidente Washington Luís (1926-1930). Depois de 1930, serviu no México, de janeiro de 1931 a maio de 1934, e em Haia, de maio de 1934 a junho de 1935. Removido para o Rio de Janeiro, participou, em dezembro de 1935, da comissão incumbida de organizar uma coletânea de precedentes e documentos diplomáticos brasileiros. Ainda no Rio de Janeiro, foi membro da comissão constituída com o fim de proceder ao estudo das questões constantes do programa da Conferência Interamericana de Consolidação da Paz em outubro de 1936.

Promovido a primeiro-secretário em fevereiro de 1937, foi designado para acompanhar, na qualidade de representante do Ministério das Relações Exteriores, os trabalhos da Comissão Mista Brasileiro-Paraguaia, instituída por acordo celebrado entre os governos do Brasil e do Paraguai em junho de 1937. Transferido para Assunção em abril de 1938, atuou como encarregado de negócios da embaixada brasileira por diversos períodos, entre 1938 e 1942. Nessas ocasiões, substituiu os embaixadores Lafayette de Carvalho e Silva (1935-1940) e Protásio Batista Gonçalves (1940-1942). De volta ao Rio de Janeiro, em abril de 1943 foi secretário-geral da comissão de recepção ao general Higino Morinigo Martinez, presidente do Paraguai e, em junho do mesmo ano, integrou a comissão de recepção a Enrique Peñaranda Castillo, presidente da Bolívia.

Promovido a ministro de segunda classe em dezembro de 1943, chefiou a Divisão Econômica e Comercial em janeiro de 1944, presidiu a Subcomissão de Assuntos Internacionais da Comissão Executiva Têxtil em setembro, representou o Brasil junto à Comissão Mista Brasileira-Chilena, com sede no Rio de Janeiro, em outubro, e foi membro da Comissão Executiva Têxtil em novembro. Membro da Comissão de Controle dos Acordos de Washington, chefiou a Divisão Econômica do Departamento Econômico e Consular em abril de 1946. Em julho do mesmo ano, foi designado para exercer como substituto a função de presidente da Comissão Nacional do Trigo e, em setembro, foi nomeado para constituir, como representante do Ministério das Relações Exteriores, a comissão encarregada de estudar e coordenar as questões de interesse do Brasil a serem tratadas na Conferência Internacional do Comércio Exterior (CICE), realizada em Londres. Em janeiro de 1947, foi designado para assessorar os trabalhos referentes à CICE, no intuito de estabelecer a continuidade dos estudos técnicos para a representação do Brasil na segunda sessão da mesma conferência.

Como ministro plenipotenciário, chefiou a delegação do Brasil na segunda sessão da comissão preparatória da CICE em Genebra em abril do mesmo ano e, no mês seguinte, representou o Brasil na segunda sessão da Comissão de Transportes Internos da Organização Internacional do Trabalho. Chefiou, na qualidade de ministro plenipotenciário, a representação do Brasil enviada à CICE, reunida em Havana em novembro de 1947. Tendo estado, interinamente, à frente do Departamento Econômico e Consular em setembro de 1948, representou o Ministério das Relações Exteriores na comissão do Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio (GATT), e chefiou a delegação do Brasil à III Reunião das Partes Contratantes do GATT realizada em Annecy, na França, em abril do ano seguinte.

Transferido para Estocolmo em setembro de 1950, serviu na Suécia de outubro desse ano a janeiro de 1954, quando foi promovido a ministro de primeira classe. Em maio de 1955 assumiu a embaixada do Brasil no Chile, em substituição a Ciro de Freitas Vale, permanecendo em Santiago até agosto de 1959. Foi sucedido por Rubens Ferreira Melo. Nesse período, foi delegado do Brasil à IV Conferência Regional da Food and Agriculture Organization (FAO) na América Latina, realizada na capital chilena em novembro de 1956.

Foi aposentado, compulsoriamente, em 3 de agosto de 1959.

Faleceu no Rio de Janeiro no dia 4 de maio de 1980.

 

 

FONTES: Grande encic. portuguesa; MIN. REL. EXT. Anuário (1980).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados