BRANCO, RAFAEL DE AZEVEDO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: BRANCO, Rafael de Azevedo
Nome Completo: BRANCO, RAFAEL DE AZEVEDO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
BRANCO, RAFAEL DE AZEVEDO

BRANCO, Rafael de Azevedo

*militar; ch. EMA 1984; min. STM 1984–1994

 

Rafael de Azevedo Branco nasceu no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, em 24 de outubro de 1924, filho de Luiz de Azevedo Branco e de Natália Lima de Azevedo Branco.

Ingressou na Escola Naval como aspirante em maio de 1941, sendo declarado guarda-marinha do corpo de Armada em fevereiro de 1945. Nesse mês assumiu o comando da Força Naval do Nordeste e a chefia de máquinas do contratorpedeiro de escolta Benevente, exercendo essa função até julho de 1950. Assumiu então a diretoria de Ensino Naval, permanecendo nesse cargo por apenas um mês, porque foi transferido para a diretoria do Centro de Instrução Almirante Wandenkolk. Em março de 1952 foi promovido a capitão-tenente e em maio fez o curso de máquinas para oficiais. Em outubro assumiu a Diretoria de Pessoal, permanecendo nesse cargo apenas um mês, porque assumiu a Diretoria de Engenharia Naval.

Em abril de 1953 tornou-se comandante do navio Duque de Caxias, cargo que exerceria até março de 1955. Em setembro de 1954 foi promovido a capitão-de-corveta. Em março do ano seguinte fez o Curso Preliminar de Comando da Escola de Guerra Naval, participando da comissão de construção da Base Naval de Recife, concluída em maio de 1957. Em julho desse ano participou da comissão de construção naval no Japão. Em março de 1958 comandou o navio Canopus e no ano seguinte atuou como chefe do departamento de máquinas e como imediato interino.

Em maio de 1959, passou à Superintendência de Navio do Arsenal da Marinha do Rio de Janeiro, função que desempenhou cumulativamente, a partir de dezembro de 1960, com a de adjunto técnico do Departamento de Produção. Em fevereiro do ano seguinte, tornou-se também encarregado interino da Divisão de Reparos Navais, tendo assumido a chefia em novembro.

Em abril de 1962 recebeu promoção a capitão-de-fragata e em novembro tornou-se oficial de logística do Estado Maior do Comando-em-Chefe da Esquadra. Foi oficial de reparos da esquadra de outubro a dezembro de 1963, quando recebeu a indicação para o curso de comando e estado-maior de guerra naval, concluído em abril de 1964. No mês seguinte foi designado para o Estado-Maior da Armada, assumindo a função de ajudante da Divisão de Organização do Material. Ainda em maio, foi nomeado para elaborar estudos sobre “recrutamento e início de carreira do pessoal do corpo subalterno da Armada”, processamento rápido do licenciamento do pessoal, especificando os casos de indenização por invalidez ou incapacidade e por reforma ou reserva, e para elaborar um convênio da Marinha com a Superintendência de Desenvolvimento da Pesca (Sudepe) sobre o destaque de praças para os centros de instrução e treinamento da Sudepe.

De novembro de 1964 a maio de 1965 foi imediato do cruzador Barroso. Em abril de 1965 deixou a função de ajudante na Divisão de Organização de Material. De maio a junho integrou o Estado-Maior do Destacamento Brasileiro da Força Armada Interamericana, sendo posteriormente designado para ficar à disposição da Organização dos Estados Americanos (OEA), a fim de integrar o Estado-Maior da Força Interamericana na República Dominicana. Permaneceu nessa função até janeiro de 1966, quando foi indicado para oficial-de-gabinete do ministro da Marinha e diretor do Serviços e Relações Públicas da Marinha, sendo promovido a capitão-de-mar-e-guerra em setembro desse ano.

Em fevereiro de 1967 assumiu o comando da Base Naval de Salvador. Foi também indicado para o curso superior de comando da Escola de Guerra Naval, concluindo-o em dezembro do mesmo ano. Comandou a Base Naval de Aratu de junho de 1969 a junho de 1970, quando foi designado para a Esquadra, sendo nomeado comandante do porta-aviões Minas Gerais. Exerceu essa função juntamente com a chefia interina do Estado-Maior da Força Aeronaval até julho de 1971. No ano seguinte foi chefe da delegação que disputou o campeonato de pentatlo naval na Suécia. Ainda em agosto foi designado para o EMA.

Em julho de 1973 foi promovido a contra-almirante e em outubro do ano seguinte deixou o EMA. Durante esse período foi também relator da subchefia de planejamento administrativo do EMA e representante da Marinha no Conselho Nacional de Petróleo. Em agosto de 1973 assumiu a subchefia de Planejamento Administrativo do EMA, permanecendo no cargo até outubro de 1974. A partir de outubro, foi adido naval nas embaixadas do Brasil nos Estados Unidos e no Canadá, cumulativamente com os cargos de delegado na Junta Interamericana de Defesa e membro da Comissão Mista de Defesa Brasil-Estados Unidos, com sede em Washington. Retornou ao Brasil em agosto de 1976 e em novembro tornou-se diretor de Armamento da Marinha, acumulando em junho do ano seguinte o cargo de diretor de Comunicações e Eletrônica da Marinha.

Em dezembro de 1977 foi promovido a vice-almirante e também assumiu a presidência da Comissão de Organização do XIX Concurso de Radioamadores Almirante Marquês de Tamandaré. Em fevereiro do ano seguinte assumiu a Diretoria de Armamento e Comunicação da Marinha, e foi novamente presidente da comissão de organização do mesmo concurso. A partir de abril de 1979 tornou-se membro efetivo da Comissão de Promoções de Oficiais da Marinha.

Recebeu o cargo de diretor do Arsenal da Marinha do Rio de Janeiro em outubro de 1980, sendo designado em setembro do ano seguinte para participar do 7º Congresso Pan-Americano de Engenharia Naval, em Viña del Mar, no Chile. Em novembro do ano seguinte foi promovido a almirante-de-esquadra, deixando o Arsenal da Marinha para assumir o cargo de diretor-geral de Material, no qual permaneceria até março de 1984. De julho de 1982 a abril de 1984, foi diretor do conselho de administração da Empresa Gerencial de Projetos Navais (Engepron).

Em março de 1984 assumiu a chefia do EMA, tornando-se membro efetivo do conselho da Ordem do Mérito Naval. Em junho desempenhou a função de ministro interino da Marinha e em julho entregou a chefia do EMA ao almirante Artur Ricart da Costa. No mês seguinte foi nomeado pelo presidente João Figueiredo ministro do Superior Tribunal Militar (STM), em substituição ao também almirante Otávio Sampaio Fernandes.

Em abril de 1987, em plena realização da Assembléia Nacional Constituinte, responsável pela Constituição que seria promulgada no ano seguinte, pronunciou-se, ainda como ministro do STM, contundentemente contra a existência de “prenúncios desavisados, interesseiros ou demagógicos, no sentido de restringir-se a competência da Justiça Militar, não faltando até inconseqüentes que apregoam sua extinção”.

Permaneceu à frente do STM até 1994, quando se aposentou, retirando-se da vida pública.

Casou-se com Linda de Azevedo Branco, com quem teve quatros filhos.

Faleceu no Rio de Janeiro no dia 30 de setembro de 2000.

Mirian de Aragão

 

FONTES: CURRIC. BIOG.; Estado de S. Paulo (26/11/81, 27/7/84, 8/4/87); Globo (9/8/84); INF. BIOG.; Jornal do Brasil (9/8/84).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados