Bruno Cavalcanti de Araújo

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: ARAÚJO, Bruno
Nome Completo: Bruno Cavalcanti de Araújo

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:

ARAÚJO, Bruno


*dep. fed. PE 2007-



Bruno Cavalcanti de Araújo nasceu no Recife (PE) em 15 de março de 1972, filho de Eduardo Gomes de Araújo. Seu pai elegeu-se deputado estadual em Pernambuco, em 1994, pela legenda do Partido da Frente Liberal (PFL).

Em 1991, ingressou no curso de Direito da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), obtendo o grau de bacharel em 1996. Ainda em 1991, iniciou sua vida pública, ao assumir o cargo de Oficial de Gabinete do então governador de Pernambuco Joaquim Francisco. Em 1995, ingressou no Partido da Social-Democracia Brasileira (PSDB), partido que no mesmo ano havia alcançado a presidência da República, com a eleição de Fernando Henrique Cardoso, em outubro de 1994, e que tomou posse no dia 1º de janeiro de 1995.

Nas eleições gerais de 1998 foi eleito deputado estadual pela legenda do PSDB para o período 1999-2003.

Sempre pelo PSDB, Bruno Araújo foi eleito novamente deputado estadual nas eleições de 2002, reassumindo o cargo para a legislatura 2003-2007.

Entre 2005 e 2007, foi secretário-geral do PSDB a nível nacional.

Em outubro de 2006, foi eleito deputado federal pelo PSDB para a legislatura 2007-2011, tendo integrado a coligação União pelo Avanço de Pernambuco, integrada também PFL, pelo Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) e pelo Partido Popular Socialista (PPS). Na câmara, assumiu cargo de titular na Comissão Permanente de Constituição, Justiça e Cidadania, de fevereiro de 2007 a fevereiro de 2008. Em 3 de julho de 2007, o deputado apresentou projeto instituindo o voto majoritário para a eleição de deputados federais, estaduais, distritais e vereadores. O projeto ainda aguarda votação.

Em meio à hipótese levantada no sentido de alterar a legislação para permitir ao presidente Luís Inácio Lula da Silva concorrer a um terceiro mandato, Bruno Araújo apresentou em 12 de setembro de 2007 proposta de emenda constitucional pela qual o presidente da República que já tivesse sido eleito para dois mandatos ficaria impedido de concorrer a um terceiro mandato. A proposta entrou nos trâmites da câmara juntamente com outras propostas contrárias à reeleição, enquanto que a idéia de terceiro mandato, objeto de matérias de jornais em diversos momentos do ano de 2007, foi rejeitada publicamente pelo presidente Lula no mesmo ano, tendo sido também rechaçada numa pesquisa de opinião divulgada pelo jornal Folha de São Paulo.

Em fevereiro de 2008 assumiu como titular a Comissão Especial de Medidas Provisórias e, logo em seguida, ascendeu à terceira vice-presidência desta comissão. No mesmo mês assumiu a primeira vice-liderança do PSDB na câmara.

Em 3 de março de 2008, apresentou projeto modificando o artigo 62 da Constituição Federal que dispõe sobre a edição de Medidas Provisórias. De acordo com a proposta, cada medida só poderia ter força de lei após aprovação de sua admissibilidade pelo Congresso Nacional. Ainda em março, passou a integrar, como titular, a Comissão Permanente de Finanças e Tributação, e em junho, a Comissão Permanente de Relações Exteriores e de Defesa Nacional, também como titular. Em junho do mesmo ano, deixou a Comissão Permanente de Finanças e Tributação e a Comissão de Viação e Transporte. Em julho, deixou a Comissão Permanente de Relações Exteriores e de Defesa Nacional.

Em março de 2009 Bruno Araújo reassumiu a vice-liderança do PSDB. A partir de março passou a integrar, como titular, a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. No mesmo mês, passou a integrar como titular a Comissão Especial da Crise Econômico-Financeira – Sistema Financeiro de Mercado. Em junho do mesmo ano deixou a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. Em setembro voltou a integrar, como titular, a Comissão Permanente de Relações Exteriores e de Defesa Nacional e no mesmo mês passou a integrar, como titular, a Comissão Externa de Honduras (CEXHONDU) – Asilo Diplomático ao Presidente Deposto. Deixou a Comissão Permanente de Fiscalização Financeira e Controle e a Comissão Permanente de Relações Exteriores e de Defesa Nacional em fevereiro de 2010. De março a abril de 2010, integrou como membro titular a Comissão Permanente de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática. Em abril, reassumiu, como membro titular, cargo na Comissão Permanente de Relações Exteriores e de Defesa Nacional.

Em outubro de 2010, reelegeu-se deputado federal por Pernambuco, com mais de 120 mil votos, na legenda do PSDB, e ao tomar posse, em janeiro de 2011, passou a integrar a bancada da oposição parlamentar ao governo de Dilma Roussef, eleita presidente da República pelo Partido dos Trabalhadores (PT) no pleito do ano anterior.

Na nova legislatura, reassumiu a vice-liderança do PSDB em março de 2011. Também passou a integrar, como membro titular, a Comissão Permanente de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática, passando também a exercer a presidência dessa comissão, no mesmo mês. Ainda em março, integrou, como titular, a Comissão Especial de Consumo de Bebidas Alcoólicas e, também como titular, a Comissão Especial da Reforma Política. Em maio passou a integrar, como membro titular, a Comissão Especial da Regulamentação da Constituição Federal.

Em janeiro de 2012, deixou de integrar como membro titular a Comissão Permanente de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática, continuando, porém, a exercer sua presidência até março daquele ano.

Em maio de 2011, juntamente com a grande maioria dos deputados tucanos, votou a favor do polêmico texto do deputado Aldo Rebelo (deputado por São Paulo na legenda do Partido Comunista do Brasil), prevendo uma flexibilização do Código Florestal Brasileiro de 1965, com medidas fortemente combatidas por ambientalistas e diversos setores da sociedade.  O texto, aprovado por esmagadora maioria na Câmara, foi posteriormente modificado pelo Senado, sendo remetido à nova votação na Câmara no primeiro semestre de 2012.

            Em março de 2012, Bruno Araújo passou a exercer a liderança do PSDB. A partir de julho do mesmo ano, passou a integrar como titular a Comissão Especial relativa às Normas Gerais de Contrato de Seguro Privado.

Em abril de 2012, na Câmara votou contra o texto do Senado relativo à reforma do Código Florestal, e pelo texto modificado pelo deputado Paulo Piau (PMDB-MG), que retomava várias medidas polêmicas rejeitadas no Senado. A Câmara rejeitou o texto do Senado, de modo que medidas fortemente combatidas pelos ambientalistas foram mantidas. Em outubro do mesmo ano, contudo, parte das medidas criticadas, como a dispensa da recuperação das margens de rios de mais de dez metros de largura,  foi vetada pela presidente Dilma Roussef.

Em fevereiro de 2013, Bruno Araújo deixou a liderança do PSDB. Apoiou então a eleição do peemedebista Henrique Alves à presidência da Câmara dos Deputados.

Voltou a assumir cargo na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática em março de 2013, desta vez como titular. No mês seguinte, passou a integrar, como membro titular, a Comissão Especial do Código Nacional de Ciência e Tecnologia.

Em 25 de junho de 2013, votou com a grande maioria da Câmara dos Deputados pela rejeição ao Projeto de Emenda Constitucional (PEC) 37, que diminuía o poder de investigação do Ministério Público. O projeto foi derrubado em meio a uma série de protestos populares que tomaram conta do país naquele mês, inicialmente contra a alta das tarifas dos transportes públicos e depois contra a corrupção e incorporando diversas outras reivindicações.

Casou-se com Carolina Araújo.

 

Inoã Pierre Carvalho Urbinati

 

FONTES: Tribuna Parlamentar – informativo da Assembleia Legislativa de Pernambuco, n.43, junho de 2005; Portal da Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco. Disponível em: <www.alepe.pe.gov.br>. Acesso em 22/10/2008; Portal do Blog de Inaldo Sampaio. Disponível em: <http://maisab.com.br/tvasabranca/ inaldosampaio/2013/02/04/toda-denuncia-tem-que-ser-apurada-diz-o-deputado-bruno-araujo>.  Acesso em 21/8/2013; Portal do Blog de Ricardo Noblat. Disponível em: <www.oglobo.globo.com/pais/noblat>. Acesso em 22/10/2008; Portal da Câmara dos Deputados. <www.camara.gov.br>. Acesso em 16/10/2008 e 21/08/2013; Portal Congresso em Foco. Disponível em: http://congressoemfoco.uol.com.br/>.  Acesso em 21/08/2013; Portal da Folha de S. Paulo. Disponível em: <www.folha.uol.com.br >. Acesso em 15/05/2007, 01/12/2007, 02/12/2007 e 16/10/2008; Portal G1 de Notícias. Disponível: <http://g1.globo.com/index.html>. Acesso em 21/08/2013; Portal pessoal do deputado Bruno Araújo. Disponível: <www.brunoaraujo.com.br> Acesso em 21/08/2013 e 16/10/2008; Portal Políticos & Políticas. Disponível em: <www.politicos.br101.org>. Acesso em 16/10/2008; Portal do PSDB de Pernambuco. Disponível em: <www.psdb-pe.org.br>. Acesso em 22/10/2008; Portal UOL de Notícias Disponível em: <http://noticias.uol.com.br>.   Acesso 04/02/2013; Portal Viomundo. Disponível em: <http://www.viomundo.com.br/ >.  Acesso em 21/8/2013.

 

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados